Novas receitas

La Dulce muda para o centro de Detroit

La Dulce muda para o centro de Detroit


O restaurante de tapas atualiza seu cardápio para seu novo bairro

A sala de jantar principal do restaurante

Um antigo restaurante pitoresco na Main Street em Royal Oak é agora um oásis à beira do rio no centro de Detroit. Ocupou um espaço muito maior dentro do Crowne Plaza Hotel e será responsável pelo buffet de café da manhã do hotel, bem como pelo serviço de quarto.

O espaço foi construído em apenas duas semanas e possui uma aparência semelhante ao espaço original, mas com um pouco mais de vanguarda. Uma placa rosa neon “Sopa do Dia… Sangria” acende acima do bar, se adequando ao bairro recém-adotado.

Na cozinha, o restaurante se mantém fiel às suas raízes servindo tapas espanholas imaginativas como lula preta com tinta de lula banhada em uma lata de sardinha reaproveitada, bolo de doce de leite com cobertura de algodão doce e jamón ibérico esculpido na mesa. Os clientes podem desfrutar de sangria feita em casa (aquela sopa especial do dia) ou uma variedade de coquetéis que desafiam os limites enquanto estão sentados no pátio com vista para a cidade.

O que você está pedindo: um gin com tônica caseira, pãezinhos de bao e churros com os três molhos.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menor do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são "do Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, o negócio continuará operando como Palácio de Beirute. Seus cinco funcionários permanecerão sob nova direção.

O restaurante se junta a vários outros negócios da Royal Oak que fecharam o centro da cidade nos últimos meses. Como Ahmad, alguns citaram problemas com o estacionamento desde que a construção começou a leste da Main Street no empreendimento Royal Oak City Center em maio. Ele havia deixado cerca de 230 vagas de estacionamento off-line em julho.

As vendas do Royal Oak do Beirute Palace caíram cerca de 25-30 por cento em junho, caindo para uma queda de 50 por cento no final do verão, disse Ahmad. Ele se recusou a fornecer números específicos.

Quando os dois estacionamentos atrás do restaurante onde o projeto do centro da cidade está se fechando, "fica mais difícil para os clientes encontrarem estacionamento", disse ele. Crain's. "Além disso, as empresas de entrega de alimentos, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) e tudo isso, eles entram e não encontram vagas para estacionar e são multados e tudo mais, então ficou difícil para nós."

Ahmad não quis entrar em detalhes sobre onde um novo local poderia tomar forma. Pode demorar até um ano antes de abrir, disse ele.

Ahmad espera que os novos proprietários de seu restaurante expandam as ofertas, possivelmente servindo café da manhã do Oriente Médio.

"Espero que eles sobrevivam. Desejo-lhes boa sorte", disse ele. "Espero que eles possam fazer muito melhor do que o que fiz aqui."

Outro fechamento de destaque ocorreu quando a Andiamo Trattoria fechou suas portas abruptamente em julho, em meio a reclamações sobre a falta de estacionamento nas proximidades de algumas empresas do centro aglomeradas em torno da Main Street e 11 Mile Road. Separadamente, a lanchonete B Spot do Chef Michael Symon fechou em agosto e o Qdoba na Main Street fechou em setembro.

Joe Vicari, proprietário da operadora do Andiamo Joe Vicari Restaurant Group, culpou a morte de seu restaurante em parte pelo fechamento de estacionamentos da cidade. Outros que lamentaram a falta de estacionamento incluem Mike Dbouk, proprietário do vizinho Boukie's Grill, e Shepherd Spencer, proprietário do Dixie Moon Saloon, que participou de um processo que desafia o desenvolvimento do centro da cidade.

"Eles esperam e esperam uma melhor recuperação dos negócios quando este projeto for concluído", disse Ahmad sobre outras empresas na área. "Espero que o prefeito (Michael Fournier) possa cuidar de seus residentes."

Fournier e outras autoridades já haviam dito que a falta de estacionamento é uma ferida temporária que vai sarar à medida que novas construções gerem um comércio diário muito necessário. A cidade também lançou um esforço de branding denominado Rethink Royal Oak para envolver o público em torno de questões de estacionamento e segurança em torno do desenvolvimento do centro da cidade.

A Autoridade de Desenvolvimento do Royal Oak Downtown se comunica regularmente com as empresas sobre as preocupações e organiza reuniões mensais com as partes interessadas, disse o gerente do centro da cidade, Sean Kammer, na segunda-feira.

“Há um interesse contínuo em abrir e iniciar um negócio e administrar um negócio no centro de Royal Oak”, disse ele, e apontou para as opções de estacionamento no centro da cidade.

O fechamento recente de restaurantes não significa necessariamente que as vitrines ficarão vazias: o antigo Blackfinn Ameripub, que fechou inesperadamente há um ano, deve se tornar um Bar Louie. O Dessert Oasis Coffee Roasters abriu em agosto no local que La Dulce deixou. A City Ramen tem como meta uma inauguração em dezembro, de acordo com sua página no Facebook, no que costumava ser uma boutique. Em outra manobra recente, Cantina Diablo's e Red Fox English Pub do outro lado da rua principal de Andiamo estão sendo refeitos em Diamonds Steak and Seafood e em um bar de pequenos pratos chamado Pinky's sob um novo operador.

Os proprietários de uma lanchonete de Chicago compraram a licença de bebidas alcoólicas do Andiamo, a Daily Tribune em Royal Oak relatado. Matthew e Josef Boumaroun esperam obter a aprovação da Comissão da Cidade na segunda-feira para seus planos de usar a licença para um novo restaurante. Eles querem abrir na 505 S. Main St., alguns quarteirões ao sul da antiga localização de Andiamo, de acordo com um relatório policial do Royal Oak citado pelo jornal.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menos do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são do "Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, o negócio continuará operando como Palácio de Beirute. Seus cinco funcionários permanecerão sob nova direção.

O restaurante se junta a vários outros negócios da Royal Oak que fecharam o centro da cidade nos últimos meses. Como Ahmad, alguns citaram problemas com o estacionamento desde que a construção começou a leste da Main Street no empreendimento Royal Oak City Center em maio. Ele havia deixado cerca de 230 vagas de estacionamento off-line em julho.

As vendas do Royal Oak do Beirute Palace caíram cerca de 25-30 por cento em junho, caindo para uma queda de 50 por cento no final do verão, disse Ahmad. Ele se recusou a fornecer números específicos.

Quando os dois estacionamentos atrás do restaurante onde o projeto do centro da cidade está se fechando, "fica mais difícil para os clientes encontrarem estacionamento", disse ele. Crain's. "Além disso, as empresas de delivery, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) e tudo isso, eles entram e não encontram vagas para estacionar e são multados e tudo mais, então isso tornou isso difícil para nós."

Ahmad não quis entrar em detalhes sobre onde um novo local poderia tomar forma. Pode demorar até um ano antes de abrir, disse ele.

Ahmad espera que os novos proprietários de seu restaurante expandam as ofertas, possivelmente servindo café da manhã do Oriente Médio.

"Espero que eles sobrevivam. Desejo-lhes boa sorte", disse ele. "Espero que eles possam fazer muito melhor do que o que fiz aqui."

Outro fechamento de destaque ocorreu quando a Andiamo Trattoria fechou suas portas abruptamente em julho, em meio a reclamações sobre a falta de estacionamento nas proximidades de algumas empresas do centro aglomeradas em torno da Main Street e 11 Mile Road. Separadamente, a lanchonete B Spot do Chef Michael Symon fechou em agosto e o Qdoba na Main Street fechou em setembro.

Joe Vicari, proprietário da operadora do Andiamo Joe Vicari Restaurant Group, culpou a morte de seu restaurante em parte pelo fechamento de estacionamentos da cidade. Outros que lamentaram a falta de estacionamento incluem Mike Dbouk, proprietário da vizinha Boukie's Grill, e Shepherd Spencer, proprietário do Dixie Moon Saloon, que participou de um processo que desafia o desenvolvimento do centro da cidade.

"Eles esperam e esperam uma melhor recuperação dos negócios quando este projeto for concluído", disse Ahmad sobre outras empresas na área. "Espero que o prefeito (Michael Fournier) possa cuidar de seus residentes."

Fournier e outras autoridades disseram anteriormente que a falta de estacionamento é uma ferida temporária que vai sarar à medida que novas construções trazem o comércio diário muito necessário. A cidade também lançou um esforço de branding denominado Rethink Royal Oak para envolver o público em torno de questões de estacionamento e segurança em torno do desenvolvimento do centro da cidade.

A Autoridade de Desenvolvimento do Royal Oak Downtown se comunica regularmente com as empresas sobre as preocupações e organiza reuniões mensais com as partes interessadas, disse o gerente do centro da cidade, Sean Kammer, na segunda-feira.

"Há um interesse contínuo em abrir e iniciar um negócio e administrar um negócio no centro de Royal Oak", disse ele, e apontou para as opções de estacionamento no centro da cidade.

O fechamento recente de restaurantes não significa necessariamente que as vitrines ficarão vazias: o antigo Blackfinn Ameripub, que fechou inesperadamente há um ano, deve se tornar um Bar Louie. O Dessert Oasis Coffee Roasters abriu em agosto no local que La Dulce deixou. A City Ramen tem como meta uma inauguração em dezembro, de acordo com sua página no Facebook, no que costumava ser uma boutique. Em outra manobra recente, Cantina Diablo's e Red Fox English Pub do outro lado da rua principal de Andiamo estão sendo refeitos em Diamonds Steak and Seafood e em um bar de pequenos pratos chamado Pinky's sob um novo operador.

Os proprietários de uma lanchonete de Chicago compraram a licença de bebidas alcoólicas do Andiamo, a Daily Tribune em Royal Oak relatado. Matthew e Josef Boumaroun esperam obter a aprovação da Comissão da Cidade na segunda-feira para seus planos de usar a licença para um novo restaurante. Eles querem abrir na 505 S. Main St., alguns quarteirões ao sul da antiga localização de Andiamo, de acordo com um relatório policial do Royal Oak citado pelo jornal.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menos do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são do "Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, o negócio continuará operando como Palácio de Beirute. Seus cinco funcionários permanecerão sob nova direção.

O restaurante se junta a vários outros negócios da Royal Oak que fecharam no centro da cidade nos últimos meses. Como Ahmad, alguns citaram problemas com o estacionamento desde que a construção começou a leste da Main Street no empreendimento Royal Oak City Center em maio. Ele havia deixado cerca de 230 vagas de estacionamento off-line em julho.

As vendas do Royal Oak do Beirute Palace caíram cerca de 25-30 por cento em junho, caindo para uma queda de 50 por cento no final do verão, disse Ahmad. Ele se recusou a fornecer números específicos.

Quando os dois estacionamentos atrás do restaurante onde o projeto do centro da cidade está se fechando, "fica mais difícil para os clientes encontrarem estacionamento", disse ele. Crain's. "Além disso, as empresas de delivery, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) e tudo isso, eles entram e não encontram vagas para estacionar e são multados e tudo mais, então isso tornou isso difícil para nós."

Ahmad não quis entrar em detalhes sobre onde um novo local poderia tomar forma. Pode demorar até um ano antes de abrir, disse ele.

Ahmad espera que os novos proprietários de seu restaurante expandam as ofertas, possivelmente servindo café da manhã do Oriente Médio.

"Espero que eles sobrevivam. Desejo-lhes boa sorte", disse ele. "Espero que eles possam fazer muito melhor do que o que fiz aqui."

Outro fechamento de destaque ocorreu quando a Andiamo Trattoria fechou suas portas abruptamente em julho, em meio a reclamações sobre a falta de estacionamento nas proximidades de algumas empresas do centro aglomeradas em torno da Main Street e 11 Mile Road. Separadamente, a lanchonete B Spot do Chef Michael Symon fechou em agosto e o Qdoba na Main Street fechou em setembro.

Joe Vicari, proprietário da operadora do Andiamo Joe Vicari Restaurant Group, culpou a morte de seu restaurante em parte pelo fechamento do estacionamento da cidade. Outros que lamentaram a falta de estacionamento incluem Mike Dbouk, proprietário do vizinho Boukie's Grill, e Shepherd Spencer, proprietário do Dixie Moon Saloon, que participou de um processo que desafia o desenvolvimento do centro da cidade.

"Eles esperam e esperam uma melhor recuperação dos negócios quando este projeto for concluído", disse Ahmad sobre outras empresas na área. "Espero que o prefeito (Michael Fournier) possa cuidar de seus residentes."

Fournier e outras autoridades já haviam dito que a falta de estacionamento é uma ferida temporária que vai sarar à medida que novas construções gerem um comércio diário muito necessário. A cidade também lançou um esforço de branding denominado Rethink Royal Oak para envolver o público em torno de questões de estacionamento e segurança em torno do desenvolvimento do centro da cidade.

A Autoridade de Desenvolvimento do Royal Oak Downtown se comunica regularmente com as empresas sobre as preocupações e organiza reuniões mensais com as partes interessadas, disse o gerente do centro da cidade, Sean Kammer, na segunda-feira.

“Há um interesse contínuo em abrir e iniciar um negócio e administrar um negócio no centro de Royal Oak”, disse ele, e apontou para as opções de estacionamento no centro da cidade.

O fechamento recente de restaurantes não significa necessariamente que as vitrines ficarão vazias: o antigo Blackfinn Ameripub, que fechou inesperadamente há um ano, deve se tornar um Bar Louie. O Dessert Oasis Coffee Roasters abriu em agosto no local que La Dulce deixou. A City Ramen tem como meta uma inauguração em dezembro, de acordo com sua página no Facebook, no que costumava ser uma boutique. Em outra manobra recente, Cantina Diablo's e Red Fox English Pub do outro lado da rua principal de Andiamo estão sendo refeitos em Diamonds Steak and Seafood e em um bar de pequenos pratos chamado Pinky's sob um novo operador.

Os proprietários de uma lanchonete de Chicago compraram a licença de bebidas alcoólicas do Andiamo, a Daily Tribune em Royal Oak relatado. Matthew e Josef Boumaroun esperam obter a aprovação da Comissão da Cidade na segunda-feira para seus planos de usar a licença para um novo restaurante. Eles querem abrir na 505 S. Main St., alguns quarteirões ao sul da antiga localização de Andiamo, de acordo com um relatório policial do Royal Oak citado pelo jornal.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menor do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são do "Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, a empresa continuará operando como Palácio de Beirute. Seus cinco funcionários permanecerão sob nova direção.

O restaurante se junta a vários outros negócios da Royal Oak que fecharam o centro da cidade nos últimos meses. Como Ahmad, alguns citaram problemas com o estacionamento desde que a construção começou a leste da Main Street no empreendimento Royal Oak City Center em maio. Ele havia deixado cerca de 230 vagas de estacionamento off-line em julho.

As vendas do Royal Oak do Beirute Palace caíram cerca de 25-30 por cento em junho, caindo para uma queda de 50 por cento no final do verão, disse Ahmad. Ele se recusou a fornecer números específicos.

Quando os dois estacionamentos atrás do restaurante onde o projeto do centro da cidade está se fechando, "fica mais difícil para os clientes encontrarem estacionamento", disse ele. Crain's. "Além disso, as empresas de delivery, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) e tudo isso, eles entram e não encontram vagas para estacionar e são multados e tudo mais, então isso tornou isso difícil para nós."

Ahmad não quis entrar em detalhes sobre onde um novo local poderia tomar forma. Pode demorar até um ano antes de abrir, disse ele.

Ahmad espera que os novos proprietários de seu restaurante expandam as ofertas, possivelmente servindo café da manhã do Oriente Médio.

"Espero que eles sobrevivam. Desejo-lhes boa sorte", disse ele. "Espero que eles possam fazer muito melhor do que o que fiz aqui."

Outro fechamento de destaque ocorreu quando a Andiamo Trattoria fechou suas portas abruptamente em julho, em meio a reclamações sobre a falta de estacionamento nas proximidades de algumas empresas do centro aglomeradas em torno da Main Street e 11 Mile Road. Separadamente, a lanchonete B Spot do Chef Michael Symon fechou em agosto e o Qdoba na Main Street fechou em setembro.

Joe Vicari, proprietário da operadora do Andiamo Joe Vicari Restaurant Group, culpou a morte de seu restaurante em parte pelo fechamento de estacionamentos da cidade. Outros que lamentaram a falta de estacionamento incluem Mike Dbouk, proprietário da vizinha Boukie's Grill, e Shepherd Spencer, proprietário do Dixie Moon Saloon, que participou de um processo que desafia o desenvolvimento do centro da cidade.

"Eles esperam e esperam uma melhor recuperação dos negócios quando este projeto for concluído", disse Ahmad sobre outras empresas na área. "Espero que o prefeito (Michael Fournier) possa cuidar de seus residentes."

Fournier e outras autoridades já haviam dito que a falta de estacionamento é uma ferida temporária que vai sarar à medida que novas construções gerem um comércio diário muito necessário. A cidade também lançou um esforço de branding denominado Rethink Royal Oak para envolver o público em torno de questões de estacionamento e segurança em torno do desenvolvimento do centro da cidade.

A Autoridade de Desenvolvimento do Royal Oak Downtown se comunica regularmente com as empresas sobre as preocupações e organiza reuniões mensais com as partes interessadas, disse o gerente do centro da cidade, Sean Kammer, na segunda-feira.

"Há um interesse contínuo em abrir e iniciar um negócio e administrar um negócio no centro de Royal Oak", disse ele, e apontou para as opções de estacionamento no centro da cidade.

O fechamento recente de restaurantes não significa necessariamente que as vitrines ficarão vazias: o antigo Blackfinn Ameripub, que fechou inesperadamente há um ano, deve se tornar um Bar Louie. O Dessert Oasis Coffee Roasters abriu em agosto no local que La Dulce deixou. A City Ramen tem como meta uma inauguração em dezembro, de acordo com sua página no Facebook, no que costumava ser uma boutique. Em outra manobra recente, Cantina Diablo's e Red Fox English Pub do outro lado da rua principal de Andiamo estão sendo refeitos em Diamonds Steak and Seafood e em um bar de pequenos pratos chamado Pinky's sob um novo operador.

Os proprietários de uma lanchonete de Chicago compraram a licença de bebidas alcoólicas do Andiamo, a Daily Tribune em Royal Oak relatado. Matthew e Josef Boumaroun esperam obter a aprovação da Comissão da Cidade na segunda-feira para seus planos de usar a licença para um novo restaurante. Eles querem abrir na 505 S. Main St., alguns quarteirões ao sul da antiga localização de Andiamo, de acordo com um relatório policial do Royal Oak citado pelo jornal.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menor do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são do "Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, a empresa continuará operando como Palácio de Beirute. Seus cinco funcionários permanecerão sob nova direção.

O restaurante se junta a vários outros negócios da Royal Oak que fecharam o centro da cidade nos últimos meses. Como Ahmad, alguns citaram problemas com o estacionamento desde que a construção começou a leste da Main Street no empreendimento Royal Oak City Center em maio. Ele havia deixado cerca de 230 vagas de estacionamento off-line em julho.

As vendas do Royal Oak do Beirute Palace caíram cerca de 25-30 por cento em junho, caindo para uma queda de 50 por cento no final do verão, disse Ahmad. Ele se recusou a fornecer números específicos.

Quando os dois estacionamentos atrás do restaurante onde o projeto do centro da cidade está se fechando, "fica mais difícil para os clientes encontrarem estacionamento", disse ele. Crain's. "Além disso, as empresas de entrega de alimentos, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) e tudo isso, eles entram e não encontram vagas para estacionar e são multados e tudo mais, então ficou difícil para nós."

Ahmad não quis entrar em detalhes sobre onde um novo local poderia tomar forma. Pode demorar até um ano antes de abrir, disse ele.

Ahmad espera que os novos proprietários de seu restaurante expandam as ofertas, possivelmente servindo café da manhã do Oriente Médio.

"Espero que eles sobrevivam. Desejo-lhes boa sorte", disse ele. "Espero que eles possam fazer muito melhor do que o que fiz aqui."

Outro fechamento de destaque ocorreu quando a Andiamo Trattoria fechou suas portas abruptamente em julho, em meio a reclamações sobre a falta de estacionamento nas proximidades de algumas empresas do centro aglomeradas em torno da Main Street e 11 Mile Road. Separadamente, a lanchonete B Spot do Chef Michael Symon fechou em agosto e o Qdoba na Main Street fechou em setembro.

Joe Vicari, proprietário da operadora do Andiamo Joe Vicari Restaurant Group, culpou a morte de seu restaurante em parte pelo fechamento do estacionamento da cidade. Outros que lamentaram a falta de estacionamento incluem Mike Dbouk, proprietário do vizinho Boukie's Grill, e Shepherd Spencer, proprietário do Dixie Moon Saloon, que participou de um processo que desafia o desenvolvimento do centro da cidade.

"Eles esperam e esperam uma melhor recuperação dos negócios quando este projeto for concluído", disse Ahmad sobre outras empresas na área. "Espero que o prefeito (Michael Fournier) possa cuidar de seus residentes."

Fournier e outras autoridades disseram anteriormente que a falta de estacionamento é uma ferida temporária que vai sarar à medida que novas construções trazem o comércio diário muito necessário. A cidade também lançou um esforço de branding denominado Rethink Royal Oak para envolver o público em torno de questões de estacionamento e segurança em torno do desenvolvimento do centro da cidade.

A Autoridade de Desenvolvimento do Royal Oak Downtown se comunica regularmente com as empresas sobre as preocupações e organiza reuniões mensais com as partes interessadas, disse o gerente do centro da cidade, Sean Kammer, na segunda-feira.

"Há um interesse contínuo em abrir e iniciar um negócio e administrar um negócio no centro de Royal Oak", disse ele, e apontou para as opções de estacionamento no centro da cidade.

O fechamento recente de restaurantes não significa necessariamente que as vitrines ficarão vazias: o antigo Blackfinn Ameripub, que fechou inesperadamente há um ano, deve se tornar um Bar Louie. O Dessert Oasis Coffee Roasters abriu em agosto no local que La Dulce deixou. A City Ramen tem como meta uma inauguração em dezembro, de acordo com sua página no Facebook, no que costumava ser uma boutique. Em outra manobra recente, Cantina Diablo's e Red Fox English Pub do outro lado da rua principal de Andiamo estão sendo refeitos em Diamonds Steak and Seafood e em um bar de pequenos pratos chamado Pinky's sob um novo operador.

Proprietários de uma lanchonete de Chicago compraram a licença de bebidas alcoólicas do Andiamo, a Daily Tribune em Royal Oak relatado. Matthew e Josef Boumaroun esperam obter a aprovação da Comissão da Cidade na segunda-feira para seus planos de usar a licença para um novo restaurante. Eles querem abrir na 505 S. Main St., alguns quarteirões ao sul da antiga localização de Andiamo, de acordo com um relatório policial do Royal Oak citado pelo jornal.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menor do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são do "Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, a empresa continuará operando como Palácio de Beirute. Seus cinco funcionários permanecerão sob nova direção.

O restaurante se junta a vários outros negócios da Royal Oak que fecharam o centro da cidade nos últimos meses. Como Ahmad, alguns citaram problemas com o estacionamento desde que a construção começou a leste da Main Street no empreendimento Royal Oak City Center em maio. Ele havia deixado cerca de 230 vagas de estacionamento off-line em julho.

As vendas do Royal Oak do Beirute Palace caíram cerca de 25-30 por cento em junho, caindo para uma queda de 50 por cento no final do verão, disse Ahmad. Ele se recusou a fornecer números específicos.

Quando os dois estacionamentos atrás do restaurante onde o projeto do centro da cidade está se fechando, "fica mais difícil para os clientes encontrarem estacionamento", disse ele. Crain's. "Além disso, as empresas de delivery, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) e tudo isso, eles entram e não encontram vagas para estacionar e são multados e tudo mais, então isso tornou isso difícil para nós."

Ahmad não quis entrar em detalhes sobre onde um novo local poderia tomar forma. Pode demorar até um ano antes de abrir, disse ele.

Ahmad espera que os novos proprietários de seu restaurante expandam as ofertas, possivelmente servindo café da manhã do Oriente Médio.

"Espero que eles sobrevivam. Desejo-lhes boa sorte", disse ele. "Espero que eles possam fazer muito melhor do que o que fiz aqui."

Outro fechamento de destaque ocorreu quando a Andiamo Trattoria fechou suas portas abruptamente em julho, em meio a reclamações sobre a falta de estacionamento nas proximidades de algumas empresas do centro aglomeradas em torno da Main Street e 11 Mile Road. Separadamente, a lanchonete B Spot do Chef Michael Symon fechou em agosto e o Qdoba na Main Street fechou em setembro.

Joe Vicari, proprietário da operadora do Andiamo Joe Vicari Restaurant Group, culpou a morte de seu restaurante em parte pelo fechamento de estacionamentos da cidade. Outros que lamentaram a falta de estacionamento incluem Mike Dbouk, proprietário da vizinha Boukie's Grill, e Shepherd Spencer, proprietário do Dixie Moon Saloon, que participou de um processo que desafia o desenvolvimento do centro da cidade.

"Eles esperam e esperam uma melhor recuperação dos negócios quando este projeto for concluído", disse Ahmad sobre outras empresas na área. "Espero que o prefeito (Michael Fournier) possa cuidar de seus residentes."

Fournier e outras autoridades disseram anteriormente que a falta de estacionamento é uma ferida temporária que vai sarar à medida que novas construções trazem o comércio diário muito necessário. A cidade também lançou um esforço de branding denominado Rethink Royal Oak para envolver o público em torno de questões de estacionamento e segurança em torno do desenvolvimento do centro da cidade.

A Autoridade de Desenvolvimento do Royal Oak Downtown se comunica regularmente com as empresas sobre as preocupações e organiza reuniões mensais com as partes interessadas, disse o gerente do centro da cidade, Sean Kammer, na segunda-feira.

“Há um interesse contínuo em abrir e iniciar um negócio e administrar um negócio no centro de Royal Oak”, disse ele, e apontou para as opções de estacionamento no centro da cidade.

O fechamento recente de restaurantes não significa necessariamente que as vitrines ficarão vazias: o antigo Blackfinn Ameripub, que fechou inesperadamente há um ano, deve se tornar um Bar Louie. O Dessert Oasis Coffee Roasters abriu em agosto no local que La Dulce deixou. A City Ramen tem como meta uma inauguração em dezembro, de acordo com sua página no Facebook, no que costumava ser uma boutique. Em outra manobra recente, Cantina Diablo's e Red Fox English Pub do outro lado da rua principal de Andiamo estão sendo refeitos em Diamonds Steak and Seafood e em um bar de pequenos pratos chamado Pinky's sob um novo operador.

Os proprietários de uma lanchonete de Chicago compraram a licença de bebidas alcoólicas do Andiamo, a Daily Tribune em Royal Oak relatado. Matthew e Josef Boumaroun esperam obter a aprovação da Comissão da Cidade na segunda-feira para seus planos de usar a licença para um novo restaurante. Eles querem abrir na 505 S. Main St., alguns quarteirões ao sul da antiga localização de Andiamo, de acordo com um relatório policial do Royal Oak citado pelo jornal.


Palácio de Beirute vendido após 21 anos em Royal Oak

O proprietário do Beirut Palace vendeu o restaurante após 21 anos no centro de Royal Oak, alegando que a construção e as interrupções no estacionamento causaram um declínio acentuado nos negócios este ano.

Hussein Ahmad vendeu todos os ativos da empresa em 205 S. Main St., sem o nome, em 12 de outubro e está planejando abrir em outro lugar na área metropolitana de Detroit, disse ele Crain's. Ele se recusou a divulgar o preço de venda & mdash "menos do que o que me custou para colocá-lo aqui" & mdash ou os compradores. Mas ele disse que os novos proprietários são do "Oriente Médio" e planejam permanecer abertos com ofertas semelhantes.

Ahmad também transferiu seu contrato de arrendamento, disse ele. Seu palácio de Beirute também tem locações em Sterling Heights e Warren.

Um novo nome e sinal serão revelados nas próximas duas semanas, depois que Ahmad ajudar na transição dos novos proprietários. O novo nome também não é conhecido. Nesse ínterim, o negócio continuará operando como Palácio de Beirute. Its five employees will stay on under new ownership.

The restaurant joins several other Royal Oak businesses that have closed downtown in recent months. Like Ahmad, some have cited parking pains since construction started just east of Main Street on the Royal Oak City Center development in May. It had left around 230 parking spaces offline as of July.

Beirut Palace's Royal Oak sales had fallen around 25-30 percent as of June, edging down to a 50 percent drop later in the summer, Ahmad said. He declined to provide specific figures.

When the two parking lots behind the restaurant where the city center project is taking shape closed, it "made it harder for customers to find parking," he told Crain's. "Plus, the carry-out companies, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) and all that, they come in and they don't find parking places and they get ticketed and all that, so it made it hard for us."

Ahmad declined to elaborate on where a new location could take shape. It could take up to a year before it opens, he said.

Ahmad expects his restaurant's new owners will expand offerings, possibly serving Middle Eastern breakfast.

"Hopefully they're gonna survive . I wish them the best of luck," he said. "I hope they can do a lot better than what I did here."

Another high-profile closing came when Andiamo Trattoria shut its doors abruptly in July among complaints over lack of nearby parking from some downtown businesses clustered around Main Street and 11 Mile Road. Separately, the B Spot burger restaurant from Chef Michael Symon closed in August and Qdoba on Main Street closed in September.

Joe Vicari, owner of Andiamo operator Joe Vicari Restaurant Group, blamed his restaurant's demise partly on city parking lot closures. Others who have bemoaned lack of parking include Mike Dbouk, owner of nearby Boukie's Grill, and Dixie Moon Saloon owner Shepherd Spencer, who was part of a lawsuit challenging the city center development.

"They're hoping and expecting better business turnaround when this project is done," Ahmad said of other businesses in the area. "I hope the mayor (Michael Fournier) can take care of his residents."

Fournier and other officials have previously said lack of parking is a temporary wound that will heal as new construction brings in much-needed daily commerce. The city also launched a branding effort dubbed Rethink Royal Oak to engage the public around issues of parking and safety surrounding the incoming city center development.

The Royal Oak Downtown Development Authority communicates regularly with businesses about concerns and hosts monthly stakeholder meetings, downtown manager Sean Kammer said Monday.

"There is continued interest to open and start a business and run a business in downtown Royal Oak," he said, and pointed to nearby parking options downtown.

Recent restaurant closures don't necessarily mean storefronts will stay empty: The former Blackfinn Ameripub, which closed unexpectedly a year ago, is expected to become a Bar Louie. Dessert Oasis Coffee Roasters opened in August in the spot La Dulce left. City Ramen is targeting a December opening, according to its Facebook page, in what used to be a boutique. In another recent maneuver, Cantina Diablo's and Red Fox English Pub across Main Street from Andiamo are being remade into a Diamonds Steak and Seafood and a small-plates bar called Pinky's under a new operator.

Owners of a Chicago burger bar have purchased the closed Andiamo's liquor license, the Daily Tribune in Royal Oak reported. Matthew and Josef Boumaroun expect to seek approval Monday from the City Commission for their plans to use the license for a new restaurant. They want to open at 505 S. Main St., a couple blocks south of Andiamo's former location, according to a Royal Oak police report cited by the newspaper.


Beirut Palace sold after 21 years in Royal Oak

The owner of Beirut Palace has sold the restaurant after 21 years in downtown Royal Oak, claiming construction and parking disruptions caused a recent sharp decline in business this year.

Hussein Ahmad sold all of the assets of the business at 205 S. Main St., minus the name, on Oct. 12 and is planning to open elsewhere in metro Detroit, he told Crain's. He declined to disclose the sale price &mdash "less than what it cost me to put it here" &mdash or the buyers. But he said the new owners are "Middle Eastern" and plan to stay open with similar offerings.

Ahmad also transferred his lease, he said. His Beirut Palace also has locations in Sterling Heights and Warren.

A new name and sign will be unveiled within the next two weeks, after Ahmad helps the new owners transition. The new name is also not known. In the meantime, the business will continue operating as Beirut Palace. Its five employees will stay on under new ownership.

The restaurant joins several other Royal Oak businesses that have closed downtown in recent months. Like Ahmad, some have cited parking pains since construction started just east of Main Street on the Royal Oak City Center development in May. It had left around 230 parking spaces offline as of July.

Beirut Palace's Royal Oak sales had fallen around 25-30 percent as of June, edging down to a 50 percent drop later in the summer, Ahmad said. He declined to provide specific figures.

When the two parking lots behind the restaurant where the city center project is taking shape closed, it "made it harder for customers to find parking," he told Crain's. "Plus, the carry-out companies, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) and all that, they come in and they don't find parking places and they get ticketed and all that, so it made it hard for us."

Ahmad declined to elaborate on where a new location could take shape. It could take up to a year before it opens, he said.

Ahmad expects his restaurant's new owners will expand offerings, possibly serving Middle Eastern breakfast.

"Hopefully they're gonna survive . I wish them the best of luck," he said. "I hope they can do a lot better than what I did here."

Another high-profile closing came when Andiamo Trattoria shut its doors abruptly in July among complaints over lack of nearby parking from some downtown businesses clustered around Main Street and 11 Mile Road. Separately, the B Spot burger restaurant from Chef Michael Symon closed in August and Qdoba on Main Street closed in September.

Joe Vicari, owner of Andiamo operator Joe Vicari Restaurant Group, blamed his restaurant's demise partly on city parking lot closures. Others who have bemoaned lack of parking include Mike Dbouk, owner of nearby Boukie's Grill, and Dixie Moon Saloon owner Shepherd Spencer, who was part of a lawsuit challenging the city center development.

"They're hoping and expecting better business turnaround when this project is done," Ahmad said of other businesses in the area. "I hope the mayor (Michael Fournier) can take care of his residents."

Fournier and other officials have previously said lack of parking is a temporary wound that will heal as new construction brings in much-needed daily commerce. The city also launched a branding effort dubbed Rethink Royal Oak to engage the public around issues of parking and safety surrounding the incoming city center development.

The Royal Oak Downtown Development Authority communicates regularly with businesses about concerns and hosts monthly stakeholder meetings, downtown manager Sean Kammer said Monday.

"There is continued interest to open and start a business and run a business in downtown Royal Oak," he said, and pointed to nearby parking options downtown.

Recent restaurant closures don't necessarily mean storefronts will stay empty: The former Blackfinn Ameripub, which closed unexpectedly a year ago, is expected to become a Bar Louie. Dessert Oasis Coffee Roasters opened in August in the spot La Dulce left. City Ramen is targeting a December opening, according to its Facebook page, in what used to be a boutique. In another recent maneuver, Cantina Diablo's and Red Fox English Pub across Main Street from Andiamo are being remade into a Diamonds Steak and Seafood and a small-plates bar called Pinky's under a new operator.

Owners of a Chicago burger bar have purchased the closed Andiamo's liquor license, the Daily Tribune in Royal Oak reported. Matthew and Josef Boumaroun expect to seek approval Monday from the City Commission for their plans to use the license for a new restaurant. They want to open at 505 S. Main St., a couple blocks south of Andiamo's former location, according to a Royal Oak police report cited by the newspaper.


Beirut Palace sold after 21 years in Royal Oak

The owner of Beirut Palace has sold the restaurant after 21 years in downtown Royal Oak, claiming construction and parking disruptions caused a recent sharp decline in business this year.

Hussein Ahmad sold all of the assets of the business at 205 S. Main St., minus the name, on Oct. 12 and is planning to open elsewhere in metro Detroit, he told Crain's. He declined to disclose the sale price &mdash "less than what it cost me to put it here" &mdash or the buyers. But he said the new owners are "Middle Eastern" and plan to stay open with similar offerings.

Ahmad also transferred his lease, he said. His Beirut Palace also has locations in Sterling Heights and Warren.

A new name and sign will be unveiled within the next two weeks, after Ahmad helps the new owners transition. The new name is also not known. In the meantime, the business will continue operating as Beirut Palace. Its five employees will stay on under new ownership.

The restaurant joins several other Royal Oak businesses that have closed downtown in recent months. Like Ahmad, some have cited parking pains since construction started just east of Main Street on the Royal Oak City Center development in May. It had left around 230 parking spaces offline as of July.

Beirut Palace's Royal Oak sales had fallen around 25-30 percent as of June, edging down to a 50 percent drop later in the summer, Ahmad said. He declined to provide specific figures.

When the two parking lots behind the restaurant where the city center project is taking shape closed, it "made it harder for customers to find parking," he told Crain's. "Plus, the carry-out companies, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) and all that, they come in and they don't find parking places and they get ticketed and all that, so it made it hard for us."

Ahmad declined to elaborate on where a new location could take shape. It could take up to a year before it opens, he said.

Ahmad expects his restaurant's new owners will expand offerings, possibly serving Middle Eastern breakfast.

"Hopefully they're gonna survive . I wish them the best of luck," he said. "I hope they can do a lot better than what I did here."

Another high-profile closing came when Andiamo Trattoria shut its doors abruptly in July among complaints over lack of nearby parking from some downtown businesses clustered around Main Street and 11 Mile Road. Separately, the B Spot burger restaurant from Chef Michael Symon closed in August and Qdoba on Main Street closed in September.

Joe Vicari, owner of Andiamo operator Joe Vicari Restaurant Group, blamed his restaurant's demise partly on city parking lot closures. Others who have bemoaned lack of parking include Mike Dbouk, owner of nearby Boukie's Grill, and Dixie Moon Saloon owner Shepherd Spencer, who was part of a lawsuit challenging the city center development.

"They're hoping and expecting better business turnaround when this project is done," Ahmad said of other businesses in the area. "I hope the mayor (Michael Fournier) can take care of his residents."

Fournier and other officials have previously said lack of parking is a temporary wound that will heal as new construction brings in much-needed daily commerce. The city also launched a branding effort dubbed Rethink Royal Oak to engage the public around issues of parking and safety surrounding the incoming city center development.

The Royal Oak Downtown Development Authority communicates regularly with businesses about concerns and hosts monthly stakeholder meetings, downtown manager Sean Kammer said Monday.

"There is continued interest to open and start a business and run a business in downtown Royal Oak," he said, and pointed to nearby parking options downtown.

Recent restaurant closures don't necessarily mean storefronts will stay empty: The former Blackfinn Ameripub, which closed unexpectedly a year ago, is expected to become a Bar Louie. Dessert Oasis Coffee Roasters opened in August in the spot La Dulce left. City Ramen is targeting a December opening, according to its Facebook page, in what used to be a boutique. In another recent maneuver, Cantina Diablo's and Red Fox English Pub across Main Street from Andiamo are being remade into a Diamonds Steak and Seafood and a small-plates bar called Pinky's under a new operator.

Owners of a Chicago burger bar have purchased the closed Andiamo's liquor license, the Daily Tribune in Royal Oak reported. Matthew and Josef Boumaroun expect to seek approval Monday from the City Commission for their plans to use the license for a new restaurant. They want to open at 505 S. Main St., a couple blocks south of Andiamo's former location, according to a Royal Oak police report cited by the newspaper.


Beirut Palace sold after 21 years in Royal Oak

The owner of Beirut Palace has sold the restaurant after 21 years in downtown Royal Oak, claiming construction and parking disruptions caused a recent sharp decline in business this year.

Hussein Ahmad sold all of the assets of the business at 205 S. Main St., minus the name, on Oct. 12 and is planning to open elsewhere in metro Detroit, he told Crain's. He declined to disclose the sale price &mdash "less than what it cost me to put it here" &mdash or the buyers. But he said the new owners are "Middle Eastern" and plan to stay open with similar offerings.

Ahmad also transferred his lease, he said. His Beirut Palace also has locations in Sterling Heights and Warren.

A new name and sign will be unveiled within the next two weeks, after Ahmad helps the new owners transition. The new name is also not known. In the meantime, the business will continue operating as Beirut Palace. Its five employees will stay on under new ownership.

The restaurant joins several other Royal Oak businesses that have closed downtown in recent months. Like Ahmad, some have cited parking pains since construction started just east of Main Street on the Royal Oak City Center development in May. It had left around 230 parking spaces offline as of July.

Beirut Palace's Royal Oak sales had fallen around 25-30 percent as of June, edging down to a 50 percent drop later in the summer, Ahmad said. He declined to provide specific figures.

When the two parking lots behind the restaurant where the city center project is taking shape closed, it "made it harder for customers to find parking," he told Crain's. "Plus, the carry-out companies, GrubHub, DoorDash (Food Delivery) and all that, they come in and they don't find parking places and they get ticketed and all that, so it made it hard for us."

Ahmad declined to elaborate on where a new location could take shape. It could take up to a year before it opens, he said.

Ahmad expects his restaurant's new owners will expand offerings, possibly serving Middle Eastern breakfast.

"Hopefully they're gonna survive . I wish them the best of luck," he said. "I hope they can do a lot better than what I did here."

Another high-profile closing came when Andiamo Trattoria shut its doors abruptly in July among complaints over lack of nearby parking from some downtown businesses clustered around Main Street and 11 Mile Road. Separately, the B Spot burger restaurant from Chef Michael Symon closed in August and Qdoba on Main Street closed in September.

Joe Vicari, owner of Andiamo operator Joe Vicari Restaurant Group, blamed his restaurant's demise partly on city parking lot closures. Others who have bemoaned lack of parking include Mike Dbouk, owner of nearby Boukie's Grill, and Dixie Moon Saloon owner Shepherd Spencer, who was part of a lawsuit challenging the city center development.

"They're hoping and expecting better business turnaround when this project is done," Ahmad said of other businesses in the area. "I hope the mayor (Michael Fournier) can take care of his residents."

Fournier and other officials have previously said lack of parking is a temporary wound that will heal as new construction brings in much-needed daily commerce. The city also launched a branding effort dubbed Rethink Royal Oak to engage the public around issues of parking and safety surrounding the incoming city center development.

The Royal Oak Downtown Development Authority communicates regularly with businesses about concerns and hosts monthly stakeholder meetings, downtown manager Sean Kammer said Monday.

"There is continued interest to open and start a business and run a business in downtown Royal Oak," he said, and pointed to nearby parking options downtown.

Recent restaurant closures don't necessarily mean storefronts will stay empty: The former Blackfinn Ameripub, which closed unexpectedly a year ago, is expected to become a Bar Louie. Dessert Oasis Coffee Roasters opened in August in the spot La Dulce left. City Ramen is targeting a December opening, according to its Facebook page, in what used to be a boutique. In another recent maneuver, Cantina Diablo's and Red Fox English Pub across Main Street from Andiamo are being remade into a Diamonds Steak and Seafood and a small-plates bar called Pinky's under a new operator.

Owners of a Chicago burger bar have purchased the closed Andiamo's liquor license, the Daily Tribune in Royal Oak reported. Matthew and Josef Boumaroun expect to seek approval Monday from the City Commission for their plans to use the license for a new restaurant. They want to open at 505 S. Main St., a couple blocks south of Andiamo's former location, according to a Royal Oak police report cited by the newspaper.


Assista o vídeo: Qué le pasó a DETROIT?