ao.mpmn-digital.com
Novas receitas

DoorDash enfrenta processo judicial de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada

DoorDash enfrenta processo judicial de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


DoorDash resolveu uma ação judicial da In-N-Out em 2015

Leonard W./Yelp

O serviço de entrega online da Califórnia, DoorDash, está atualmente sob o fogo de um restaurante suburbano de Chicago chamado Burger Antics, que afirma que a empresa usou seu logotipo e vendeu sua comida sem permissão. De acordo com Dan e Brenna Velcich, proprietários do Burger Antics, o DoorDash nunca foi autorizado pelo restaurante a postar seu menu ou entregar sua comida. O DoorDash vem se defendendo de reclamações semelhantes de outros restaurantes há anos, razão pela qual os Velciches estão buscando o status de ação coletiva.

O restaurante Brookfield percebeu as travessuras de DoorDash depois que eles começaram a receber reclamações de clientes sobre comida fria e serviço de entrega atrasado. Terrence Buehler, o advogado que representa o Burger Antics, disse ao Chicago Tribune: “Eles não têm serviço de entrega e não querem um”.

Esta não é a primeira vez que a DoorDash se envolve em um processo como este. A In-N-Out entrou com uma ação contra o serviço de entrega em 2015 por violação de marca. A rede de hambúrgueres da Califórnia não está mais listada no site de entrega de comida.

Desde então, a DoorDash removeu o Burger Antics de seu site, mas o processo está em andamento. “O que [a remoção] não aborda são os nove pedidos documentados que a DoorDash fez com o Burger Antics”, disse Buehler. “Acho que vou esperar para ouvir dos advogados do DoorDash e ver qual é a opinião deles sobre isso.” Felizmente, Chicago é o lar de alguns dos melhores hambúrgueres da América; muitos dos quais podem ser entregues nos subúrbios ao redor - até mesmo em Brookfield.


DoorDash enfrenta processo de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada - receitas

O governo australiano divulgou sua resposta ao inquérito de franquia de 2018 quase 18 meses após o inquérito apresentar seu relatório final, Justiça na Franquia, e nove meses após o término da consulta sobre um projeto de declaração de impacto do regulamento.

A resposta do governo de 20 páginas ao relatório do inquérito não aborda especificamente as 71 recomendações do inquérito e # 8211 27 das quais foram encaminhadas a uma força-tarefa de franquia composta por agências governamentais para avaliar em mais detalhes - mas aborda temas do inquérito para cobrir pré - problemas de entrada, operação e saída nos relacionamentos de franquia.

A resposta inclui os seguintes itens de destaque:

  • Duplicação das penalidades que se aplicam a uma violação do Código de Franquia (potencialmente até 600 unidades de penalidade, ou $ 1.333.200 por violação)
  • A introdução da conciliação e da arbitragem vinculativa voluntária, além da mediação
  • Requisitos de divulgação adicionais sobre acordos de fornecimento (incluindo descontos), fundos de marketing, acordos de saída e requisitos de despesas de capital
  • Um novo folheto informativo de informações importantes para resumir os elementos do acordo
  • Um registro público de franqueadores (ainda a ser desenvolvido)
  • Um site para franqueadores e franqueados acessarem informações e suporte
  • Uma extensão do período de reflexão para pelo menos 14 dias após a conclusão de certos eventos (ou seja, não apenas a assinatura do contrato de franquia
  • Proibição dos franqueadores de cobrar os custos de preparação dos contratos de franquia.

A resposta não indica um prazo de implementação; no entanto, as alterações anteriores do Código entraram em vigor na data final em que os documentos de divulgação devem ser atualizados (ou seja, 31 de outubro para franqueadores com final de ano em 30 de junho), ou 1º de janeiro. Para ler o relatório completo, clique aqui.

Penalidades do código dobradas, reflexão ampliada, mais divulgação necessária

As penalidades por violações do Código de Conduta de Franquia serão aumentadas de um máximo de 300 para 600 unidades de penalidade de acordo com as alterações que deverão ser introduzidas após a resposta oficial do Governo ao Inquérito de Franquia de 2018.

As unidades de penalidade determinam o tamanho de uma penalidade financeira a ser imposta por uma violação de um código obrigatório da indústria, que recentemente aumentou de US $ 210 por unidade para US $ 222 por unidade, tornando possível para um franqueador incorrer em uma multa total de US $ 133.200 por uma única violação do Código de Franquia.

O período de reflexão também foi ampliado, de sete dias a partir da assinatura do contrato de franquia para 14 dias depois o último de certos eventos ocorreu, como a assinatura do contrato, o pagamento é feito, os documentos de divulgação são recebidos e, se aplicável, uma cópia dos termos do contrato de arrendamento é recebida. A reflexão também se aplica às transferências em que o franqueado celebra um contrato substancialmente novo com o franqueador. No geral, espera-se que o novo requisito estenda os prazos de recrutamento da franquia.

Uma nova Folha de Informações de Divulgação Principal deve ser fornecida pelos franqueadores para resumir as informações no documento de divulgação, particularmente as informações financeiras que provavelmente incluirão detalhes de taxas, descontos, comissões e qualquer direito a fundo de comércio no final do prazo de franquia. Consulte Mais informação

Maior transparência de descontos e fundos de marketing

Os franqueadores serão obrigados a divulgar informações sobre os descontos do fornecedor de acordo com as alterações propostas pela resposta do governo; no entanto, não está claro se isso exigirá a divulgação do valor ou percentual do desconto recebido de cada fornecedor.

Quando um desconto de fornecedor para o franqueador resulta em uma redução substancial na concorrência, isso irá desencadear uma violação da Lei da Concorrência e do Consumidor (CCA). O governo deixou a porta aberta para que a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC) conduza sua própria investigação sobre os descontos na franquia assim que as novas disposições de divulgação tiverem tempo de entrar em vigor.

O Código de Franquia será alterado para esclarecer os requisitos relativos ao tratamento e relatórios de fundos de marketing e aplicar penalidades financeiras para violações desses requisitos.

Além disso, o governo irá considerar se a orientação para auditoria de fundos de marketing e cooperativas é necessária, mas deixa a exigência atual de relatórios anuais de fundos de marketing em vigor.

Novo site para fornecer mais informações para potenciais franqueados

Um elemento importante da resposta do governo ao inquérito de franquia é o desenvolvimento de um novo site para fornecer mais informações a potenciais franqueados (e potenciais franqueadores), o que será anotado na Declaração de Informação obrigatória, que deve ser fornecida aos potenciais franqueados no primeira oportunidade.

O site incluirá recursos de informação, bem como detalhes sobre como registrar uma reclamação sobre um franqueador.

A resposta não indica se o novo site também incluirá o registro público de franqueadores ou o programa de educação pré-entrada para franqueados em potencial oferecido anteriormente pela Griffith University.

Governo deve realizar consultas adicionais

O Governo comprometeu-se a consultar o setor de franquia em relação a:

  • O desenvolvimento de um registro público de franqueadores
  • A Folha de Dados de Informações Chave de Divulgação, a ser retirada de informações no documento de divulgação
  • O site específico da franquia para fornecer informações para potenciais franqueados e franqueadores
  • Mudanças no Código para aumentar a transparência em relação aos arrendamentos de varejo.

Questões de despesas de capital destacadas

O Código de Franquia será alterado para proibir os franqueadores de exigirem que os franqueados realizem despesas de capital significativas, exceto quando divulgado antecipadamente, seja legalmente exigido ou seja acordado pelo franqueado.

As despesas de capital devem ser discutidas antes de entrar em um contrato de franquia, o momento e o valor das despesas também devem ser fornecidos, e a divulgação das circunstâncias em que os franqueados podem recuperar seu investimento.

Mudanças para impactar o Código do Petróleo

As alterações ao Código de Conduta de Franquia terão impacto sobre o Código do Petróleo, com o Governo observando que ele apóia a consistência do Código do Petróleo com o Código de Franquia quando o Código do Petróleo estiver para sua revisão intermediária.

Emendas recentes ao Código de Franquia para aplicação específica ao setor automotivo que lida com despesas de capital (ver artigo acima) também serão estendidas ao Código de Franquia de forma mais ampla para afetar todos os franqueadores.

Para ler a resposta completa do governo ao inquérito sobre franquia, Clique aqui.


DoorDash enfrenta processo de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada - receitas

O governo australiano divulgou sua resposta ao inquérito de franquia de 2018 quase 18 meses após o inquérito apresentar seu relatório final, Justiça na Franquia, e nove meses após o término da consulta sobre um projeto de declaração de impacto do regulamento.

A resposta do governo de 20 páginas ao relatório do inquérito não aborda especificamente as 71 recomendações do inquérito e # 8211 27 das quais foram encaminhadas a uma força-tarefa de franquia composta por agências governamentais para avaliar em mais detalhes - mas aborda temas do inquérito para cobrir pré - problemas de entrada, operação e saída nos relacionamentos de franquia.

A resposta inclui os seguintes itens de destaque:

  • Duplicação das penalidades que se aplicam a uma violação do Código de Franquia (potencialmente até 600 unidades de penalidade, ou $ 1.333.200 por violação)
  • A introdução da conciliação e da arbitragem vinculativa voluntária, além da mediação
  • Requisitos de divulgação adicionais sobre acordos de fornecimento (incluindo descontos), fundos de marketing, acordos de saída e requisitos de despesas de capital
  • Um novo folheto informativo de informações importantes para resumir os elementos do acordo
  • Um registro público de franqueadores (ainda a ser desenvolvido)
  • Um site para franqueadores e franqueados acessarem informações e suporte
  • Uma extensão do período de reflexão para pelo menos 14 dias após a conclusão de certos eventos (ou seja, não apenas a assinatura do contrato de franquia
  • Proibição dos franqueadores de cobrar os custos de preparação dos contratos de franquia.

A resposta não indica um prazo de implementação; no entanto, as alterações anteriores do Código entraram em vigor na data final em que os documentos de divulgação devem ser atualizados (ou seja, 31 de outubro para franqueadores com final de ano em 30 de junho), ou 1º de janeiro. Para ler o relatório completo, clique aqui.

Penalidades do código dobradas, reflexão ampliada, mais divulgação necessária

As penalidades por violações do Código de Conduta de Franquia serão aumentadas de um máximo de 300 para 600 unidades de penalidade de acordo com as alterações que deverão ser introduzidas após a resposta oficial do Governo ao Inquérito de Franquia de 2018.

As unidades de penalidade determinam o tamanho de uma penalidade financeira a ser imposta por uma violação de um código obrigatório da indústria, que recentemente aumentou de US $ 210 por unidade para US $ 222 por unidade, tornando possível para um franqueador incorrer em uma multa total de US $ 133.200 por uma única violação do Código de Franquia.

O período de reflexão também foi ampliado, de sete dias a partir da assinatura do contrato de franquia para 14 dias depois o último de certos eventos ocorreu, como a assinatura do contrato, o pagamento é feito, os documentos de divulgação são recebidos e, se aplicável, uma cópia dos termos do contrato de arrendamento é recebida. A reflexão também se aplica às transferências em que o franqueado celebra um contrato substancialmente novo com o franqueador. No geral, espera-se que o novo requisito estenda os prazos de recrutamento da franquia.

Uma nova Folha de Informações de Divulgação Principal deve ser fornecida pelos franqueadores para resumir as informações no documento de divulgação, particularmente as informações financeiras que provavelmente incluirão detalhes de taxas, descontos, comissões e qualquer direito a fundo de comércio no final do prazo de franquia. Consulte Mais informação

Maior transparência de descontos e fundos de marketing

Os franqueadores serão obrigados a divulgar informações sobre os descontos do fornecedor de acordo com as alterações propostas pela resposta do governo; no entanto, não está claro se isso exigirá a divulgação do valor ou percentual do desconto recebido de cada fornecedor.

Quando um desconto de fornecedor para o franqueador resulta em uma redução substancial na concorrência, isso irá desencadear uma violação da Lei da Concorrência e do Consumidor (CCA). O governo deixou a porta aberta para que a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC) conduza sua própria investigação sobre os descontos na franquia assim que as novas disposições de divulgação tiverem tempo de entrar em vigor.

O Código de Franquia será alterado para esclarecer os requisitos relativos ao tratamento e relatórios de fundos de marketing e aplicar penalidades financeiras para violações desses requisitos.

Além disso, o governo irá considerar se a orientação para auditoria de fundos de marketing e cooperativas é necessária, mas deixa a exigência atual de relatórios anuais de fundos de marketing em vigor.

Novo site para fornecer mais informações para potenciais franqueados

Um elemento importante da resposta do governo ao inquérito de franquia é o desenvolvimento de um novo site para fornecer mais informações a potenciais franqueados (e potenciais franqueadores), o que será anotado na Declaração de Informação obrigatória, que deve ser fornecida aos potenciais franqueados no primeira oportunidade.

O site incluirá recursos de informação, bem como detalhes sobre como registrar uma reclamação sobre um franqueador.

A resposta não indica se o novo site também incluirá o registro público de franqueadores ou o programa de educação pré-entrada para franqueados em potencial oferecido anteriormente pela Griffith University.

Governo deve realizar consultas adicionais

O Governo comprometeu-se a consultar o setor de franquia em relação a:

  • O desenvolvimento de um registro público de franqueadores
  • A Folha de Dados de Informações Chave de Divulgação, a ser retirada de informações no documento de divulgação
  • O site específico da franquia para fornecer informações para potenciais franqueados e franqueadores
  • Mudanças no Código para aumentar a transparência em relação aos arrendamentos de varejo.

Questões de despesas de capital destacadas

O Código de Franquia será alterado para proibir os franqueadores de exigirem que os franqueados realizem despesas de capital significativas, exceto quando divulgado antecipadamente, seja legalmente exigido ou seja acordado pelo franqueado.

As despesas de capital devem ser discutidas antes de entrar em um contrato de franquia, o momento e o valor das despesas também devem ser fornecidos, e a divulgação das circunstâncias em que os franqueados podem recuperar seu investimento.

Mudanças para impactar o Código do Petróleo

As alterações ao Código de Conduta de Franquia terão impacto sobre o Código do Petróleo, com o Governo observando que ele apóia a consistência do Código do Petróleo com o Código de Franquia quando o Código do Petróleo estiver para sua revisão intermediária.

Emendas recentes ao Código de Franquia para aplicação específica ao setor automotivo que lida com despesas de capital (ver artigo acima) também serão estendidas ao Código de Franquia de forma mais ampla para afetar todos os franqueadores.

Para ler a resposta completa do governo ao inquérito sobre franquia, Clique aqui.


DoorDash enfrenta processo de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada - receitas

O governo australiano divulgou sua resposta ao inquérito de franquia de 2018 quase 18 meses após o inquérito apresentar seu relatório final, Justiça na Franquia, e nove meses após o término da consulta sobre um projeto de declaração de impacto do regulamento.

A resposta do governo de 20 páginas ao relatório do inquérito não aborda especificamente as 71 recomendações do inquérito e # 8211 27 das quais foram encaminhadas a uma força-tarefa de franquia composta por agências governamentais para avaliar em mais detalhes - mas aborda temas do inquérito para cobrir pré - problemas de entrada, operação e saída nos relacionamentos de franquia.

A resposta inclui os seguintes itens de destaque:

  • Duplicação das penalidades que se aplicam a uma violação do Código de Franquia (potencialmente até 600 unidades de penalidade, ou $ 1.333.200 por violação)
  • A introdução da conciliação e da arbitragem vinculativa voluntária, além da mediação
  • Requisitos de divulgação adicionais sobre acordos de fornecimento (incluindo descontos), fundos de marketing, acordos de saída e requisitos de despesas de capital
  • Um novo folheto informativo de informações importantes para resumir os elementos do acordo
  • Um registro público de franqueadores (ainda a ser desenvolvido)
  • Um site para franqueadores e franqueados acessarem informações e suporte
  • Uma extensão do período de reflexão para pelo menos 14 dias após a conclusão de certos eventos (ou seja, não apenas a assinatura do contrato de franquia
  • Proibição dos franqueadores de cobrar os custos de preparação dos contratos de franquia.

A resposta não indica um prazo de implementação; no entanto, as alterações anteriores do Código entraram em vigor na data final em que os documentos de divulgação devem ser atualizados (ou seja, 31 de outubro para franqueadores com final de ano em 30 de junho), ou 1º de janeiro. Para ler o relatório completo, clique aqui.

Penalidades do código dobradas, reflexão ampliada, mais divulgação necessária

As penalidades por violações do Código de Conduta de Franquia serão aumentadas de um máximo de 300 para 600 unidades de penalidade de acordo com as alterações que deverão ser introduzidas após a resposta oficial do Governo ao Inquérito de Franquia de 2018.

As unidades de penalidade determinam o tamanho de uma penalidade financeira a ser imposta por uma violação de um código obrigatório da indústria, que recentemente aumentou de US $ 210 por unidade para US $ 222 por unidade, tornando possível para um franqueador incorrer em uma multa total de US $ 133.200 por uma única violação do Código de Franquia.

O período de reflexão também foi ampliado, de sete dias a partir da assinatura do contrato de franquia para 14 dias depois o último de certos eventos ocorreu, como a assinatura do contrato, o pagamento é feito, os documentos de divulgação são recebidos e, se aplicável, uma cópia dos termos do contrato de arrendamento é recebida. A reflexão também se aplica às transferências em que o franqueado celebra um contrato substancialmente novo com o franqueador. No geral, espera-se que o novo requisito estenda os prazos de recrutamento da franquia.

Uma nova Folha de Informações de Divulgação Principal deve ser fornecida pelos franqueadores para resumir as informações no documento de divulgação, particularmente as informações financeiras que provavelmente incluirão detalhes de taxas, descontos, comissões e qualquer direito a fundo de comércio no final do prazo de franquia. Consulte Mais informação

Maior transparência de descontos e fundos de marketing

Os franqueadores serão obrigados a divulgar informações sobre os descontos do fornecedor de acordo com as alterações propostas pela resposta do governo; no entanto, não está claro se isso exigirá a divulgação do valor ou percentual do desconto recebido de cada fornecedor.

Quando um desconto de fornecedor para o franqueador resulta em uma redução substancial na concorrência, isso irá desencadear uma violação da Lei da Concorrência e do Consumidor (CCA). O governo deixou a porta aberta para que a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC) conduza sua própria investigação sobre os descontos na franquia assim que as novas disposições de divulgação tiverem tempo de entrar em vigor.

O Código de Franquia será alterado para esclarecer os requisitos relativos ao tratamento e relatórios de fundos de marketing e aplicar penalidades financeiras para violações desses requisitos.

Além disso, o governo irá considerar se a orientação para auditoria de fundos de marketing e cooperativas é necessária, mas deixa a exigência atual de relatórios anuais de fundos de marketing em vigor.

Novo site para fornecer mais informações para potenciais franqueados

Um elemento importante da resposta do governo ao inquérito de franquia é o desenvolvimento de um novo site para fornecer mais informações a potenciais franqueados (e potenciais franqueadores), o que será anotado na Declaração de Informação obrigatória, que deve ser fornecida aos potenciais franqueados no primeira oportunidade.

O site incluirá recursos de informação, bem como detalhes sobre como registrar uma reclamação sobre um franqueador.

A resposta não indica se o novo site também incluirá o registro público de franqueadores ou o programa de educação pré-entrada para franqueados em potencial oferecido anteriormente pela Griffith University.

Governo deve realizar consultas adicionais

O Governo comprometeu-se a consultar o setor de franquia em relação a:

  • O desenvolvimento de um registro público de franqueadores
  • A Folha de Dados de Informações Chave de Divulgação, a ser retirada de informações no documento de divulgação
  • O site específico da franquia para fornecer informações para potenciais franqueados e franqueadores
  • Mudanças no Código para aumentar a transparência em relação aos arrendamentos de varejo.

Questões de despesas de capital destacadas

O Código de Franquia será alterado para proibir os franqueadores de exigirem que os franqueados realizem despesas de capital significativas, exceto quando divulgado antecipadamente, seja legalmente exigido ou seja acordado pelo franqueado.

As despesas de capital devem ser discutidas antes de entrar em um contrato de franquia, o momento e o valor das despesas também devem ser fornecidos, e a divulgação das circunstâncias em que os franqueados podem recuperar seu investimento.

Mudanças para impactar o Código do Petróleo

As alterações ao Código de Conduta de Franquia terão impacto sobre o Código do Petróleo, com o Governo observando que ele apóia a consistência do Código do Petróleo com o Código de Franquia quando o Código do Petróleo estiver para sua revisão intermediária.

Emendas recentes ao Código de Franquia para aplicação específica ao setor automotivo que lida com despesas de capital (ver artigo acima) também serão estendidas ao Código de Franquia de forma mais ampla para afetar todos os franqueadores.

Para ler a resposta completa do governo ao inquérito sobre franquia, Clique aqui.


DoorDash enfrenta processo de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada - receitas

O governo australiano divulgou sua resposta ao inquérito de franquia de 2018 quase 18 meses após o inquérito apresentar seu relatório final, Justiça na Franquia, e nove meses após o término da consulta sobre um projeto de declaração de impacto do regulamento.

A resposta do governo de 20 páginas ao relatório do inquérito não aborda especificamente as 71 recomendações do inquérito e # 8211 27 das quais foram encaminhadas a uma força-tarefa de franquia composta por agências governamentais para avaliar em mais detalhes - mas aborda temas do inquérito para cobrir pré - problemas de entrada, operação e saída nos relacionamentos de franquia.

A resposta inclui os seguintes itens de destaque:

  • Duplicação das penalidades que se aplicam a uma violação do Código de Franquia (potencialmente até 600 unidades de penalidade, ou $ 1.333.200 por violação)
  • A introdução da conciliação e da arbitragem vinculativa voluntária, além da mediação
  • Requisitos de divulgação adicionais sobre acordos de fornecimento (incluindo descontos), fundos de marketing, acordos de saída e requisitos de despesas de capital
  • Um novo folheto informativo de informações importantes para resumir os elementos do acordo
  • Um registro público de franqueadores (ainda a ser desenvolvido)
  • Um site para franqueadores e franqueados acessarem informações e suporte
  • Uma extensão do período de reflexão para pelo menos 14 dias após a conclusão de certos eventos (ou seja, não apenas a assinatura do contrato de franquia
  • Proibição dos franqueadores de cobrar os custos de preparação dos contratos de franquia.

A resposta não indica um prazo de implementação; no entanto, as alterações anteriores do Código entraram em vigor na data final em que os documentos de divulgação devem ser atualizados (ou seja, 31 de outubro para franqueadores com final de ano em 30 de junho), ou 1º de janeiro. Para ler o relatório completo, clique aqui.

Penalidades do código dobradas, reflexão ampliada, mais divulgação necessária

As penalidades por violações do Código de Conduta de Franquia serão aumentadas de um máximo de 300 para 600 unidades de penalidade de acordo com as alterações que deverão ser introduzidas após a resposta oficial do Governo ao Inquérito de Franquia de 2018.

As unidades de penalidade determinam o tamanho de uma penalidade financeira a ser imposta por uma violação de um código obrigatório da indústria, que recentemente aumentou de US $ 210 por unidade para US $ 222 por unidade, tornando possível para um franqueador incorrer em uma multa total de US $ 133.200 por uma única violação do Código de Franquia.

O período de reflexão também foi ampliado, de sete dias a partir da assinatura do contrato de franquia para 14 dias depois o último de certos eventos ocorreu, como a assinatura do contrato, o pagamento é feito, os documentos de divulgação são recebidos e, se aplicável, uma cópia dos termos do contrato de arrendamento é recebida. A reflexão também se aplica às transferências em que o franqueado celebra um contrato substancialmente novo com o franqueador. No geral, espera-se que o novo requisito estenda os prazos de recrutamento da franquia.

Uma nova Folha de Informações de Divulgação Principal deve ser fornecida pelos franqueadores para resumir as informações no documento de divulgação, particularmente as informações financeiras que provavelmente incluirão detalhes de taxas, descontos, comissões e qualquer direito a fundo de comércio no final do prazo de franquia. Consulte Mais informação

Maior transparência de descontos e fundos de marketing

Os franqueadores serão obrigados a divulgar informações sobre os descontos do fornecedor de acordo com as alterações propostas pela resposta do governo; no entanto, não está claro se isso exigirá a divulgação do valor ou percentual do desconto recebido de cada fornecedor.

Quando um desconto de fornecedor para o franqueador resulta em uma redução substancial na concorrência, isso irá desencadear uma violação da Lei da Concorrência e do Consumidor (CCA). O governo deixou a porta aberta para que a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC) conduza sua própria investigação sobre os descontos na franquia assim que as novas disposições de divulgação tiverem tempo de entrar em vigor.

O Código de Franquia será alterado para esclarecer os requisitos relativos ao tratamento e relatórios de fundos de marketing e aplicar penalidades financeiras para violações desses requisitos.

Além disso, o governo irá considerar se a orientação para auditoria de fundos de marketing e cooperativas é necessária, mas deixa a exigência atual de relatórios anuais de fundos de marketing em vigor.

Novo site para fornecer mais informações para potenciais franqueados

Um elemento importante da resposta do governo ao inquérito de franquia é o desenvolvimento de um novo site para fornecer mais informações a potenciais franqueados (e potenciais franqueadores), o que será anotado na Declaração de Informação obrigatória, que deve ser fornecida aos potenciais franqueados no primeira oportunidade.

O site incluirá recursos de informação, bem como detalhes sobre como registrar uma reclamação sobre um franqueador.

A resposta não indica se o novo site também incluirá o registro público de franqueadores ou o programa de educação pré-entrada para franqueados em potencial oferecido anteriormente pela Griffith University.

Governo deve realizar consultas adicionais

O Governo comprometeu-se a consultar o setor de franquia em relação a:

  • O desenvolvimento de um registro público de franqueadores
  • A Folha de Dados de Informações Chave de Divulgação, a ser retirada de informações no documento de divulgação
  • O site específico da franquia para fornecer informações para potenciais franqueados e franqueadores
  • Mudanças no Código para aumentar a transparência em relação aos arrendamentos de varejo.

Questões de despesas de capital destacadas

O Código de Franquia será alterado para proibir os franqueadores de exigirem que os franqueados realizem despesas de capital significativas, exceto quando divulgado antecipadamente, seja legalmente exigido ou seja acordado pelo franqueado.

As despesas de capital devem ser discutidas antes de entrar em um contrato de franquia, o momento e o valor das despesas também devem ser fornecidos, e a divulgação das circunstâncias em que os franqueados podem recuperar seu investimento.

Mudanças para impactar o Código do Petróleo

As alterações ao Código de Conduta de Franquia terão impacto sobre o Código do Petróleo, com o Governo observando que ele apóia a consistência do Código do Petróleo com o Código de Franquia quando o Código do Petróleo estiver para sua revisão intermediária.

Emendas recentes ao Código de Franquia para aplicação específica ao setor automotivo que lida com despesas de capital (ver artigo acima) também serão estendidas ao Código de Franquia de forma mais ampla para afetar todos os franqueadores.

Para ler a resposta completa do governo ao inquérito sobre franquia, Clique aqui.


DoorDash enfrenta processo de restaurante suburbano de Chicago por violação de marca registrada - receitas

O governo australiano divulgou sua resposta ao inquérito de franquia de 2018 quase 18 meses após o inquérito apresentar seu relatório final, Justiça na Franquia, e nove meses após o término da consulta sobre um projeto de declaração de impacto do regulamento.

A resposta do governo de 20 páginas ao relatório do inquérito não aborda especificamente as 71 recomendações do inquérito e # 8211 27 das quais foram encaminhadas a uma força-tarefa de franquia composta por agências governamentais para avaliar em mais detalhes - mas aborda temas do inquérito para cobrir pré - problemas de entrada, operação e saída nos relacionamentos de franquia.

A resposta inclui os seguintes itens de destaque:

  • Duplicação das penalidades que se aplicam a uma violação do Código de Franquia (potencialmente até 600 unidades de penalidade, ou $ 1.333.200 por violação)
  • A introdução da conciliação e da arbitragem vinculativa voluntária, além da mediação
  • Requisitos de divulgação adicionais sobre acordos de fornecimento (incluindo descontos), fundos de marketing, acordos de saída e requisitos de despesas de capital
  • Um novo folheto informativo de informações importantes para resumir os elementos do acordo
  • Um registro público de franqueadores (ainda a ser desenvolvido)
  • Um site para franqueadores e franqueados acessarem informações e suporte
  • Uma extensão do período de reflexão para pelo menos 14 dias após a conclusão de certos eventos (ou seja, não apenas a assinatura do contrato de franquia
  • Proibição dos franqueadores de cobrar os custos de preparação dos contratos de franquia.

A resposta não indica um prazo de implementação; no entanto, as alterações anteriores do Código entraram em vigor na data final em que os documentos de divulgação devem ser atualizados (ou seja, 31 de outubro para franqueadores com final de ano em 30 de junho), ou 1º de janeiro. Para ler o relatório completo, clique aqui.

Penalidades do código dobradas, reflexão ampliada, mais divulgação necessária

As penalidades por violações do Código de Conduta de Franquia serão aumentadas de um máximo de 300 para 600 unidades de penalidade de acordo com as alterações que deverão ser introduzidas após a resposta oficial do Governo ao Inquérito de Franquia de 2018.

As unidades de penalidade determinam o tamanho de uma penalidade financeira a ser imposta por uma violação de um código obrigatório da indústria, que recentemente aumentou de US $ 210 por unidade para US $ 222 por unidade, tornando possível para um franqueador incorrer em uma multa total de US $ 133.200 por uma única violação do Código de Franquia.

The cooling-off period has also been increased, from seven days from signing a franchise agreement to now 14 days depois the last of certain events have occurred, such as the agreement being signed, payment is made, disclosure documents are received, and if applicable, a copy of the terms of the lease are received. Cooling off will also apply to transfers where the franchisee enters a substantially new agreement with the franchisor. Overall, the new requirement is expected to extend franchise recruitment timeframes.

A new Key Disclosure Information Fact Sheet must be provided by franchisors to summarise information in the disclosure document, particularly financial information likely to include details of fees, rebates, commissions, and any entitlement to goodwill at the end of the franchise term. Read more

Greater transparency of rebates and marketing funds

Franchisors will be required to disclose information on supplier rebates under changes proposed by the Government response, however it is unclear if this will require disclosure of the amount or percentage of rebate received from each supplier.

Where a supplier rebate to the franchisor results in a substantial lessening in competition, this will trigger a breach of the Competition and Consumer Act (CCA). The Government has left the door open for the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) to conduct its own inquiry about the about rebates in franchising once the new disclosure provisions have had time to take effect.

The Franchising Code will be amended to clarify requirements relating to the treatment and reporting of marketing funds, and apply financial penalties to breaches of these requirements.

Additionally, the government will further consider whether guidance for auditing of marketing and cooperative funds is required, but leave the current requirement for annual reporting of marketing funds in place.

New website to provide more information for potential franchisees

A major element of the Government’s response to the Franchise Inquiry is the development of a new website to provide more information to potential franchisees (and potential franchisors), which will be noted in the mandatory Information Statement, which must be given to potential franchisees at the earliest opportunity.

The website will include information resources, as well as details about how to lodge a complaint about a franchisor.

The response does not indicate if the new website will also include the public register of franchisors, or the pre-entry education program for potential franchisees previously offered by Griffith University.

Government to undertake further consultation

The Government has undertaken to consult with the franchise sector further in regards to:

  • The development of a public register of franchisors
  • The Key Disclosure Information Fact Sheet, to be drawn from information in the disclosure document
  • The franchising-specific website to provide information for potential franchisees and franchisors
  • Changes to the Code to increase transparency surrounding retail leases.

Capital expenditure issues highlighted

The Franchising Code will be changed to prohibit franchisors from requiring franchisees to undertake significant capital expenditure, except where it has been disclosed up front, is legally required, or is agreed to by the franchisee.

Capital expenditure must be discussed before entering a franchise agreement, the timing and amount of expenditure should also be provided, and disclosure of the circumstances under which franchisees may recoup their investment.

Changes to impact the Oil Code

The amendments to the Franchising Code of Conduct will impact the Oil Code, with the Government noting that it supports consistency of the Oil Code with the Franchising Code when the Oil Code is due for its mid-term review.

Recent amendments to the Franchising Code to apply specifically to the automotive sector dealing with capital expenditure (see article above) will also be extended to the Franchising Code more broadly to affect all franchisors.

To read the full Government response to the Franchise Inquiry, click here.


DoorDash Faces Lawsuit From Suburban Chicago Restaurant Over Trademark Infringement - Recipes

The Australian Government has released its response to the 2018 Franchise Inquiry nearly 18 months after the Inquiry tabled its final report, Fairness in Franchising, and nine months after consultation ended on a draft regulation impact statement.

The 20-page government response to the Inquiry report does not specifically address the Inquiry’s 71 recommendations – 27 of which were referred to a Franchising Taskforce comprised of government agencies to assess in more detail – but does address themes from the Inquiry to cover pre-entry, operational, and exit issues in franchise relationships.

The response includes the following highlight items:

  • Doubling of penalties that apply for a breach of the Franchising Code (potentially up to 600 penalty units, or $1333,200 per breach)
  • The introduction of conciliation and voluntary binding arbitration in addition to mediation
  • Further disclosure requirements re supply arrangements (including rebates), marketing funds, exit arrangements and capital expenditure requirements
  • A new Key Disclosure Information Fact Sheet to summarise elements of the agreement
  • A public register of franchisors (yet to be developed)
  • A website for franchisors and franchisees to access information and support
  • An extension of the cooling-off period to at least 14 days after the completion of certain events (ie not just signing the franchise agreement
  • Banning franchisors from charging the costs of preparing franchise agreements.

The response does not indicate an implementation timeframe, however past Code amendments have come into effect by the final date that disclosure documents are required to be updated (ie. October 31 for franchisors with a June 30 year end), or 1 January. To read the full report, click here.

Code penalties doubled, cooling-off extended, more disclosure required

Penalties for breaches of the Franchising Code of Conduct will be increased from a maximum of 300 to 600 penalty units under changes expected to be introduced following the Government’s official response to the 2018 Franchise Inquiry.

Penalty units determine the size of a financial penalty to be imposed for a breach of a mandatory industry code, which recently increased from $210 per unit to $222 per unit, making it possible for a franchisor to incur a total fine of $133,200 for a single breach of the Franchising Code.

The cooling-off period has also been increased, from seven days from signing a franchise agreement to now 14 days depois the last of certain events have occurred, such as the agreement being signed, payment is made, disclosure documents are received, and if applicable, a copy of the terms of the lease are received. Cooling off will also apply to transfers where the franchisee enters a substantially new agreement with the franchisor. Overall, the new requirement is expected to extend franchise recruitment timeframes.

A new Key Disclosure Information Fact Sheet must be provided by franchisors to summarise information in the disclosure document, particularly financial information likely to include details of fees, rebates, commissions, and any entitlement to goodwill at the end of the franchise term. Read more

Greater transparency of rebates and marketing funds

Franchisors will be required to disclose information on supplier rebates under changes proposed by the Government response, however it is unclear if this will require disclosure of the amount or percentage of rebate received from each supplier.

Where a supplier rebate to the franchisor results in a substantial lessening in competition, this will trigger a breach of the Competition and Consumer Act (CCA). The Government has left the door open for the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) to conduct its own inquiry about the about rebates in franchising once the new disclosure provisions have had time to take effect.

The Franchising Code will be amended to clarify requirements relating to the treatment and reporting of marketing funds, and apply financial penalties to breaches of these requirements.

Additionally, the government will further consider whether guidance for auditing of marketing and cooperative funds is required, but leave the current requirement for annual reporting of marketing funds in place.

New website to provide more information for potential franchisees

A major element of the Government’s response to the Franchise Inquiry is the development of a new website to provide more information to potential franchisees (and potential franchisors), which will be noted in the mandatory Information Statement, which must be given to potential franchisees at the earliest opportunity.

The website will include information resources, as well as details about how to lodge a complaint about a franchisor.

The response does not indicate if the new website will also include the public register of franchisors, or the pre-entry education program for potential franchisees previously offered by Griffith University.

Government to undertake further consultation

The Government has undertaken to consult with the franchise sector further in regards to:

  • The development of a public register of franchisors
  • The Key Disclosure Information Fact Sheet, to be drawn from information in the disclosure document
  • The franchising-specific website to provide information for potential franchisees and franchisors
  • Changes to the Code to increase transparency surrounding retail leases.

Capital expenditure issues highlighted

The Franchising Code will be changed to prohibit franchisors from requiring franchisees to undertake significant capital expenditure, except where it has been disclosed up front, is legally required, or is agreed to by the franchisee.

Capital expenditure must be discussed before entering a franchise agreement, the timing and amount of expenditure should also be provided, and disclosure of the circumstances under which franchisees may recoup their investment.

Changes to impact the Oil Code

The amendments to the Franchising Code of Conduct will impact the Oil Code, with the Government noting that it supports consistency of the Oil Code with the Franchising Code when the Oil Code is due for its mid-term review.

Recent amendments to the Franchising Code to apply specifically to the automotive sector dealing with capital expenditure (see article above) will also be extended to the Franchising Code more broadly to affect all franchisors.

To read the full Government response to the Franchise Inquiry, click here.


DoorDash Faces Lawsuit From Suburban Chicago Restaurant Over Trademark Infringement - Recipes

The Australian Government has released its response to the 2018 Franchise Inquiry nearly 18 months after the Inquiry tabled its final report, Fairness in Franchising, and nine months after consultation ended on a draft regulation impact statement.

The 20-page government response to the Inquiry report does not specifically address the Inquiry’s 71 recommendations – 27 of which were referred to a Franchising Taskforce comprised of government agencies to assess in more detail – but does address themes from the Inquiry to cover pre-entry, operational, and exit issues in franchise relationships.

The response includes the following highlight items:

  • Doubling of penalties that apply for a breach of the Franchising Code (potentially up to 600 penalty units, or $1333,200 per breach)
  • The introduction of conciliation and voluntary binding arbitration in addition to mediation
  • Further disclosure requirements re supply arrangements (including rebates), marketing funds, exit arrangements and capital expenditure requirements
  • A new Key Disclosure Information Fact Sheet to summarise elements of the agreement
  • A public register of franchisors (yet to be developed)
  • A website for franchisors and franchisees to access information and support
  • An extension of the cooling-off period to at least 14 days after the completion of certain events (ie not just signing the franchise agreement
  • Banning franchisors from charging the costs of preparing franchise agreements.

The response does not indicate an implementation timeframe, however past Code amendments have come into effect by the final date that disclosure documents are required to be updated (ie. October 31 for franchisors with a June 30 year end), or 1 January. To read the full report, click here.

Code penalties doubled, cooling-off extended, more disclosure required

Penalties for breaches of the Franchising Code of Conduct will be increased from a maximum of 300 to 600 penalty units under changes expected to be introduced following the Government’s official response to the 2018 Franchise Inquiry.

Penalty units determine the size of a financial penalty to be imposed for a breach of a mandatory industry code, which recently increased from $210 per unit to $222 per unit, making it possible for a franchisor to incur a total fine of $133,200 for a single breach of the Franchising Code.

The cooling-off period has also been increased, from seven days from signing a franchise agreement to now 14 days depois the last of certain events have occurred, such as the agreement being signed, payment is made, disclosure documents are received, and if applicable, a copy of the terms of the lease are received. Cooling off will also apply to transfers where the franchisee enters a substantially new agreement with the franchisor. Overall, the new requirement is expected to extend franchise recruitment timeframes.

A new Key Disclosure Information Fact Sheet must be provided by franchisors to summarise information in the disclosure document, particularly financial information likely to include details of fees, rebates, commissions, and any entitlement to goodwill at the end of the franchise term. Read more

Greater transparency of rebates and marketing funds

Franchisors will be required to disclose information on supplier rebates under changes proposed by the Government response, however it is unclear if this will require disclosure of the amount or percentage of rebate received from each supplier.

Where a supplier rebate to the franchisor results in a substantial lessening in competition, this will trigger a breach of the Competition and Consumer Act (CCA). The Government has left the door open for the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) to conduct its own inquiry about the about rebates in franchising once the new disclosure provisions have had time to take effect.

The Franchising Code will be amended to clarify requirements relating to the treatment and reporting of marketing funds, and apply financial penalties to breaches of these requirements.

Additionally, the government will further consider whether guidance for auditing of marketing and cooperative funds is required, but leave the current requirement for annual reporting of marketing funds in place.

New website to provide more information for potential franchisees

A major element of the Government’s response to the Franchise Inquiry is the development of a new website to provide more information to potential franchisees (and potential franchisors), which will be noted in the mandatory Information Statement, which must be given to potential franchisees at the earliest opportunity.

The website will include information resources, as well as details about how to lodge a complaint about a franchisor.

The response does not indicate if the new website will also include the public register of franchisors, or the pre-entry education program for potential franchisees previously offered by Griffith University.

Government to undertake further consultation

The Government has undertaken to consult with the franchise sector further in regards to:

  • The development of a public register of franchisors
  • The Key Disclosure Information Fact Sheet, to be drawn from information in the disclosure document
  • The franchising-specific website to provide information for potential franchisees and franchisors
  • Changes to the Code to increase transparency surrounding retail leases.

Capital expenditure issues highlighted

The Franchising Code will be changed to prohibit franchisors from requiring franchisees to undertake significant capital expenditure, except where it has been disclosed up front, is legally required, or is agreed to by the franchisee.

Capital expenditure must be discussed before entering a franchise agreement, the timing and amount of expenditure should also be provided, and disclosure of the circumstances under which franchisees may recoup their investment.

Changes to impact the Oil Code

The amendments to the Franchising Code of Conduct will impact the Oil Code, with the Government noting that it supports consistency of the Oil Code with the Franchising Code when the Oil Code is due for its mid-term review.

Recent amendments to the Franchising Code to apply specifically to the automotive sector dealing with capital expenditure (see article above) will also be extended to the Franchising Code more broadly to affect all franchisors.

To read the full Government response to the Franchise Inquiry, click here.


DoorDash Faces Lawsuit From Suburban Chicago Restaurant Over Trademark Infringement - Recipes

The Australian Government has released its response to the 2018 Franchise Inquiry nearly 18 months after the Inquiry tabled its final report, Fairness in Franchising, and nine months after consultation ended on a draft regulation impact statement.

The 20-page government response to the Inquiry report does not specifically address the Inquiry’s 71 recommendations – 27 of which were referred to a Franchising Taskforce comprised of government agencies to assess in more detail – but does address themes from the Inquiry to cover pre-entry, operational, and exit issues in franchise relationships.

The response includes the following highlight items:

  • Doubling of penalties that apply for a breach of the Franchising Code (potentially up to 600 penalty units, or $1333,200 per breach)
  • The introduction of conciliation and voluntary binding arbitration in addition to mediation
  • Further disclosure requirements re supply arrangements (including rebates), marketing funds, exit arrangements and capital expenditure requirements
  • A new Key Disclosure Information Fact Sheet to summarise elements of the agreement
  • A public register of franchisors (yet to be developed)
  • A website for franchisors and franchisees to access information and support
  • An extension of the cooling-off period to at least 14 days after the completion of certain events (ie not just signing the franchise agreement
  • Banning franchisors from charging the costs of preparing franchise agreements.

The response does not indicate an implementation timeframe, however past Code amendments have come into effect by the final date that disclosure documents are required to be updated (ie. October 31 for franchisors with a June 30 year end), or 1 January. To read the full report, click here.

Code penalties doubled, cooling-off extended, more disclosure required

Penalties for breaches of the Franchising Code of Conduct will be increased from a maximum of 300 to 600 penalty units under changes expected to be introduced following the Government’s official response to the 2018 Franchise Inquiry.

Penalty units determine the size of a financial penalty to be imposed for a breach of a mandatory industry code, which recently increased from $210 per unit to $222 per unit, making it possible for a franchisor to incur a total fine of $133,200 for a single breach of the Franchising Code.

The cooling-off period has also been increased, from seven days from signing a franchise agreement to now 14 days depois the last of certain events have occurred, such as the agreement being signed, payment is made, disclosure documents are received, and if applicable, a copy of the terms of the lease are received. Cooling off will also apply to transfers where the franchisee enters a substantially new agreement with the franchisor. Overall, the new requirement is expected to extend franchise recruitment timeframes.

A new Key Disclosure Information Fact Sheet must be provided by franchisors to summarise information in the disclosure document, particularly financial information likely to include details of fees, rebates, commissions, and any entitlement to goodwill at the end of the franchise term. Read more

Greater transparency of rebates and marketing funds

Franchisors will be required to disclose information on supplier rebates under changes proposed by the Government response, however it is unclear if this will require disclosure of the amount or percentage of rebate received from each supplier.

Where a supplier rebate to the franchisor results in a substantial lessening in competition, this will trigger a breach of the Competition and Consumer Act (CCA). The Government has left the door open for the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) to conduct its own inquiry about the about rebates in franchising once the new disclosure provisions have had time to take effect.

The Franchising Code will be amended to clarify requirements relating to the treatment and reporting of marketing funds, and apply financial penalties to breaches of these requirements.

Additionally, the government will further consider whether guidance for auditing of marketing and cooperative funds is required, but leave the current requirement for annual reporting of marketing funds in place.

New website to provide more information for potential franchisees

A major element of the Government’s response to the Franchise Inquiry is the development of a new website to provide more information to potential franchisees (and potential franchisors), which will be noted in the mandatory Information Statement, which must be given to potential franchisees at the earliest opportunity.

The website will include information resources, as well as details about how to lodge a complaint about a franchisor.

The response does not indicate if the new website will also include the public register of franchisors, or the pre-entry education program for potential franchisees previously offered by Griffith University.

Government to undertake further consultation

The Government has undertaken to consult with the franchise sector further in regards to:

  • The development of a public register of franchisors
  • The Key Disclosure Information Fact Sheet, to be drawn from information in the disclosure document
  • The franchising-specific website to provide information for potential franchisees and franchisors
  • Changes to the Code to increase transparency surrounding retail leases.

Capital expenditure issues highlighted

The Franchising Code will be changed to prohibit franchisors from requiring franchisees to undertake significant capital expenditure, except where it has been disclosed up front, is legally required, or is agreed to by the franchisee.

Capital expenditure must be discussed before entering a franchise agreement, the timing and amount of expenditure should also be provided, and disclosure of the circumstances under which franchisees may recoup their investment.

Changes to impact the Oil Code

The amendments to the Franchising Code of Conduct will impact the Oil Code, with the Government noting that it supports consistency of the Oil Code with the Franchising Code when the Oil Code is due for its mid-term review.

Recent amendments to the Franchising Code to apply specifically to the automotive sector dealing with capital expenditure (see article above) will also be extended to the Franchising Code more broadly to affect all franchisors.

To read the full Government response to the Franchise Inquiry, click here.


DoorDash Faces Lawsuit From Suburban Chicago Restaurant Over Trademark Infringement - Recipes

The Australian Government has released its response to the 2018 Franchise Inquiry nearly 18 months after the Inquiry tabled its final report, Fairness in Franchising, and nine months after consultation ended on a draft regulation impact statement.

The 20-page government response to the Inquiry report does not specifically address the Inquiry’s 71 recommendations – 27 of which were referred to a Franchising Taskforce comprised of government agencies to assess in more detail – but does address themes from the Inquiry to cover pre-entry, operational, and exit issues in franchise relationships.

The response includes the following highlight items:

  • Doubling of penalties that apply for a breach of the Franchising Code (potentially up to 600 penalty units, or $1333,200 per breach)
  • The introduction of conciliation and voluntary binding arbitration in addition to mediation
  • Further disclosure requirements re supply arrangements (including rebates), marketing funds, exit arrangements and capital expenditure requirements
  • A new Key Disclosure Information Fact Sheet to summarise elements of the agreement
  • A public register of franchisors (yet to be developed)
  • A website for franchisors and franchisees to access information and support
  • An extension of the cooling-off period to at least 14 days after the completion of certain events (ie not just signing the franchise agreement
  • Banning franchisors from charging the costs of preparing franchise agreements.

The response does not indicate an implementation timeframe, however past Code amendments have come into effect by the final date that disclosure documents are required to be updated (ie. October 31 for franchisors with a June 30 year end), or 1 January. To read the full report, click here.

Code penalties doubled, cooling-off extended, more disclosure required

Penalties for breaches of the Franchising Code of Conduct will be increased from a maximum of 300 to 600 penalty units under changes expected to be introduced following the Government’s official response to the 2018 Franchise Inquiry.

Penalty units determine the size of a financial penalty to be imposed for a breach of a mandatory industry code, which recently increased from $210 per unit to $222 per unit, making it possible for a franchisor to incur a total fine of $133,200 for a single breach of the Franchising Code.

The cooling-off period has also been increased, from seven days from signing a franchise agreement to now 14 days depois the last of certain events have occurred, such as the agreement being signed, payment is made, disclosure documents are received, and if applicable, a copy of the terms of the lease are received. Cooling off will also apply to transfers where the franchisee enters a substantially new agreement with the franchisor. Overall, the new requirement is expected to extend franchise recruitment timeframes.

A new Key Disclosure Information Fact Sheet must be provided by franchisors to summarise information in the disclosure document, particularly financial information likely to include details of fees, rebates, commissions, and any entitlement to goodwill at the end of the franchise term. Read more

Greater transparency of rebates and marketing funds

Franchisors will be required to disclose information on supplier rebates under changes proposed by the Government response, however it is unclear if this will require disclosure of the amount or percentage of rebate received from each supplier.

Where a supplier rebate to the franchisor results in a substantial lessening in competition, this will trigger a breach of the Competition and Consumer Act (CCA). The Government has left the door open for the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) to conduct its own inquiry about the about rebates in franchising once the new disclosure provisions have had time to take effect.

The Franchising Code will be amended to clarify requirements relating to the treatment and reporting of marketing funds, and apply financial penalties to breaches of these requirements.

Additionally, the government will further consider whether guidance for auditing of marketing and cooperative funds is required, but leave the current requirement for annual reporting of marketing funds in place.

New website to provide more information for potential franchisees

A major element of the Government’s response to the Franchise Inquiry is the development of a new website to provide more information to potential franchisees (and potential franchisors), which will be noted in the mandatory Information Statement, which must be given to potential franchisees at the earliest opportunity.

The website will include information resources, as well as details about how to lodge a complaint about a franchisor.

The response does not indicate if the new website will also include the public register of franchisors, or the pre-entry education program for potential franchisees previously offered by Griffith University.

Government to undertake further consultation

The Government has undertaken to consult with the franchise sector further in regards to:

  • The development of a public register of franchisors
  • The Key Disclosure Information Fact Sheet, to be drawn from information in the disclosure document
  • The franchising-specific website to provide information for potential franchisees and franchisors
  • Changes to the Code to increase transparency surrounding retail leases.

Capital expenditure issues highlighted

The Franchising Code will be changed to prohibit franchisors from requiring franchisees to undertake significant capital expenditure, except where it has been disclosed up front, is legally required, or is agreed to by the franchisee.

Capital expenditure must be discussed before entering a franchise agreement, the timing and amount of expenditure should also be provided, and disclosure of the circumstances under which franchisees may recoup their investment.

Changes to impact the Oil Code

The amendments to the Franchising Code of Conduct will impact the Oil Code, with the Government noting that it supports consistency of the Oil Code with the Franchising Code when the Oil Code is due for its mid-term review.

Recent amendments to the Franchising Code to apply specifically to the automotive sector dealing with capital expenditure (see article above) will also be extended to the Franchising Code more broadly to affect all franchisors.

To read the full Government response to the Franchise Inquiry, click here.


DoorDash Faces Lawsuit From Suburban Chicago Restaurant Over Trademark Infringement - Recipes

The Australian Government has released its response to the 2018 Franchise Inquiry nearly 18 months after the Inquiry tabled its final report, Fairness in Franchising, and nine months after consultation ended on a draft regulation impact statement.

The 20-page government response to the Inquiry report does not specifically address the Inquiry’s 71 recommendations – 27 of which were referred to a Franchising Taskforce comprised of government agencies to assess in more detail – but does address themes from the Inquiry to cover pre-entry, operational, and exit issues in franchise relationships.

The response includes the following highlight items:

  • Doubling of penalties that apply for a breach of the Franchising Code (potentially up to 600 penalty units, or $1333,200 per breach)
  • The introduction of conciliation and voluntary binding arbitration in addition to mediation
  • Further disclosure requirements re supply arrangements (including rebates), marketing funds, exit arrangements and capital expenditure requirements
  • A new Key Disclosure Information Fact Sheet to summarise elements of the agreement
  • A public register of franchisors (yet to be developed)
  • A website for franchisors and franchisees to access information and support
  • An extension of the cooling-off period to at least 14 days after the completion of certain events (ie not just signing the franchise agreement
  • Banning franchisors from charging the costs of preparing franchise agreements.

The response does not indicate an implementation timeframe, however past Code amendments have come into effect by the final date that disclosure documents are required to be updated (ie. October 31 for franchisors with a June 30 year end), or 1 January. To read the full report, click here.

Code penalties doubled, cooling-off extended, more disclosure required

Penalties for breaches of the Franchising Code of Conduct will be increased from a maximum of 300 to 600 penalty units under changes expected to be introduced following the Government’s official response to the 2018 Franchise Inquiry.

Penalty units determine the size of a financial penalty to be imposed for a breach of a mandatory industry code, which recently increased from $210 per unit to $222 per unit, making it possible for a franchisor to incur a total fine of $133,200 for a single breach of the Franchising Code.

The cooling-off period has also been increased, from seven days from signing a franchise agreement to now 14 days depois the last of certain events have occurred, such as the agreement being signed, payment is made, disclosure documents are received, and if applicable, a copy of the terms of the lease are received. Cooling off will also apply to transfers where the franchisee enters a substantially new agreement with the franchisor. Overall, the new requirement is expected to extend franchise recruitment timeframes.

A new Key Disclosure Information Fact Sheet must be provided by franchisors to summarise information in the disclosure document, particularly financial information likely to include details of fees, rebates, commissions, and any entitlement to goodwill at the end of the franchise term. Read more

Greater transparency of rebates and marketing funds

Franchisors will be required to disclose information on supplier rebates under changes proposed by the Government response, however it is unclear if this will require disclosure of the amount or percentage of rebate received from each supplier.

Where a supplier rebate to the franchisor results in a substantial lessening in competition, this will trigger a breach of the Competition and Consumer Act (CCA). The Government has left the door open for the Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) to conduct its own inquiry about the about rebates in franchising once the new disclosure provisions have had time to take effect.

The Franchising Code will be amended to clarify requirements relating to the treatment and reporting of marketing funds, and apply financial penalties to breaches of these requirements.

Additionally, the government will further consider whether guidance for auditing of marketing and cooperative funds is required, but leave the current requirement for annual reporting of marketing funds in place.

New website to provide more information for potential franchisees

A major element of the Government’s response to the Franchise Inquiry is the development of a new website to provide more information to potential franchisees (and potential franchisors), which will be noted in the mandatory Information Statement, which must be given to potential franchisees at the earliest opportunity.

The website will include information resources, as well as details about how to lodge a complaint about a franchisor.

The response does not indicate if the new website will also include the public register of franchisors, or the pre-entry education program for potential franchisees previously offered by Griffith University.

Government to undertake further consultation

The Government has undertaken to consult with the franchise sector further in regards to:

  • The development of a public register of franchisors
  • The Key Disclosure Information Fact Sheet, to be drawn from information in the disclosure document
  • The franchising-specific website to provide information for potential franchisees and franchisors
  • Changes to the Code to increase transparency surrounding retail leases.

Capital expenditure issues highlighted

The Franchising Code will be changed to prohibit franchisors from requiring franchisees to undertake significant capital expenditure, except where it has been disclosed up front, is legally required, or is agreed to by the franchisee.

Capital expenditure must be discussed before entering a franchise agreement, the timing and amount of expenditure should also be provided, and disclosure of the circumstances under which franchisees may recoup their investment.

Changes to impact the Oil Code

The amendments to the Franchising Code of Conduct will impact the Oil Code, with the Government noting that it supports consistency of the Oil Code with the Franchising Code when the Oil Code is due for its mid-term review.

Recent amendments to the Franchising Code to apply specifically to the automotive sector dealing with capital expenditure (see article above) will also be extended to the Franchising Code more broadly to affect all franchisors.

To read the full Government response to the Franchise Inquiry, click here.


Assista o vídeo: First Day Delivering With Door Dash!! How Much Did I Make?? Door Dash Worth Trying?!?!


Comentários:

  1. Vuzuru

    Poucos são capazes de fazer acreditar.

  2. Bricriu

    Como você deve avaliar sua pergunta?

  3. Zule

    É uma pena que eu não possa falar agora - muito ocupado. Osvobozhus - verifique se sua opinião sobre esse assunto.

  4. Wulfcot

    Kul precisa de tanta frequência e mais!



Escreve uma mensagem