Novas receitas

Eu comi o cereal probiótico de Kellogg todos os dias durante uma semana e agora sou um crente

Eu comi o cereal probiótico de Kellogg todos os dias durante uma semana e agora sou um crente


Eu sou totalmente um café da manhã pessoa. Há uma tonelada de razões pelas quais todos deveriam tomar café da manhã todos os dias. Para mim, o que importa é fornecer combustível para o meu corpo pela manhã, ativar meu metabolismo e colocar algo saboroso na boca que vai me manter satisfeito até que os lanches da minha mesa comecem a parecer atraentes.

Algumas manhãs, eu acerto totalmente a situação do café da manhã. Eu acordo e tosto meio pão, espeto um pouco de abacate naquele bad boy e cubro com pimenta, sal rosa do Himalaia e pepinos fatiados (por favor, tente isto; é fantástico) e, em seguida, coloco minha criação para o trabalho (junto com algumas tangerinas). Outras manhãs, acordo tarde demais, não consigo decidir o que vestir ou estou cansado, então, mal-humorado, espero na fila às Starbucks e gastar US $ 10 em um sanduíche gorduroso de café da manhã que sempre me dá dor de estômago - além de um grande chai tea latte com leite de amêndoa e uma injeção, porque na verdade eu sou um monstro.

Sim, existem hacks de café da manhã envolvendo ovos e rolos de canela isso funcionaria muito bem em um fim de semana quando eu tenho tempo, mas quando eu rolo para fora da cama às 5 da manhã de uma terça-feira, o que eu realmente preciso é de um café da manhã infalível que seja fácil de fazer, me dê energia, me manterá satisfeito, e fornecerá ao meu corpo nutrientes que manterão minha existência brilhante (ou seja, algo que não arrancará minha pele ou machucará minha barriga). Entre em meu último experimento de café da manhã.

Fui desafiado a comer Kellogg’s Special K Nourish Peaches & Berries com cereais Probióticos no café da manhã todos os dias durante uma semana. Como uma pessoa que faz compras em supermercados, estou familiarizado com Kellogg’s Special K. Eu vi suas caixas minha vida inteira. O que eu não sabia era que esse tipo específico de Special K contém probióticos.

Você pode estar pensando: “O que é um probiótico?"Eles são culturas vivas e ativas (também conhecidas como boas bactérias) que auxiliam na digestão, ajudam a absorver minerais e combatem as bactérias nocivas. Eles também o mantêm “regular”, se você me entende.

No meu primeiro dia tendo Kellogg’s Special K Nourish Peaches & Berries com Probióticos cereal (ou abreviadamente, KSKNP & BW / P) no café da manhã, eu estava nervoso que o cereal pudesse ser muito doce. Quando me servi de uma tigela, vi um monte de pedaços de morangos secos, mirtilos e pêssegos, bem como alguns retângulos que pareciam iogurte misturados com pedaços de Special K. No entanto, minha primeira mordida foi deliciosamente frutada sem ser açucarada. Os pedaços de iogurte deram a leite de amêndoa que derramei no café da manhã uma sensação aveludada na boca de que gostei particularmente. Eu brevemente me perguntei se uma tigela de cereal seria o suficiente para o café da manhã, mas decidi que ouviria meu corpo. Fiquei bastante satisfeito até uma hora antes do almoço!

O segundo dia foi tão tranquilo quanto. Eu sou uma daquelas pessoas que comem a mesma coisa no café da manhã todos os dias até ficarem exaustos, então ter a mesma refeição dois dias seguidos não era grande coisa. Enquanto tomava meu café da manhã no trabalho, fiquei satisfeito com a crocância dos pedaços de cereais misturados com o sabor picante das frutas vermelhas e decidi ler a caixa. Aparentemente, há 12 gramas de grãos inteiros nisso! É uma boa fonte de fibra! No entanto, não havia quebra-cabeças, labirintos ou enigmas para eu resolver enquanto comia.

No terceiro dia, percebi que não estava mais absolutamente faminto na hora do almoço. Eu tinha ficado cheio e cheio de energia praticamente todas as três manhãs quando decidi fazer uma pausa para o almoço. Quase todas as manhãs, a menos que eu tenha um grande café da manhã, fico com muita fome cerca de duas horas depois de comer e começo a almoçar às 10 da manhã ou como muitos lanches de mesa. Desde que comecei meu novo regime de café da manhã, eu tinha ficado bastante contente até perto do almoço! Minha hora ideal para ficar com fome de novo!

Em dezembro, decidi que entraria em 2018 com mais consciência de como os diferentes alimentos me afetam positiva e negativamente. Eu desisto café (porque me deixa uma bagunça nervosa) e leite de vaca (porque me faz explodir) e agora posso dizer, como uma pessoa que vive em janeiro de 2018, percebi uma melhora. No entanto, eu ainda ocasionalmente sofre de problemas digestivos. Tenho tendência a ter dores de barriga e náuseas e todas aquelas coisas divertidas sobre as quais eu definitivamente deveria consultar um médico. Eu percebi no quarto dia do meu desafio de café da manhã que meu estômago estava doendo muito menos com a minha rotina matinal recém-estabelecida. Eu adoraria atribuir isso aos probióticos. A saúde intestinal é muito importante, e você pode não perceber o quanto está negligenciando o desconforto que sente até começar a fazer uma mudança. Comer este cereal cheio de fibras com culturas vivas e ativas todas as manhãs parecia estar fazendo uma diferença positiva! Eu me sentia cheio, mas meu estômago não estava se revirando ou fazendo qualquer coisa de seu costume.

No meu quinto dia comendo Kellogg’s Special K Nourish Peaches & Berries com Probióticos cereal no café da manhã, decidi comê-lo com iogurte não lácteo em vez do meu habitual nozes ou leite de aveia. Tenho o prazer de dizer que ficou crocante e delicioso como cobertura. Além disso, para aqueles de vocês que estão se perguntando se os pedaços de iogurte me quebraram porque eles não eram sem laticínios - não! Minha pele estava - e está (bate na madeira) bem.

Terminei meu café da manhã de uma semana no fim de semana e me senti bastante satisfeita comigo mesma e com este cereal. Era saboroso e não muito doce, não machucou meu estômago e, honestamente, provavelmente ajudou um pouco. Além disso, depois de comer o cereal por uma semana, meu estoque não tinha acabado. A caixa ainda tinha o suficiente para potencialmente mais sete dias.

Eu ficaria cansado de comer a mesma coisa todas as manhãs, eventualmente? sim. Mas comer Special K Nourish me fez perceber que eu deveria definitivamente introduzir um probiótico em minha coleção de vitaminas, e tomar um café da manhã que me fornecesse o combustível de que meu corpo precisava para funcionar de maneira adequada e poderosa ajudou absolutamente simplifique minha rotina matinal. Considere-me um crente.


Minha dieta antiinflamatória

Muitas pessoas que conheço no trabalho, na academia, neste blog e em outros lugares me perguntam como tenho conseguido progredir e viver normalmente com essa doença. Na verdade, devo dar crédito ao meu excelente reumatologista, Dr. Paul Howard, em Scottsdale, Arizona, por me persuadir a aderir às diretrizes alimentares antiinflamatórias.

Após 3 anos de recaída, implorei a ele que me ajudasse a evitar uma recaída novamente. Ele me olhou bem nos olhos e disse: & # 8220 você finalmente está pronto para fazer a dieta antiinflamatória, como se sua vida dependesse disso? & # 8221. Eu disse que sim e estava desesperado. Eu faria o que fosse necessário para evitar a dor extrema, o inchaço, a inflamação das articulações, os suores e calafrios que sentia sempre que tinha uma recaída. Ele me deu uma orientação geral de:

No DAIRY!
ABSOLUTAMENTE SEM PRODUTOS DE TRIGO!
SEM AÇÚCAR!
SEM GRÃOS!

Isso foi um choque para o meu modo de vida normal, porque esses itens eram basicamente o que eu comia. Eu costumava comer arroz branco, pão de trigo, pizza, queijo, sorvete, laticínios, etc.

Portanto, a primeira coisa que meu marido fez foi esvaziar a casa das coisas que eu não deveria comer. Como eu estava tão fraco, ele foi comprar verduras, frango, peixe, frutas, manteiga de girassol, manteiga de amendoim, manteiga de amêndoa, leite de amêndoa, muitos tipos de nozes. Essa dieta foi boa para mim porque eu havia perdido tanto peso por causa da doença que as gorduras nutritivas me ajudaram a ganhar peso. Comecei a comer ovos orgânicos, peru fatiado, sardinha, farelo. Como o metotrexato bloqueia o ácido fólico, comecei a ter neuropatia grave nos pés. Meus pés queimariam como agulhas em chamas e eu choraria quando andasse. Aprendemos que o farelo integral (All Bran Cereal) fornece uma quantidade superelevada de ácido fólico de que preciso para reverter a neuropatia em meus pés. E avalia um colossal +109 na escala IF Tracker !! Uma classificação de alto número positivo em um alimento é ótimo! Um número negativo como -300 é RUIM! E a taxa de açúcar e trigo TERRÍVEL! um pedaço de bolo com cobertura pode ser avaliado em -700. Isso significa, OUCH. Dor nas articulações, alargamentos, etc.

Pesquisei muito na web e encontrei muitos artigos antiinflamatórios. No final das contas, descobri que muitas das receitas que encontrei eram as mesmas para inflamação cardíaca. Aprendi que ter inflamações constantes no corpo leva a doenças e, muitas vezes, a muitas doenças autoimunes diferentes. Isso me fez pensar se eu estava inflamando meu corpo há anos e não sabia disso? Talvez eu não estivesse realmente me sentindo bem por anos, mas eu tinha me acostumado a me sentir assim, então pensei que era normal? Também aprendi que uma pessoa pode se sentir perfeitamente bem, mas tem altos níveis de inflamação. É claro que o corpo precisa de alguma resposta inflamatória para lutar contra invasores virais e bacterianos.

Decidir viver com a dieta antiinflamatória foi uma escolha direta que tive de abraçar. Quando reconheci que seria assim que eu viveria, pesquisei na internet todas as informações sobre receitas, escolhas alimentares, níveis de inflamação de cada alimento e alimentos que comumente inflamam o corpo. Acabei encontrando um aplicativo no qual confiava muito, até que aprendi bem. O aplicativo que encontrei é chamado de IF TRACKER. Eu amo o IF Tracker! Ele dá a cada alimento uma avaliação positiva ou negativa, também calcula o alimento dependendo do tamanho da porção e ajusta a avaliação de forma adequada.

O que aprendi com o IF Tracker é que ele tem muitos alimentos na lista que eu achava que eram saudáveis, mas estavam me inflamando. Meu médico disse isso melhor quando me deu um esboço dos alimentos que são mais inflamatórios do sistema.

Minha ingestão de alimentos era tão extremamente baixa quando eu estava doente que tive dificuldade em obter calorias. Minha dieta mudou para permitir uma pequena quantidade de alimentos classificados como negativos em minha ingestão de alimentos e isso não me afeta. Mas isso foi tentativa e erro por alguns anos, e também antes de meu corpo se ajustar à medicação. Como eu disse antes em meu blog, estou reduzindo a 2 comprimidos de metotrexato por semana. Mas ainda devo observar meu estresse, níveis de fadiga, exaustão e ingestão de alimentos de perto.

Vou dar um exemplo de minha dieta diária e ingestão de alimentos. Nestes últimos anos tive de aprender a desfrutar de uma nova forma de comer e agora gosto mesmo!

Um dia típico pode ser algo assim:

Café da manhã
1 xícara de café, creme
1/2 tigela de mirtilos
1/2 xícara de cereal de farelo
1 xícara de leite de amêndoa (neutraliza o alcalino no corpo para reduzir a inflamação)

Almoço
Atum
maionese sem gordura
2 colheres de sopa de condimento
1 abacate

Jantar
Salmão
Espinafre
Abóbora
alface
Suco de limão
Sal marinho
Azeite

Quando comecei a dieta antiinflamatória, fui extremamente rigoroso. Para obter o efeito ideal, você deve começar desta forma. Como, nestes últimos 3 anos na dieta, comecei a incluir quantidades muito pequenas de alimentos que têm alguma classificação negativa não inferior a -50 (de acordo com o IF Tracker). Eu aprendi que as classificações são muito importantes para seguir, mas se seu corpo está começando a mostrar melhorias, então você pode experimentar um pouco aqui e ali.

Eu também descobri que se eu comer alimentos com classificação muito alta na escala positiva em + 100 e # 8217s, + 200 e # 8217s e acima como o salmão e o espinafre, então eu sei quando posso adicionar um alimento de classificação inferior, como batata ou milho, que pode ser avaliado como baixo -50, com ele e não me afeta.

Há também um site que uso com frequência, já que contém os dados nutricionais de quase todos os alimentos do planeta. Eu amo este site Eu o uso para encontrar o fator de inflamação de muitos alimentos diferentes. Pode ser útil para você também.

Boa sorte, experimente a dieta antiinflamatória, seja qual for a forma que você escolher, acredito que ela pode te salvar de tanta dor.


Minha dieta antiinflamatória

Muitas pessoas que conheço no trabalho, na academia, neste blog e em outros lugares me perguntam como tenho conseguido progredir e viver normalmente com essa doença. Na verdade, devo dar crédito ao meu excelente reumatologista, Dr. Paul Howard, em Scottsdale, Arizona, por me persuadir a aderir às diretrizes alimentares antiinflamatórias.

Após 3 anos de recaída, implorei a ele que me ajudasse a evitar uma recaída novamente. Ele me olhou bem nos olhos e disse: & # 8220 você finalmente está pronto para fazer a dieta antiinflamatória, como se sua vida dependesse disso? & # 8221. Eu disse que sim e estava desesperado. Eu faria o que fosse necessário para evitar a dor extrema, o inchaço, a inflamação das articulações, os suores e calafrios que sentia sempre que tinha uma recaída. Ele me deu uma orientação geral de:

No DAIRY!
ABSOLUTAMENTE SEM PRODUTOS DE TRIGO!
SEM AÇÚCAR!
SEM GRÃOS!

Isso foi um choque para o meu modo de vida normal, porque esses itens eram basicamente o que eu comia. Eu costumava comer arroz branco, pão de trigo, pizza, queijo, sorvete, laticínios, etc.

Portanto, a primeira coisa que meu marido fez foi esvaziar a casa das coisas que eu não deveria comer. Como eu estava tão fraco, ele foi comprar verduras, frango, peixe, frutas, manteiga de girassol, manteiga de amendoim, manteiga de amêndoa, leite de amêndoa, muitos tipos de nozes. Essa dieta foi boa para mim porque eu havia perdido tanto peso por causa da doença que as gorduras nutritivas me ajudaram a ganhar peso. Comecei a comer ovos orgânicos, peru fatiado, sardinha, farelo. Como o metotrexato bloqueia o ácido fólico, comecei a ter neuropatia grave nos pés. Meus pés queimariam como agulhas em chamas e eu choraria quando andasse. Aprendemos que o farelo integral (All Bran Cereal) fornece uma quantidade superelevada de ácido fólico de que preciso para reverter a neuropatia em meus pés. E avalia um colossal +109 na escala IF Tracker !! Uma classificação de alto número positivo em um alimento é ótimo! Um número negativo como -300 é RUIM! E a taxa de açúcar e trigo TERRÍVEL! um pedaço de bolo com cobertura pode ser avaliado em -700. Isso significa, OUCH. Dor nas articulações, alargamentos, etc.

Pesquisei muito na web e encontrei muitos artigos antiinflamatórios. No final das contas, descobri que muitas das receitas que encontrei eram as mesmas para inflamação cardíaca. Aprendi que ter inflamações constantes no corpo leva a doenças e, muitas vezes, a muitas doenças autoimunes diferentes. Isso me fez pensar se eu estava inflamando meu corpo há anos e não sabia disso? Talvez eu não estivesse realmente me sentindo bem por anos, mas eu tinha me acostumado a me sentir assim, então pensei que era normal? Também aprendi que uma pessoa pode se sentir perfeitamente bem, mas tem altos níveis de inflamação. É claro que o corpo precisa de alguma resposta inflamatória para lutar contra invasores virais e bacterianos.

Decidir viver com a dieta antiinflamatória foi uma escolha direta que tive de abraçar. Quando reconheci que seria assim que eu viveria, pesquisei na internet todas as informações sobre receitas, escolhas alimentares, níveis de inflamação de cada alimento e alimentos que comumente inflamam o corpo. Acabei descobrindo um aplicativo no qual confiava muito, até que aprendi bem. O aplicativo que encontrei se chama IF TRACKER. Eu amo o IF Tracker! Ele dá a cada alimento uma avaliação positiva ou negativa, também calcula o alimento dependendo do tamanho da porção e ajusta a avaliação de forma adequada.

O que aprendi com o IF Tracker é que ele tem muitos alimentos na lista que eu achava que eram saudáveis, mas estavam me inflamando. Meu médico disse isso melhor quando me deu um esboço dos alimentos que são mais inflamatórios do sistema.

Minha ingestão de alimentos era tão extremamente baixa quando eu estava doente que tive dificuldade em obter calorias. Minha dieta mudou para permitir uma pequena quantidade de alimentos com classificação negativa em minha ingestão de alimentos e isso não me afeta. Mas isso foi tentativa e erro por alguns anos, e também antes de meu corpo se ajustar à medicação. Como eu disse antes em meu blog, estou reduzindo a 2 comprimidos de metotrexato por semana. Mas ainda devo observar meu estresse, níveis de fadiga, cansaço e ingestão de alimentos muito de perto.

Vou dar um exemplo de minha dieta diária e ingestão de alimentos. Nestes últimos anos tive de aprender a desfrutar de uma nova forma de comer e agora gosto mesmo!

Um dia típico pode ser algo assim:

Café da manhã
1 xícara de café, creme
1/2 tigela de mirtilos
1/2 xícara de cereal de farelo
1 xícara de leite de amêndoa (neutraliza o alcalino no corpo para reduzir a inflamação)

Almoço
Atum
maionese sem gordura
2 colheres de sopa de condimento
1 abacate

Jantar
Salmão
Espinafre
Abóbora
alface
Suco de limão
Sal marinho
Azeite

Quando comecei a dieta antiinflamatória, fui extremamente rigoroso. Para obter o efeito ideal, você deve começar desta forma. Como, nestes últimos 3 anos na dieta, comecei a incluir quantidades muito pequenas de alimentos que têm alguma classificação negativa não inferior a -50 (de acordo com o IF Tracker). Eu aprendi que as classificações são muito importantes para seguir, mas se seu corpo está começando a mostrar melhorias, então você pode experimentar um pouco aqui e ali.

Eu também descobri que se eu comer alimentos com classificação muito alta na escala positiva em + 100 e # 8217s, + 200 e # 8217s e acima como o salmão e o espinafre, então eu sei quando posso adicionar um alimento de classificação inferior, como batata ou milho, que pode ser avaliado como baixo -50, com ele e não me afeta.

Há também um site que uso com frequência, já que contém os dados nutricionais de quase todos os alimentos do planeta. Eu amo este site Eu o uso para encontrar o fator de inflamação de muitos alimentos diferentes. Pode ser útil para você também.

Boa sorte, experimente a dieta antiinflamatória, seja qual for a forma que você escolher, acredito que ela pode te salvar de tanta dor.


Minha dieta antiinflamatória

Muitas pessoas que conheço no trabalho, na academia, neste blog e em outros lugares me perguntam como tenho conseguido progredir e viver normalmente com essa doença. Na verdade, devo dar crédito ao meu excelente reumatologista, Dr. Paul Howard em Scottsdale, Arizona, por me persuadir a aderir às diretrizes alimentares antiinflamatórias.

Após 3 anos de recaída, implorei a ele que me ajudasse a evitar uma recaída novamente. Ele me olhou bem nos olhos e disse: & # 8220 você finalmente está pronto para fazer a dieta antiinflamatória, como se sua vida dependesse disso? & # 8221. Eu disse que sim e estava desesperado. Eu faria o que fosse necessário para evitar a dor extrema, o inchaço, a inflamação das articulações, os suores e calafrios que sentia sempre que tinha uma recaída. Ele me deu uma orientação geral de:

No DAIRY!
ABSOLUTAMENTE SEM PRODUTOS DE TRIGO!
SEM AÇÚCAR!
SEM GRÃOS!

Isso foi um choque para o meu modo de vida normal, porque esses itens eram basicamente o que eu comia. Eu costumava comer arroz branco, pão de trigo, pizza, queijo, sorvete, laticínios, etc.

Portanto, a primeira coisa que meu marido fez foi esvaziar a casa das coisas que eu não deveria comer. Como eu estava tão fraco, ele foi comprar verduras, frango, peixe, frutas, manteiga de girassol, manteiga de amendoim, manteiga de amêndoa, leite de amêndoa, muitos tipos de nozes. Essa dieta foi boa para mim porque eu havia perdido tanto peso por causa da doença que as gorduras nutritivas me ajudaram a ganhar peso. Comecei a comer ovos orgânicos, peru fatiado, sardinha, farelo. Como o metotrexato bloqueia o ácido fólico, comecei a ter neuropatia grave nos pés. Meus pés queimariam como agulhas em chamas e eu choraria quando andasse. Aprendemos que o farelo integral (All Bran Cereal) fornece uma quantidade superelevada de ácido fólico de que preciso para reverter a neuropatia em meus pés. E avalia um colossal +109 na escala IF Tracker !! Uma classificação de alto número positivo em um alimento é ótimo! Um número negativo como -300 é RUIM! E a taxa de açúcar e trigo TERRÍVEL! um pedaço de bolo com cobertura pode ser avaliado em -700. Isso significa, OUCH. Dor nas articulações, alargamentos, etc.

Pesquisei muito na web e encontrei muitos artigos antiinflamatórios. No final das contas, descobri que muitas das receitas que encontrei eram as mesmas para inflamação cardíaca. Aprendi que ter inflamações constantes no corpo leva a doenças e, muitas vezes, a muitas doenças autoimunes diferentes. Isso me fez pensar se eu estava inflamando meu corpo há anos e não sabia disso? Talvez eu não estivesse realmente me sentindo bem por anos, mas eu tinha me acostumado a me sentir assim, então pensei que era normal? Também aprendi que uma pessoa pode se sentir perfeitamente bem, mas tem altos níveis de inflamação. É claro que o corpo precisa de alguma resposta inflamatória para lutar contra invasores virais e bacterianos.

Decidir viver com a dieta antiinflamatória foi uma escolha direta que tive de abraçar. Quando reconheci que seria assim que eu viveria, pesquisei na internet todas as informações sobre receitas, escolhas alimentares, níveis de inflamação de cada alimento e alimentos que comumente inflamam o corpo. Acabei encontrando um aplicativo no qual confiava muito, até que aprendi bem. O aplicativo que encontrei se chama IF TRACKER. Eu amo o IF Tracker! Ele dá a cada alimento uma avaliação positiva ou negativa, também calcula o alimento dependendo do tamanho da porção e ajusta a avaliação de forma adequada.

O que aprendi com o IF Tracker é que ele tem muitos alimentos na lista que eu achava que eram saudáveis, mas estavam me inflamando. Meu médico disse isso melhor quando me deu um esboço dos alimentos que são mais inflamatórios do sistema.

Minha ingestão de alimentos era tão extremamente baixa quando eu estava doente que tive dificuldade em obter calorias. Minha dieta mudou para permitir uma pequena quantidade de alimentos classificados como negativos em minha ingestão de alimentos e isso não me afeta. Mas isso foi tentativa e erro por alguns anos, e também antes de meu corpo se ajustar à medicação. Como eu disse antes em meu blog, estou reduzindo a 2 comprimidos de metotrexato por semana. Mas ainda devo observar meu estresse, níveis de fadiga, cansaço e ingestão de alimentos muito de perto.

Vou dar um exemplo de minha dieta diária e ingestão de alimentos. Nestes últimos anos tive de aprender a desfrutar de uma nova forma de comer e agora gosto mesmo!

Um dia típico pode ser algo assim:

Café da manhã
1 xícara de café, creme
1/2 tigela de mirtilos
1/2 xícara de cereal de farelo
1 xícara de leite de amêndoa (neutraliza a substância alcalina no corpo para reduzir a inflamação)

Almoço
Atum
maionese sem gordura
2 colheres de sopa de condimento
1 abacate

Jantar
Salmão
Espinafre
Abóbora
alface
Suco de limão
Sal marinho
Azeite

Quando comecei a dieta antiinflamatória, fui extremamente rigoroso. Para obter o efeito ideal, você deve começar desta forma. Como, nestes últimos 3 anos na dieta, comecei a incluir quantidades muito pequenas de alimentos que têm alguma classificação negativa não inferior a -50 (de acordo com o IF Tracker). Eu aprendi que as classificações são muito importantes para seguir, mas se seu corpo está começando a mostrar melhorias, então você pode experimentar um pouco aqui e ali.

Eu também descobri que se eu comer alimentos com classificação muito alta na escala positiva em + 100 e # 8217s, + 200 e # 8217s e mais alto como o salmão e o espinafre, então eu sei quando posso adicionar um alimento de classificação inferior, como batata ou milho, que pode ser avaliado como baixo -50, com ele e não me afeta.

Há também um site que uso com frequência, já que contém os dados nutricionais de quase todos os alimentos do planeta. Eu amo este site Eu o uso para encontrar o fator de inflamação de muitos alimentos diferentes. Pode ser útil para você também.

Boa sorte, experimente a dieta antiinflamatória, seja qual for a forma que você escolher, acredito que ela pode te salvar de tanta dor.


Minha dieta antiinflamatória

Muitas pessoas que conheço no trabalho, na academia, neste blog e em outros lugares me perguntam como tenho conseguido progredir e viver normalmente com essa doença. Na verdade, devo dar crédito ao meu excelente reumatologista, Dr. Paul Howard em Scottsdale, Arizona, por me persuadir a aderir às diretrizes alimentares antiinflamatórias.

Após 3 anos de recaída, implorei a ele que me ajudasse a evitar uma recaída novamente. Ele me olhou bem nos olhos e disse: & # 8220 você finalmente está pronto para fazer a dieta antiinflamatória, como se sua vida dependesse disso? & # 8221. Eu disse que sim e estava desesperado. Eu faria o que fosse necessário para evitar a dor extrema, o inchaço, a inflamação das articulações, os suores e calafrios que sentia sempre que tinha uma recaída. Ele me deu uma orientação geral de:

No DAIRY!
ABSOLUTAMENTE SEM PRODUTOS DE TRIGO!
SEM AÇÚCAR!
SEM GRÃOS!

Isso foi um choque para o meu modo de vida normal, porque esses itens eram basicamente o que eu comia. Eu costumava comer arroz branco, pão de trigo, pizza, queijo, sorvete, laticínios, etc.

Portanto, a primeira coisa que meu marido fez foi esvaziar a casa das coisas que eu não deveria comer. Como eu estava tão fraco, ele foi comprar vegetais, frango, peixe, frutas, manteiga de semente de girassol, manteiga de amendoim, manteiga de amêndoa, leite de amêndoa, muitos tipos de nozes. Essa dieta foi boa para mim porque eu havia perdido tanto peso por causa da doença que as gorduras nutritivas me ajudaram a ganhar peso. Comecei a comer ovos orgânicos, peru fatiado, sardinha, farelo. Como o metotrexato bloqueia o ácido fólico, comecei a ter neuropatia grave nos pés. Meus pés queimariam como agulhas em chamas e eu choraria quando andasse. Aprendemos que o farelo integral (All Bran Cereal) fornece uma quantidade superelevada de ácido fólico de que preciso para reverter a neuropatia em meus pés. E avalia um colossal +109 na escala IF Tracker !! Uma classificação de alto número positivo em um alimento é ótimo! Um número negativo como -300 é RUIM! E a taxa de açúcar e trigo TERRÍVEL! um pedaço de bolo com cobertura pode ser avaliado em -700. Isso significa, OUCH. Dor nas articulações, alargamentos, etc.

Pesquisei muito na web e encontrei muitos artigos antiinflamatórios. No final das contas, descobri que muitas das receitas que encontrei eram as mesmas para inflamação cardíaca. Aprendi que ter inflamações constantes no corpo leva a doenças e, muitas vezes, a muitas doenças autoimunes diferentes. Isso me fez pensar se eu estava inflamando meu corpo há anos e não sabia disso? Talvez eu não estivesse realmente me sentindo bem por anos, mas eu tinha me acostumado a me sentir assim, então pensei que era normal? Também aprendi que uma pessoa pode se sentir perfeitamente bem, mas tem altos níveis de inflamação. É claro que o corpo precisa de alguma resposta inflamatória para lutar contra invasores virais e bacterianos.

Decidir viver com a dieta antiinflamatória foi uma escolha direta que tive de abraçar. Quando reconheci que seria assim que eu viveria, pesquisei na internet todas as informações sobre receitas, escolhas alimentares, níveis de inflamação de cada alimento e alimentos que comumente inflamam o corpo. Acabei encontrando um aplicativo no qual confiava muito, até que aprendi bem. O aplicativo que encontrei se chama IF TRACKER. Eu amo o IF Tracker! Ele dá a cada alimento uma classificação positiva ou negativa, também calcula o alimento dependendo do tamanho da porção e ajusta a classificação de forma adequada.

O que aprendi com o IF Tracker é que ele tem muitos alimentos na lista que eu achava que eram saudáveis, mas estavam me inflamando. Meu médico disse isso melhor quando me deu um esboço dos alimentos que são mais inflamatórios do sistema.

Minha ingestão de alimentos era tão extremamente baixa quando eu estava doente que tive dificuldade em obter calorias. Minha dieta mudou para permitir uma pequena quantidade de alimentos classificados como negativos em minha ingestão de alimentos e isso não me afeta. Mas isso foi tentativa e erro por alguns anos, e também antes de meu corpo se ajustar à medicação. Como eu disse antes em meu blog, estou reduzindo a 2 comprimidos de metotrexato por semana. Mas ainda devo observar meu estresse, níveis de fadiga, exaustão e ingestão de alimentos de perto.

Vou dar um exemplo de minha dieta diária e ingestão de alimentos. Nestes últimos anos tive de aprender a desfrutar de uma nova forma de comer e agora gosto mesmo!

Um dia típico pode ser algo assim:

Café da manhã
1 xícara de café, creme
1/2 tigela de mirtilos
1/2 xícara de cereal de farelo
1 xícara de leite de amêndoa (neutraliza a substância alcalina no corpo para reduzir a inflamação)

Almoço
Atum
maionese sem gordura
2 colheres de sopa de condimento
1 abacate

Jantar
Salmão
Espinafre
Abóbora
alface
Suco de limão
Sal marinho
Azeite

Quando comecei a dieta antiinflamatória, fui extremamente rigoroso. Para obter o efeito ideal, você deve começar desta forma. Como, nestes últimos 3 anos na dieta, comecei a incluir quantidades muito pequenas de alimentos que têm alguma classificação negativa não inferior a -50 (de acordo com o IF Tracker). Eu aprendi que as classificações são muito importantes para seguir, mas se seu corpo está começando a mostrar melhorias, então você pode experimentar um pouco aqui e ali.

Eu também descobri que se eu comer alimentos com classificação muito alta na escala positiva em + 100 e # 8217s, + 200 e # 8217s e acima como o salmão e o espinafre, então eu sei quando posso adicionar um alimento de classificação inferior, como batata ou milho, que pode ser avaliado como baixo -50, com ele e não me afeta.

Há também um site que uso com frequência, já que contém os dados nutricionais de quase todos os alimentos do planeta. Eu amo este site Eu o uso para encontrar o fator de inflamação de muitos alimentos diferentes. Pode ser útil para você também.

Boa sorte, experimente a dieta antiinflamatória, seja qual for a forma que você escolher, acredito que ela pode te salvar de tanta dor.


Minha dieta antiinflamatória

Muitas pessoas que conheço no trabalho, na academia, neste blog e em outros lugares me perguntam como tenho conseguido progredir e viver normalmente com essa doença. Na verdade, devo dar crédito ao meu excelente reumatologista, Dr. Paul Howard em Scottsdale, Arizona, por me persuadir a aderir às diretrizes alimentares antiinflamatórias.

Após 3 anos de recaída, implorei a ele que me ajudasse a evitar uma recaída novamente. Ele me olhou bem nos olhos e disse: & # 8220 você finalmente está pronto para fazer a dieta antiinflamatória, como se sua vida dependesse disso? & # 8221. Eu disse que sim e estava desesperado. Eu faria o que fosse necessário para evitar a dor extrema, o inchaço, a inflamação das articulações, os suores e calafrios que sentia sempre que tinha uma recaída. Ele me deu uma orientação geral de:

No DAIRY!
ABSOLUTAMENTE SEM PRODUTOS DE TRIGO!
SEM AÇÚCAR!
SEM GRÃOS!

Isso foi um choque para o meu modo de vida normal, porque esses itens eram basicamente o que eu comia. Eu costumava comer arroz branco, pão de trigo, pizza, queijo, sorvete, laticínios, etc.

Portanto, a primeira coisa que meu marido fez foi esvaziar a casa das coisas que eu não deveria comer. Como eu estava tão fraco, ele foi comprar verduras, frango, peixe, frutas, manteiga de girassol, manteiga de amendoim, manteiga de amêndoa, leite de amêndoa, muitos tipos de nozes. Essa dieta foi boa para mim porque eu havia perdido tanto peso por causa da doença que as gorduras nutritivas me ajudaram a ganhar peso. Comecei a comer ovos orgânicos, peru fatiado, sardinha, farelo. Como o metotrexato bloqueia o ácido fólico, comecei a ter neuropatia grave nos pés. Meus pés queimariam como agulhas em chamas e eu choraria quando andasse. Aprendemos que o farelo integral (All Bran Cereal) fornece uma quantidade superelevada de ácido fólico de que preciso para reverter a neuropatia em meus pés. E avalia um colossal +109 na escala IF Tracker !! Uma classificação de alto número positivo em um alimento é ótimo! Um número negativo como -300 é RUIM! E a taxa de açúcar e trigo TERRÍVEL! um pedaço de bolo com cobertura pode ser avaliado em -700. Isso significa, OUCH. Dor nas articulações, alargamentos, etc.

Pesquisei muito na web e encontrei muitos artigos antiinflamatórios. Ultimately, I found that many of the recipes I found were the same for cardiac inflammation. I learned that having constant inflammation in the body leads to disease and very often, many different auto-immune diseases. This made me wonder if I was inflaming my body for years and did not know it? Perhaps I was not really feeling well for years, but I had gotten used to feeling this way so I thought it was normal? I also learned that a person can feel perfectly fine, but have high levels of inflammation. Of course the body does need some inflammatory response to battle viral and bacterial invaders.

Deciding to live with the anti-inflammtory diet was a direct choice I had to embrace. When I acknowledged that this was going to be the way I was going to live, I searched the internet for every bit of information on recipes, food choices, inflammation levels of each food and foods that commonly inflame the body. I eventually stumbled upon an app that I relied on very heavily, until I learned it well. The app I found is called the IF TRACKER. I love the IF Tracker! It gives each food a rating of positive or negative, it also calculates the food depending on the size of the portion and adjust the rating appropriately.

What I learned from the IF Tracker is that, it has many foods in the list that I thought were healthy but were inflaming me. My doctor said it best when he gave me the outline of foods that are most inflammatory the the system.

My food intake was so extremely low when I was ill that I had a hard time getting calories in. My diet has changed to allow a small amount of negative rated foods in my food intake and it does not affect me. But this was trial and error for a few years, and also before my body had adjusted to medication. As I have said before in my blog, I am down to 2 methotrexate pills a week. But I must still watch my stress, fatigue levels, exhaustion and food intake very closely.

I will provide example of my daily diet and food intake. During these past few years I have had to learn to enjoy a new way of eating, and now I actually like it!

A typical day might be something like this:

Breakfast
1 cup coffee, creamer
1/2 bowl blueberries
1/2 cup bran cereal
1 cup almond milk (neutralizes alkaline in body to reduce inflammation)

Lunch
Tuna fish
fat free mayonaise
2 tablespoons relish
1 abacate

Dinner
Salmon
Espinafre
Butternut squash
Romaine lettuce
Lemon juice
Sea-Salt
Azeite

When I started the anti-inflamatory diet, I was extremely strict. For the optimum effect, you must start out this way. As, these past 3 years on the diet, I have started to include very small amounts of foods that have some negative rating no lower than -50 (according to the IF Tracker) . I have learned that the ratings are very important to follow, but if your body is beginning to show improvement, then you can experiment a little here and there.

I have also found that if I eat foods at are all rating very high in the positive scale in the +100’s, +200’s and higher as salmon and spinach do, then I know when I can add a lower rating food, such as potatoes or corn, which can rate as low -50, with it and it does not affect me.

There is also a website I use often, since it has the nutritional breakdown for almost every food on the planet. I love this site. I use it to find the inflammation factor of many different foods. It might be useful for you too.

Good Luck, please try the anti-inflammatory diet, whichever way you choose to do it, I believe it can save you from so much pain.


My Anti-Inflammatory Diet

I have been asked by many people I meet at work, at the gym, on this blog and other places how I have been able to progress and live fairly normal with this disease. Actually, I must give credit to my excellent Rheumatologist, Dr Paul Howard in Scottsdale, Arizona for persuading me to adhere to the anti-inflammatory food guideline.

It was after 3 years of relapsing, I pleaded to him to help me avoid relapsing again. He looked me square in the eye and said “are you finally ready to do the anti-inflammatory diet, as if your life depends on it?”. I said yes and I was desperate. I would do whatever it takes to avoid the extreme pain, swelling, joint inflammation, sweats and and chills I was living with every time I relapsed. He gave me a general guideline of:

No DAIRY!
ABSOLUTELY NO WHEAT PRODUCTS!
NO SUGAR!
NO GRAINS!

This was a shock to my normal way of living, because these items were basically what I ate. I used to eat white rice, wheat bread, pizza, cheese, ice-cream, dairy, etc.

So the first thing my husband did was empty the house of the things I should not eat. Since I was so weak, he went shopping for vegetables, chicken, fish, fruits, sunflower seed butter, peanut butter, almond butter, almond milk, many kinds of nuts. This diet was good for me because I had lost so much weight being sick that the nutritious fats helped me gain weight. I began to eat organic eggs, sliced turkey, sardines, bran. Since the methrotrexate blocks folic acid and i began to have severe neuropathy in my feet. My feet would burn like burning needles and I would cry when I walked. We learned that whole bran (All Bran Cereal) provided a super high amount of the folic acid I need to reverse the neuropathy in my feet. And it rates a whopping +109 on the IF Tracker scale!! A high positive number rating on a food is great! A negative number like -300 is BAD! And sugar and wheat rate TERRIBLE! a piece of cake with icing can rate as bad as -700. That means, OUCH. Joint pain, flares, etc.

I did a lot of searching on the web and found many anti-inflammatory articles. Ultimately, I found that many of the recipes I found were the same for cardiac inflammation. I learned that having constant inflammation in the body leads to disease and very often, many different auto-immune diseases. This made me wonder if I was inflaming my body for years and did not know it? Perhaps I was not really feeling well for years, but I had gotten used to feeling this way so I thought it was normal? I also learned that a person can feel perfectly fine, but have high levels of inflammation. Of course the body does need some inflammatory response to battle viral and bacterial invaders.

Deciding to live with the anti-inflammtory diet was a direct choice I had to embrace. When I acknowledged that this was going to be the way I was going to live, I searched the internet for every bit of information on recipes, food choices, inflammation levels of each food and foods that commonly inflame the body. I eventually stumbled upon an app that I relied on very heavily, until I learned it well. The app I found is called the IF TRACKER. I love the IF Tracker! It gives each food a rating of positive or negative, it also calculates the food depending on the size of the portion and adjust the rating appropriately.

What I learned from the IF Tracker is that, it has many foods in the list that I thought were healthy but were inflaming me. My doctor said it best when he gave me the outline of foods that are most inflammatory the the system.

My food intake was so extremely low when I was ill that I had a hard time getting calories in. My diet has changed to allow a small amount of negative rated foods in my food intake and it does not affect me. But this was trial and error for a few years, and also before my body had adjusted to medication. As I have said before in my blog, I am down to 2 methotrexate pills a week. But I must still watch my stress, fatigue levels, exhaustion and food intake very closely.

I will provide example of my daily diet and food intake. During these past few years I have had to learn to enjoy a new way of eating, and now I actually like it!

A typical day might be something like this:

Breakfast
1 cup coffee, creamer
1/2 bowl blueberries
1/2 cup bran cereal
1 cup almond milk (neutralizes alkaline in body to reduce inflammation)

Lunch
Tuna fish
fat free mayonaise
2 tablespoons relish
1 abacate

Dinner
Salmon
Espinafre
Butternut squash
Romaine lettuce
Lemon juice
Sea-Salt
Azeite

When I started the anti-inflamatory diet, I was extremely strict. For the optimum effect, you must start out this way. As, these past 3 years on the diet, I have started to include very small amounts of foods that have some negative rating no lower than -50 (according to the IF Tracker) . I have learned that the ratings are very important to follow, but if your body is beginning to show improvement, then you can experiment a little here and there.

I have also found that if I eat foods at are all rating very high in the positive scale in the +100’s, +200’s and higher as salmon and spinach do, then I know when I can add a lower rating food, such as potatoes or corn, which can rate as low -50, with it and it does not affect me.

There is also a website I use often, since it has the nutritional breakdown for almost every food on the planet. I love this site. I use it to find the inflammation factor of many different foods. It might be useful for you too.

Good Luck, please try the anti-inflammatory diet, whichever way you choose to do it, I believe it can save you from so much pain.


My Anti-Inflammatory Diet

I have been asked by many people I meet at work, at the gym, on this blog and other places how I have been able to progress and live fairly normal with this disease. Actually, I must give credit to my excellent Rheumatologist, Dr Paul Howard in Scottsdale, Arizona for persuading me to adhere to the anti-inflammatory food guideline.

It was after 3 years of relapsing, I pleaded to him to help me avoid relapsing again. He looked me square in the eye and said “are you finally ready to do the anti-inflammatory diet, as if your life depends on it?”. I said yes and I was desperate. I would do whatever it takes to avoid the extreme pain, swelling, joint inflammation, sweats and and chills I was living with every time I relapsed. He gave me a general guideline of:

No DAIRY!
ABSOLUTELY NO WHEAT PRODUCTS!
NO SUGAR!
NO GRAINS!

This was a shock to my normal way of living, because these items were basically what I ate. I used to eat white rice, wheat bread, pizza, cheese, ice-cream, dairy, etc.

So the first thing my husband did was empty the house of the things I should not eat. Since I was so weak, he went shopping for vegetables, chicken, fish, fruits, sunflower seed butter, peanut butter, almond butter, almond milk, many kinds of nuts. This diet was good for me because I had lost so much weight being sick that the nutritious fats helped me gain weight. I began to eat organic eggs, sliced turkey, sardines, bran. Since the methrotrexate blocks folic acid and i began to have severe neuropathy in my feet. My feet would burn like burning needles and I would cry when I walked. We learned that whole bran (All Bran Cereal) provided a super high amount of the folic acid I need to reverse the neuropathy in my feet. And it rates a whopping +109 on the IF Tracker scale!! A high positive number rating on a food is great! A negative number like -300 is BAD! And sugar and wheat rate TERRIBLE! a piece of cake with icing can rate as bad as -700. That means, OUCH. Joint pain, flares, etc.

I did a lot of searching on the web and found many anti-inflammatory articles. Ultimately, I found that many of the recipes I found were the same for cardiac inflammation. I learned that having constant inflammation in the body leads to disease and very often, many different auto-immune diseases. This made me wonder if I was inflaming my body for years and did not know it? Perhaps I was not really feeling well for years, but I had gotten used to feeling this way so I thought it was normal? I also learned that a person can feel perfectly fine, but have high levels of inflammation. Of course the body does need some inflammatory response to battle viral and bacterial invaders.

Deciding to live with the anti-inflammtory diet was a direct choice I had to embrace. When I acknowledged that this was going to be the way I was going to live, I searched the internet for every bit of information on recipes, food choices, inflammation levels of each food and foods that commonly inflame the body. I eventually stumbled upon an app that I relied on very heavily, until I learned it well. The app I found is called the IF TRACKER. I love the IF Tracker! It gives each food a rating of positive or negative, it also calculates the food depending on the size of the portion and adjust the rating appropriately.

What I learned from the IF Tracker is that, it has many foods in the list that I thought were healthy but were inflaming me. My doctor said it best when he gave me the outline of foods that are most inflammatory the the system.

My food intake was so extremely low when I was ill that I had a hard time getting calories in. My diet has changed to allow a small amount of negative rated foods in my food intake and it does not affect me. But this was trial and error for a few years, and also before my body had adjusted to medication. As I have said before in my blog, I am down to 2 methotrexate pills a week. But I must still watch my stress, fatigue levels, exhaustion and food intake very closely.

I will provide example of my daily diet and food intake. During these past few years I have had to learn to enjoy a new way of eating, and now I actually like it!

A typical day might be something like this:

Breakfast
1 cup coffee, creamer
1/2 bowl blueberries
1/2 cup bran cereal
1 cup almond milk (neutralizes alkaline in body to reduce inflammation)

Lunch
Tuna fish
fat free mayonaise
2 tablespoons relish
1 abacate

Dinner
Salmon
Espinafre
Butternut squash
Romaine lettuce
Lemon juice
Sea-Salt
Azeite

When I started the anti-inflamatory diet, I was extremely strict. For the optimum effect, you must start out this way. As, these past 3 years on the diet, I have started to include very small amounts of foods that have some negative rating no lower than -50 (according to the IF Tracker) . I have learned that the ratings are very important to follow, but if your body is beginning to show improvement, then you can experiment a little here and there.

I have also found that if I eat foods at are all rating very high in the positive scale in the +100’s, +200’s and higher as salmon and spinach do, then I know when I can add a lower rating food, such as potatoes or corn, which can rate as low -50, with it and it does not affect me.

There is also a website I use often, since it has the nutritional breakdown for almost every food on the planet. I love this site. I use it to find the inflammation factor of many different foods. It might be useful for you too.

Good Luck, please try the anti-inflammatory diet, whichever way you choose to do it, I believe it can save you from so much pain.


My Anti-Inflammatory Diet

I have been asked by many people I meet at work, at the gym, on this blog and other places how I have been able to progress and live fairly normal with this disease. Actually, I must give credit to my excellent Rheumatologist, Dr Paul Howard in Scottsdale, Arizona for persuading me to adhere to the anti-inflammatory food guideline.

It was after 3 years of relapsing, I pleaded to him to help me avoid relapsing again. He looked me square in the eye and said “are you finally ready to do the anti-inflammatory diet, as if your life depends on it?”. I said yes and I was desperate. I would do whatever it takes to avoid the extreme pain, swelling, joint inflammation, sweats and and chills I was living with every time I relapsed. He gave me a general guideline of:

No DAIRY!
ABSOLUTELY NO WHEAT PRODUCTS!
NO SUGAR!
NO GRAINS!

This was a shock to my normal way of living, because these items were basically what I ate. I used to eat white rice, wheat bread, pizza, cheese, ice-cream, dairy, etc.

So the first thing my husband did was empty the house of the things I should not eat. Since I was so weak, he went shopping for vegetables, chicken, fish, fruits, sunflower seed butter, peanut butter, almond butter, almond milk, many kinds of nuts. This diet was good for me because I had lost so much weight being sick that the nutritious fats helped me gain weight. I began to eat organic eggs, sliced turkey, sardines, bran. Since the methrotrexate blocks folic acid and i began to have severe neuropathy in my feet. My feet would burn like burning needles and I would cry when I walked. We learned that whole bran (All Bran Cereal) provided a super high amount of the folic acid I need to reverse the neuropathy in my feet. And it rates a whopping +109 on the IF Tracker scale!! A high positive number rating on a food is great! A negative number like -300 is BAD! And sugar and wheat rate TERRIBLE! a piece of cake with icing can rate as bad as -700. That means, OUCH. Joint pain, flares, etc.

I did a lot of searching on the web and found many anti-inflammatory articles. Ultimately, I found that many of the recipes I found were the same for cardiac inflammation. I learned that having constant inflammation in the body leads to disease and very often, many different auto-immune diseases. This made me wonder if I was inflaming my body for years and did not know it? Perhaps I was not really feeling well for years, but I had gotten used to feeling this way so I thought it was normal? I also learned that a person can feel perfectly fine, but have high levels of inflammation. Of course the body does need some inflammatory response to battle viral and bacterial invaders.

Deciding to live with the anti-inflammtory diet was a direct choice I had to embrace. When I acknowledged that this was going to be the way I was going to live, I searched the internet for every bit of information on recipes, food choices, inflammation levels of each food and foods that commonly inflame the body. I eventually stumbled upon an app that I relied on very heavily, until I learned it well. The app I found is called the IF TRACKER. I love the IF Tracker! It gives each food a rating of positive or negative, it also calculates the food depending on the size of the portion and adjust the rating appropriately.

What I learned from the IF Tracker is that, it has many foods in the list that I thought were healthy but were inflaming me. My doctor said it best when he gave me the outline of foods that are most inflammatory the the system.

My food intake was so extremely low when I was ill that I had a hard time getting calories in. My diet has changed to allow a small amount of negative rated foods in my food intake and it does not affect me. But this was trial and error for a few years, and also before my body had adjusted to medication. As I have said before in my blog, I am down to 2 methotrexate pills a week. But I must still watch my stress, fatigue levels, exhaustion and food intake very closely.

I will provide example of my daily diet and food intake. During these past few years I have had to learn to enjoy a new way of eating, and now I actually like it!

A typical day might be something like this:

Breakfast
1 cup coffee, creamer
1/2 bowl blueberries
1/2 cup bran cereal
1 cup almond milk (neutralizes alkaline in body to reduce inflammation)

Lunch
Tuna fish
fat free mayonaise
2 tablespoons relish
1 abacate

Dinner
Salmon
Espinafre
Butternut squash
Romaine lettuce
Lemon juice
Sea-Salt
Azeite

When I started the anti-inflamatory diet, I was extremely strict. For the optimum effect, you must start out this way. As, these past 3 years on the diet, I have started to include very small amounts of foods that have some negative rating no lower than -50 (according to the IF Tracker) . I have learned that the ratings are very important to follow, but if your body is beginning to show improvement, then you can experiment a little here and there.

I have also found that if I eat foods at are all rating very high in the positive scale in the +100’s, +200’s and higher as salmon and spinach do, then I know when I can add a lower rating food, such as potatoes or corn, which can rate as low -50, with it and it does not affect me.

There is also a website I use often, since it has the nutritional breakdown for almost every food on the planet. I love this site. I use it to find the inflammation factor of many different foods. It might be useful for you too.

Good Luck, please try the anti-inflammatory diet, whichever way you choose to do it, I believe it can save you from so much pain.


My Anti-Inflammatory Diet

I have been asked by many people I meet at work, at the gym, on this blog and other places how I have been able to progress and live fairly normal with this disease. Actually, I must give credit to my excellent Rheumatologist, Dr Paul Howard in Scottsdale, Arizona for persuading me to adhere to the anti-inflammatory food guideline.

It was after 3 years of relapsing, I pleaded to him to help me avoid relapsing again. He looked me square in the eye and said “are you finally ready to do the anti-inflammatory diet, as if your life depends on it?”. I said yes and I was desperate. I would do whatever it takes to avoid the extreme pain, swelling, joint inflammation, sweats and and chills I was living with every time I relapsed. He gave me a general guideline of:

No DAIRY!
ABSOLUTELY NO WHEAT PRODUCTS!
NO SUGAR!
NO GRAINS!

This was a shock to my normal way of living, because these items were basically what I ate. I used to eat white rice, wheat bread, pizza, cheese, ice-cream, dairy, etc.

So the first thing my husband did was empty the house of the things I should not eat. Since I was so weak, he went shopping for vegetables, chicken, fish, fruits, sunflower seed butter, peanut butter, almond butter, almond milk, many kinds of nuts. This diet was good for me because I had lost so much weight being sick that the nutritious fats helped me gain weight. I began to eat organic eggs, sliced turkey, sardines, bran. Since the methrotrexate blocks folic acid and i began to have severe neuropathy in my feet. My feet would burn like burning needles and I would cry when I walked. We learned that whole bran (All Bran Cereal) provided a super high amount of the folic acid I need to reverse the neuropathy in my feet. And it rates a whopping +109 on the IF Tracker scale!! A high positive number rating on a food is great! A negative number like -300 is BAD! And sugar and wheat rate TERRIBLE! a piece of cake with icing can rate as bad as -700. That means, OUCH. Joint pain, flares, etc.

I did a lot of searching on the web and found many anti-inflammatory articles. Ultimately, I found that many of the recipes I found were the same for cardiac inflammation. I learned that having constant inflammation in the body leads to disease and very often, many different auto-immune diseases. This made me wonder if I was inflaming my body for years and did not know it? Perhaps I was not really feeling well for years, but I had gotten used to feeling this way so I thought it was normal? I also learned that a person can feel perfectly fine, but have high levels of inflammation. Of course the body does need some inflammatory response to battle viral and bacterial invaders.

Deciding to live with the anti-inflammtory diet was a direct choice I had to embrace. When I acknowledged that this was going to be the way I was going to live, I searched the internet for every bit of information on recipes, food choices, inflammation levels of each food and foods that commonly inflame the body. I eventually stumbled upon an app that I relied on very heavily, until I learned it well. The app I found is called the IF TRACKER. I love the IF Tracker! It gives each food a rating of positive or negative, it also calculates the food depending on the size of the portion and adjust the rating appropriately.

What I learned from the IF Tracker is that, it has many foods in the list that I thought were healthy but were inflaming me. My doctor said it best when he gave me the outline of foods that are most inflammatory the the system.

My food intake was so extremely low when I was ill that I had a hard time getting calories in. My diet has changed to allow a small amount of negative rated foods in my food intake and it does not affect me. But this was trial and error for a few years, and also before my body had adjusted to medication. As I have said before in my blog, I am down to 2 methotrexate pills a week. But I must still watch my stress, fatigue levels, exhaustion and food intake very closely.

I will provide example of my daily diet and food intake. During these past few years I have had to learn to enjoy a new way of eating, and now I actually like it!

A typical day might be something like this:

Breakfast
1 cup coffee, creamer
1/2 bowl blueberries
1/2 cup bran cereal
1 cup almond milk (neutralizes alkaline in body to reduce inflammation)

Lunch
Tuna fish
fat free mayonaise
2 tablespoons relish
1 abacate

Dinner
Salmon
Espinafre
Butternut squash
Romaine lettuce
Lemon juice
Sea-Salt
Azeite

When I started the anti-inflamatory diet, I was extremely strict. For the optimum effect, you must start out this way. As, these past 3 years on the diet, I have started to include very small amounts of foods that have some negative rating no lower than -50 (according to the IF Tracker) . I have learned that the ratings are very important to follow, but if your body is beginning to show improvement, then you can experiment a little here and there.

I have also found that if I eat foods at are all rating very high in the positive scale in the +100’s, +200’s and higher as salmon and spinach do, then I know when I can add a lower rating food, such as potatoes or corn, which can rate as low -50, with it and it does not affect me.

There is also a website I use often, since it has the nutritional breakdown for almost every food on the planet. I love this site. I use it to find the inflammation factor of many different foods. It might be useful for you too.

Good Luck, please try the anti-inflammatory diet, whichever way you choose to do it, I believe it can save you from so much pain.


My Anti-Inflammatory Diet

I have been asked by many people I meet at work, at the gym, on this blog and other places how I have been able to progress and live fairly normal with this disease. Actually, I must give credit to my excellent Rheumatologist, Dr Paul Howard in Scottsdale, Arizona for persuading me to adhere to the anti-inflammatory food guideline.

It was after 3 years of relapsing, I pleaded to him to help me avoid relapsing again. He looked me square in the eye and said “are you finally ready to do the anti-inflammatory diet, as if your life depends on it?”. I said yes and I was desperate. I would do whatever it takes to avoid the extreme pain, swelling, joint inflammation, sweats and and chills I was living with every time I relapsed. He gave me a general guideline of:

No DAIRY!
ABSOLUTELY NO WHEAT PRODUCTS!
NO SUGAR!
NO GRAINS!

This was a shock to my normal way of living, because these items were basically what I ate. I used to eat white rice, wheat bread, pizza, cheese, ice-cream, dairy, etc.

So the first thing my husband did was empty the house of the things I should not eat. Since I was so weak, he went shopping for vegetables, chicken, fish, fruits, sunflower seed butter, peanut butter, almond butter, almond milk, many kinds of nuts. This diet was good for me because I had lost so much weight being sick that the nutritious fats helped me gain weight. I began to eat organic eggs, sliced turkey, sardines, bran. Since the methrotrexate blocks folic acid and i began to have severe neuropathy in my feet. My feet would burn like burning needles and I would cry when I walked. We learned that whole bran (All Bran Cereal) provided a super high amount of the folic acid I need to reverse the neuropathy in my feet. And it rates a whopping +109 on the IF Tracker scale!! A high positive number rating on a food is great! A negative number like -300 is BAD! And sugar and wheat rate TERRIBLE! a piece of cake with icing can rate as bad as -700. That means, OUCH. Joint pain, flares, etc.

I did a lot of searching on the web and found many anti-inflammatory articles. Ultimately, I found that many of the recipes I found were the same for cardiac inflammation. I learned that having constant inflammation in the body leads to disease and very often, many different auto-immune diseases. This made me wonder if I was inflaming my body for years and did not know it? Perhaps I was not really feeling well for years, but I had gotten used to feeling this way so I thought it was normal? I also learned that a person can feel perfectly fine, but have high levels of inflammation. Of course the body does need some inflammatory response to battle viral and bacterial invaders.

Deciding to live with the anti-inflammtory diet was a direct choice I had to embrace. When I acknowledged that this was going to be the way I was going to live, I searched the internet for every bit of information on recipes, food choices, inflammation levels of each food and foods that commonly inflame the body. I eventually stumbled upon an app that I relied on very heavily, until I learned it well. The app I found is called the IF TRACKER. I love the IF Tracker! It gives each food a rating of positive or negative, it also calculates the food depending on the size of the portion and adjust the rating appropriately.

What I learned from the IF Tracker is that, it has many foods in the list that I thought were healthy but were inflaming me. My doctor said it best when he gave me the outline of foods that are most inflammatory the the system.

My food intake was so extremely low when I was ill that I had a hard time getting calories in. My diet has changed to allow a small amount of negative rated foods in my food intake and it does not affect me. But this was trial and error for a few years, and also before my body had adjusted to medication. As I have said before in my blog, I am down to 2 methotrexate pills a week. But I must still watch my stress, fatigue levels, exhaustion and food intake very closely.

I will provide example of my daily diet and food intake. During these past few years I have had to learn to enjoy a new way of eating, and now I actually like it!

A typical day might be something like this:

Breakfast
1 cup coffee, creamer
1/2 bowl blueberries
1/2 cup bran cereal
1 cup almond milk (neutralizes alkaline in body to reduce inflammation)

Lunch
Tuna fish
fat free mayonaise
2 tablespoons relish
1 abacate

Dinner
Salmon
Espinafre
Butternut squash
Romaine lettuce
Lemon juice
Sea-Salt
Azeite

When I started the anti-inflamatory diet, I was extremely strict. For the optimum effect, you must start out this way. As, these past 3 years on the diet, I have started to include very small amounts of foods that have some negative rating no lower than -50 (according to the IF Tracker) . I have learned that the ratings are very important to follow, but if your body is beginning to show improvement, then you can experiment a little here and there.

I have also found that if I eat foods at are all rating very high in the positive scale in the +100’s, +200’s and higher as salmon and spinach do, then I know when I can add a lower rating food, such as potatoes or corn, which can rate as low -50, with it and it does not affect me.

There is also a website I use often, since it has the nutritional breakdown for almost every food on the planet. I love this site. I use it to find the inflammation factor of many different foods. It might be useful for you too.

Good Luck, please try the anti-inflammatory diet, whichever way you choose to do it, I believe it can save you from so much pain.