Novas receitas

Previsões para 2013 em Política Alimentar

Previsões para 2013 em Política Alimentar


Alimentos geneticamente modificados, segurança alimentar e imposto sobre refrigerantes são apenas alguns dos temas em destaque

Para minha coluna mensal (primeiro domingo) Food Matters no San Francisco Chronicle, dedico o um em janeiro todos os anos para as previsões. No ano passado, acertei todos eles. Não foi preciso muito gênio para descobrir que a política do ano eleitoral iria paralisar as coisas. A coluna deste ano foi muito mais difícil de fazer, até porque a Food and Drug Administration (FDA) estava divulgando iniciativas bloqueadas até o prazo de impressão.

Clique aqui para ver as Previsões para 2013 em Slideshow de Política Alimentar

P: Acabei de olhar sua coluna de bola de cristal de 2012. Suas previsões estavam certas. Mas e 2013? Alguma possibilidade de boas notícias na política alimentar?

UMA: As questões alimentares são invariavelmente controversas e qualquer pessoa poderia ver que nada seria feito a respeito durante um ano eleitoral. Com o fim da eleição, a grande questão é se e quando as ações paralisadas serão liberadas.

O Administração de Alimentos e Medicamentos já desbloqueou uma decisão pendente. Em dezembro, lançou o rascunho da avaliação ambiental do salmão geneticamente modificado - datado de 4 de maio de 2012. Aí vem minha primeira previsão:

O FDA aprovará a produção de salmão geneticamente modificado: Como esses salmões são criados no Canadá e no Panamá com salvaguardas contra fuga, o FDA considera que eles não têm impacto ambiental nos Estados Unidos. A decisão agora está aberta para comentários públicos. A menos que as respostas obriguem o FDA a buscar mais atrasos, esperamos ver salmão geneticamente modificado em produção até o final do ano.

Para saber o que mais está por vir em 2013, continue lendo na apresentação de slides.


Nostradamus & # x27 Receita para geléia de cereja

Suas previsões do Juízo Final podem ter sido erradas, mas a celebridade de Nostradamus não foi totalmente em vão. Além de suas alegadas habilidades como um "vidente", o famoso boticário francês possuía outra habilidade, talvez mais útil: cozinhar.

Seu primeiro livro publicado não continha premonições, mas receitas. Apropriadamente, o título é um bocado: "Tratado EXCELENTE E ÚTIL para todos que desejam o conhecimento de várias receitas requintadas. Recentemente composto pelo Mestre Michel de Nostredame, Doutor em Medicina na cidade de Salon de Craux en Provence."

Parte do conteúdo do livro apela apenas aos sentidos, como os de cascas de laranja cristalizadas e compota de pêra. Outros, de acordo com O guardião, servem a propósitos mais práticos, como tornar o cabelo loiro ou, supostamente, curar a peste.

Se você está procurando experimentar o remédio de Nostradamus, pode ter que buscar alguns ingredientes absurdos. Sua receita para uma "poção do amor" não parece muito diferente de uma poção de bruxa fictícia, incluindo "o sangue de sete pardais machos" e "os braços de um polvo".

Uma amostra de suas guloseimas não medicinais pode ser mais viável. A FXCuisine adotou a receita de vidente para geléia de cereja. O livro de Nostradamus contém duas receitas de geléia de cereja, "Para fazer geléia de cereja que é tão clara e avermelhada como um rubi fino, e de bondade, sabor e virtude excelentes, que as cerejas preservarão por muito tempo na perfeição sem adicionar nada além da fruta: e estará apto para apresentar a um Rei por sua Excelência Suprema "e" Outra Maneira de Fazer Gelatina de Cerejas, que é mais Delicada do que a Primeira, mas é mais Querida e é para Grandes Senhores. " A FXCuisine optou por este último, que exigia apenas 1 quilo de açúcar e 4 quilos de cerejas.


As saladas mais saudáveis ​​para pedir nas suas cadeias de saladas favoritas

É reconfortante imaginar que qualquer coisa servida em uma cama de alface inevitavelmente fará bem para você, mas não é o caso. O que há em sua próxima salada pode determinar se ela está cheia de antioxidantes ou apenas calorias vazias. Para ajudá-lo a escolher uma refeição saudável na próxima vez que você sair para comer, conversamos com três nutricionistas sobre a salada mais saudável nos cardápios de redes nacionais de fast-casual especializadas em pratos com recheio verde, incluindo Sweetgreen, Panera e muito mais.

Sweetgreen: Salada de Guacamole Verdes

Esta salada começa com uma base de mesclun orgânico (uma variedade de verduras, incluindo rúcula e endívia) e também inclui abacate, tomate e frango assado. “O abacate é uma gordura saudável para o coração que contém vitaminas, minerais e fibra dietética”, disse a nutricionista Jenna Appel. “O frango adiciona uma fonte de proteína de qualidade, enquanto os tomates, verduras e abacate adicionam micronutrientes e antioxidantes.”

Não se preocupe, o gosto também é delicioso, pois a salada também inclui cebola roxa, chips de tortilha e um suco de limão fresco. Appel também gostou de sua proporção de carboidratos para proteína (27 gramas de carboidratos para 26 gramas de proteína) e 11 gramas de fibra alimentar, que é importante para mantê-lo satisfeito. Ele vem com um vinagrete de jalapeño e coentro de limão que adiciona 140 calorias por porção. “Embora Sweetgreen use um molho à base de vinagrete, se você está observando sua ingestão de calorias, opte por deixar o molho à parte e usar o método de molho com garfo”, disse ela.

Chopt: The Orchard Salad

Peça o The Orchard at Chopt e você estará cutucando o garfo em uma mistura de verduras, incluindo lacinato e couve, espinafre, rúcula selvagem e repolho Napa. Em seguida, é coberto com queijo de cabra local, maçãs sazonais, nozes e alface romana. “Gosto que esta salada inclua ingredientes locais e sazonais, juntamente com uma mistura de verduras”, disse Appel.

Appel se aprofundou nas informações nutricionais e destacou algumas áreas-chave. “Tem impressionantes 44 gramas de proteína por porção”, disse ela. “Se você está observando a ingestão de carboidratos, esta salada também é uma das opções com menos carboidratos (21 gramas).” Ela também gostou do fato de a salada incluir nozes, que fornecem gorduras saudáveis ​​ricas em ômega-3 e antioxidantes. Ela observou que, se você estiver observando a ingestão de calorias (The Orchard tem 600 calorias), existem etapas simples para reduzir as calorias nesta refeição. Por um lado, passe o pão que vem com a salada, peça o molho ao lado e corte ao meio as porções de queijo de cabra ou de nozes, cada uma delas economizando cerca de 90 e 100 calorias, respectivamente.

Verdes tenros: Frango Assado Chipotle

Se você é fã da salada Sweetgreen Guacamole Greens, temos boas notícias para você: esta salada do Tender Greens tem muitos dos mesmos ingredientes. A salada de frango com churrasco Chipotle tem uma base de alface romana e inclui o frango churrasco chipotle acima mencionado, abacate, queijo cotija, tiras de tortilha, cebola verde e rabanetes, tudo coberto com um molho de limão e coentro.

A nutricionista Julie Cunningham sinalizou esta salada como uma das mais saudáveis ​​pelo que não incluem: sódio (790 miligramas) e calorias (610). “Esta salada tem a menor quantidade de sódio entre as saladas do Tender Greens, bem como a menor quantidade de calorias”, disse Cunningham. Ela destacou dois ingredientes em particular como sendo saudáveis, o frango e o abacate repleto de proteínas, que, segundo ela, fornecem gordura monoinsaturada saudável para o coração.

Honeygrow: Walnut St. Noodle

Honeygrow foi fundada na Filadélfia, onde Walnut St. é uma via principal. Mas a salada também tem nozes de verdade! Na verdade, além de nozes torradas, há um molho de nozes e limão. Isso além de seu macarrão de trigo integral, rúcula orgânica, cogumelos, brócolis torrado e batatas fritas de parmesão.

Cunningham aprovou a salada para os grãos inteiros no macarrão (a salada tem 3 gramas de fibra dietética), os brócolis e nozes ricos em antioxidantes, que contêm gordura monoinsaturada. Ela também gostou do perfil nutricional. “É o mais baixo em calorias (560) e sódio (830 miligramas) entre as opções do menu”, disse Cunningham. Por exemplo, a Salada Cobb do restaurante tem quase o dobro da quantidade de calorias (900) e sódio (1.640 miligramas), tornando o Walnut St. Noodle sua melhor aposta.

Panera: Salada Asiática de Gergelim com Frango

Para uma rede que já oferece uma grande seleção de massas, sopas e sanduíches, é impressionante que também tenha 10 saladas. A Salada de Gergelim Asiático com Frango é relativamente simples: uma cama de alface romana coberta com frango, coentro, amêndoas torradas, sementes de gergelim e tiras de wonton ao lado de um vinagrete de gergelim asiático.

A nutricionista e nutricionista Allison Knott examinou todas as opções da Panera e gostou desta por sua gordura saturada e baixo teor de sódio. “O grego moderno com quinoa tem 8 gramas de gordura saturada, enquanto o frango com gergelim asiático tem 3 gramas de gordura saturada”, disse Knott ao HuffPost. “Algumas saladas [Panera] têm cerca de 1.180 miligramas de sódio, ou cerca de metade do que a maioria dos adultos saudáveis ​​deve consumir por dia.” Knott gosta do frango com gergelim asiático porque contém 540 miligramas de sódio, o que ajudará a reduzir a ingestão total de sódio durante as refeições no Panera. Ela também avisou que, embora as 410 calorias e 32 gramas de proteína da salada atendam às necessidades nutricionais de muitas pessoas, se você deseja adicionar fibras, adicionar pepino, couve ou tomate pode ajudar.

Mad Greens: Salada Pancho Villa

Elote não é um prato estereotipadamente saudável, pois pode incluir maionese, crema mexicano e queijo cotija em cima de uma espiga de milho. Mas a Pancho Villa Salad no Mad Greens mostra que você ainda pode comer saudável enquanto desfruta de sabores semelhantes, já que inclui verduras mistas, quinoa, milho torrado, sementes de abóbora temperadas, abacate, frango do sudoeste e molho de coentro e pimenta-malagueta.

Poucas pessoas ficam entusiasmadas com refeições com uma tonelada de fibras, mas essas pessoas definitivamente não são nutricionistas, que amor fibra. (E há muitas razões para isso.) "Um bônus desta salada é que ela tem 11 gramas de fibra - mais de 40% da ingestão diária recomendada para a maioria das pessoas saudáveis", disse Knott, acrescentando que esses dados nutricionais são baseados em encomendando a Villa Pancho com curativos leves. “Combine o alto teor de fibra com uma quantidade significativa de proteína (42 gramas) e esta salada provavelmente irá saciá-lo e mantê-lo satisfeito”. Além disso, ela gostava de servir grãos inteiros na quinua e gorduras insaturadas de sementes de abóbora e abacate.


Segure esse mini-hambúrguer: restaurantes prevêem comida para 2013

Sliders. Nós superamos eles, diz a National Restaurant Association.

Ainda pede gaspacho e sliders no seu restaurante favorito? Não pré-selecionar os menus do restaurante antes de fazer uma reserva? Bem, entre no DeLorean e ajuste o cronômetro para 2013: você está realmente atrasado.

A tecnologia está em alta e o chocolate com sabor de bacon está fora de questão, diz uma pesquisa recente com 1.800 chefs em todo o país.

A pesquisa, parte da última Restaurant Industry Forecast da National Restaurant Association, categorizou 198 itens do menu como "tendências quentes", "notícias de ontem" ou "favoritos perenes". Com o objetivo de ser um instantâneo anual de toda a indústria de restaurantes, a previsão também prevê tendências em tecnologias de restaurantes e atitudes do consumidor no próximo ano, diz Hudson Riehle, vice-presidente sênior de pesquisa da NRA.

As expectativas dos consumidores de restaurantes são altas, mesmo antes de eles entrarem pela porta. Mais da metade dos clientes adultos checam o cardápio de um restaurante online antes de sua visita, diz o relatório.

E sobre esse menu? Uma das tendências de tecnologia de restaurantes mais quentes deste ano inclui menus internos do iPad, que oferecem aos clientes fotos em alta resolução e descrições detalhadas dos pratos.

A pesquisa também observa a crescente popularidade dos caminhões de entrega, entrega e entrega de alimentos, especialmente entre os clientes mais jovens. "Aproximadamente 70 por cento do tráfego da indústria de restaurantes é agora fora do local. [E] os jovens de 18 a 34 anos têm uma maior propensão a usar soluções de refeições fora do local", diz Riehle. Como relatamos antes, a geração do milênio tende a tomar decisões alimentares com base na conveniência.

Embora a conveniência seja fundamental para os clientes mais jovens, as tendências também sugerem que a sustentabilidade e o abastecimento serão valores importantes para os consumidores em 2013. A pesquisa prevê que tendências de carnes de origem local e frutos do mar sustentáveis ​​se tornarão cada vez mais populares, embora alimentos perenes do conforto, como churrasco e macarrão e o queijo estão aqui para ficar.

Preocupações dietéticas e de saúde também podem influenciar as ofertas de restaurantes em todo o país, em porções menores de refeições, aperitivos vegetarianos, opções de grãos inteiros para crianças e massas sem trigo para quem evita o glúten, prevê a pesquisa. É claro que a nova exigência do governo de listar as calorias no cardápio também pode ter alguma influência aqui.

Outras tendências da moda incluem carnes curadas na casa, queijos artesanais e limonada gourmet. E, além de produtos orgânicos cultivados localmente, os itens hiperlocais, como vegetais cultivados em jardins de restaurantes, também devem crescer em 2013.

“Entre os americanos agora, há um alto nível de interesse pela comida em geral, e isso abrange todo o espectro da fazenda à mesa”, diz Riehle. Esse interesse pode se originar da popularidade crescente de programas de culinária e de graduados em escolas de culinária, diz ele.

Os níveis crescentes de conscientização sobre os alimentos também podem explicar as tendências internacionais crescentes no cardápio. Espera-se que a comida peruana seja a moda mais quente na culinária étnica, enquanto itens de inspiração étnica, como ovos mexidos com chouriço e panquecas de leite de coco, devem substituir o frango e waffles favoritos do café da manhã.

"O paladar americano típico é agora muito mais sofisticado do que 10 a 20 anos atrás. [É] mais capaz de discernir sabores, alimentos e especiarias. [Os americanos são] muito mais educados sobre as cozinhas que os restaurantes prepararam", diz Riehle O sal.

Mas se você tem um restaurante, precisa se concentrar. Em vez de satisfazer todas as tendências quentes da previsão, Riehle diz que é mais importante entender seus clientes e sua localização.


Ondas de chefs / donas moldam a cena quente de Oakland

Os chefs Dominica Rice (à esquerda) de Cosecha e Sarah Kirnon (à direita) de Miss Ollie carregam frutas dentro do histórico Swan Market de Old Oakland, no centro de Oakland, Califórnia, na quinta-feira, 31 de outubro de 2013.

4 de 14 O proprietário e chef Alexeis Filipello do Bar Dogwood e Stagg's Lunchette em Oakland, Califórnia, prepara um coquetel Almendra. Liz Hafalia / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

5 de 14 Rabo de boi ao estilo caribenho (Sarah Kimon, Miss Ollie's) como visto em São Francisco, Califórnia, em 30 de outubro de 2013. Comida estilizada por Lauren Reuthinger. Craig Lee / Especial para The Chronicle Show More Show Less

7 de 14 Shrimp Curry (Preeti Mistry, Juhu Beach Club) como visto em San Francisco, Califórnia, na quarta-feira, 23 de outubro de 2013. Comida estilizada por Lauren Reuthinger. Craig Lee / Especial para The Chronicle Show More Show Less

8 de 14 Receita do chef Dominica Rice em Oakland, Califórnia, na quinta-feira, 31 de outubro de 2013. Liz Hafalia / The Chronicle Show More Show Less

10 de 14 O proprietário e chef Alexeis Filipello do Bar Dogwood e Stagg's Lunchette em Oakland, Califórnia, mostra seu bar na quinta-feira, 31 de outubro de 2013. Liz Hafalia / The Chronicle Show More Show Less

11 de 14 Bar Dogwood de propriedade de Alexeis Filipello de Oakland, Califórnia, na quinta-feira, 31 de outubro de 2013. Liz Hafalia / The Chronicle Show More Show Less

13 de 14 Receita do chef Dominica Rice em Oakland, Califórnia, com tacos de peixe ao fundo na quinta-feira, 31 de outubro de 2013. Liz Hafalia / The Chronicle Show More Show Less

Estou ao telefone com Dominica Rice, que está no Cosecha, seu pitoresco café mexicano no Swan's Market em Old Oakland.

O salão de alimentação histórico passou por uma reforma ultimamente, com Cosecha se mudando e o local de comida soul caribenha de Sarah Kirnon, Miss Ollie's, abrindo na porta ao lado.

"Somos como as velhinhas" que compartilham tudo, diz Rice com uma risada. “Todos os dias, eu vou lá e digo, 'Você tem um litro a mais de creme?' Ou ela virá, 'Você tem uma dúzia de ovos?' "

Um pouco de estática passa pela linha e ouço vozes abafadas e o que parece um "obrigado".

"Aquela era Sarah", diz Rice, como se fosse uma deixa. "Ela acabou de me trazer oito abacates que estão um pouco maduros demais para ela." Eles são perfeitos, no entanto, para o arroz usar no guacamole.

É o tipo de camaradagem que ressalta a próspera comunidade de restaurantes de propriedade de mulheres em Oakland.

Uma onda diversificada de chefs / donos de restaurantes se juntou à briga nos últimos anos, expandindo a rica cena gastronômica estabelecida por chefs / proprietários como Charlie Hallowell e James Syhabout.

As mulheres no comando estão servindo versões de toupeira, curry e charcutaria inspiradas em suas origens exclusivas.

Chame isso de comida soul, comida caseira, comida de rua ou nova fusão da Califórnia.

O resultado final? É uma das comidas mais empolgantes que saem das cozinhas da Bay Area hoje.

Arroz Dominica, Cosecha

Dominica Rice pensava em abrir sua própria casa desde os 20 anos, mas demorou quase duas décadas para que isso acontecesse.

Ela estagiou na Daniel em Nova York, trabalhou no Chez Panisse e no Restaurante Soleil na Cidade do México. Mas para seu próprio empreendimento, Rice queria um pequeno local que não exigisse investidores e uma grande arrecadação de fundos.

“Oakland era a única cidade que queria ter essa conversa comigo - proprietários, agentes de crédito, agências de redesenvolvimento. Que estavam dispostos a ouvir e falar”, disse Rice. "Encontrei este local. E ele me lembrou dos mercados da Cidade do México e Oaxaca."

Sua marca de culinária californiana é a comida do México com a qual ela cresceu em uma família mexicana americana / irlandesa americana em Los Angeles. Seus avós são "100 por cento mexicanos - minha avó veio de Chihuahua a cavalo".

A comida do deserto - pimenta seca, feijão seco, milho seco e carne vermelha - se presta a sopas e guisados ​​como o menudo. Tamales também eram alimentos básicos, embora fossem embrulhados em cascas de milho, não as folhas de planície ao estilo de Oaxaca que Rice usa hoje em Cosecha.

As segundas-feiras são dias mole, quando sua equipe fará um grande lote para durar a semana.

"Sempre que encontramos alguém que diz isso me lembra mamãe, vovó ou México, é, 'Oba, conseguimos'", diz Rice. "Há um lugar para comer comida caseira bem feita e preciosa."

Sarah Kirnon, Srta. Ollie's

Sarah Kirnon é um nome bem estabelecido nos círculos alimentares, tendo cozinhado no Front Porch em San Francisco e no Hibiscus em Oakland, mas Miss Ollie é a primeira vez que sai sozinha.

O restaurante de esquina repleto de luz, que leva o nome da avó de Kirnon, serve comida de inspiração caribenha - de feijão fradinho a curry de cabra e bolo de mandioca - e reflete a origem eclética de Kirnon. Nascida em Londres e criada em Barbados, ela viajou pelo mundo antes de se estabelecer na Bay Area.

"Minha comida não é tradicional. Muito dela é inspirada no que eu cresci", diz Kirnon. "É autêntico? Sim, porque é o que eu sei."

Embora seu frango frito seja lendário, ela tem o orgulho de dizer que é seu ensopado de rabada uma vez por semana que atraiu seguidores mais apaixonados.

“Compramos rabo de boi todas as quintas-feiras e recebemos o mais diversificado grupo de pessoas, muitos coreanos, cozinheiros latinos, haitianos”, diz Kirnon. "Isso sempre me deixa louco - é o único prato com o qual todos se identificam."

Alexeis Filipello, Bar Dogwood e Stag's Lunchette

Da velha Oakland, é apenas uma parada de BART para o par de empresas de Uptown da Alexeis Filipello, Bar Dogwood e Stag's Lunchette.

Filipello, que mora em Oakland desde 1999, queria abrir um bar local com serviço completo no início dos anos 2000, mas a cidade não estava distribuindo licenças de álcool na época. Em vez disso, Filipello abriu um bar em San Francisco, onde também tinha participação na venerável House of Shields.

Seu retorno através da baía para abrir o Dogwood, um bar de coquetéis artesanais com pequenos petiscos, ajudou a revitalizar um trecho da Avenida Telégrafo.

As bebidas mudam sazonalmente e o menu limita-se principalmente a queijos e charcutaria.

“Quero que as pessoas venham aqui para comer alguma coisa com álcool, e não se perder no bar”, diz ela.

Enquanto isso, quem procura mais do que um petisco pode ir ao Stag's Lunchette, nas proximidades, onde os devotos locais vão comer sanduíches com defumados e carnes curadas como porchetta, pastrami, bacon e até salsichas de caça selvagem.

Filipello, que passou um ano morando em uma fazenda, se dedica a usar carnes livres de hormônios criadas sem hormônios. A ideia do Stag's surgiu quando Filipello e sua equipe estavam construindo Dogwood e não conseguiram encontrar nada além de "sanduíches de pão branco ou burritos" para o almoço no bairro.

Preeti Mistry, Juhu Beach Club

Temescal está fervilhando de atividades atualmente, e o Juhu Beach Club não é diferente.

O restaurante de inspiração indiana de Preeti Mistry passou de pop-up a permanente em março passado e agora está atraindo elogios por seus pavs exclusivos - sanduíches deslizantes - e Curry Leaf Coriander Shrimp Curry.

Para Mistry, que nasceu em Londres e foi criada nos EUA, esta é a primeira vez que cozinha comida indiana profissionalmente, fora de casa.

“Eu vejo isso de um ângulo diferente. Não estou tentando replicar nada que minha mãe cozinhe, ou qualquer coisa da Índia - estou cozinhando o que parece certo para mim”, diz Mistry.

"Este não é o seu pequeno restaurante indiano", diz Mistry. "Não é a primeira geração que vem aqui apenas para ganhar a vida."

Mistry se mudou de São Francisco para Oakland há dois anos e agora tem uma viagem de bicicleta de quatro minutos para o trabalho.

O que Juhu Beach Club representa é o que Mistry e todas as outras mulheres mencionaram: comunidade.

“Eu brinco que Oakland é uma cidade tão pequena, é ridículo”, diz ela.

"Mas especialmente, Temescal, North Oakland, Rockridge - é como Mayberry, de uma forma incrível. Eu sou uma mulher, lésbica, de cor e é aqui que minha comunidade está."

Os restaurantes (e bar)

Cosecha: 907 Washington St. (na Ninth Street), Oakland: (510) 452-5900. www.cosechacafe.com. Almoço e jantar de segunda a quarta-feira, almoço ou brunch e jantar de quinta a sábado.

Juhu Beach Club: 5179 Telegraph Ave. (próximo à 51st Street), Oakland (510) 652-7350. www.juhubeachclub.com. Almoço e jantar de terça a sábado.

Da Srta. Ollie: 901 Washington St. (na Ninth Street), Oakland (510) 285-6188. www.missolliesoakland.com. Almoço e jantar de terça a sábado.

Almoço de veado: 362 17th St. (perto de Webster Street), Oakland (510) 835-7824. www.stagslunchette.com. Café da manhã e almoço de segunda a sábado.

Bar Dogwood: 1655 Telegraph Ave. (na 17th Street), Oakland (510) 444-6669. www.bardogwood.com. Aberto diariamente.

Coquetel de Almendra

Rende 1 bebida

De Alexeis Filipello, do Bar Dogwood, em Oakland.

  • 2 onças Del Meguey mezcal
  • 3/4 onça orgeat
  • - Suco de limão escasso de 1/2 onça
  • - Suco de limão escassa de 1/2 onça
  • - Roda de cal, para enfeitar

Instruções: Misture todos os ingredientes, exceto a roda de limão, em uma coqueteleira. Adicione gelo e agite bem. Coe em um cupê resfriado e decore com a roda de limão.

Abóbora Butternut Assada com Salsa Cascabel e Queso Fresco

Serve de 4 a 6 porções como acompanhamento

Esta receita é da Dominica Rice, chef-proprietária da Cosecha em Oakland.

  • Salsa Cascabel
  • 2 xícaras de água 3 colheres de sopa de azeite
  • 15 chiles cascabel secos, caules removidos
  • 1/2 cebola amarela média descascada e cortada em fatias finas
  • 4 dentes de alho
  • 1/4 colher de chá de semente de cominho inteiro
  • 5 grãos de pimenta preta
  • 1 folha de louro
  • 1 tomate roma, inteiro com casca
  • 1 colher de chá de sal kosher, a gosto
  • Abóbora
  • 3 libras de abóbora, descascada, semeada e cortada em cubos de 2 polegadas
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 3 dentes de alho, cortados ao meio no sentido do comprimento
  • 1/2 colher de chá de cominho moído torrado
  • - Sal Kosher e pimenta-do-reino moída na hora, a gosto
  • 1/4 a 1/2 xícara de queso fresco mexicano
  • 1/4 xícara de sementes de abóbora, levemente torradas e salgadas
  • - Raminhos de coentro, para enfeitar
  • - Sal marinho, a gosto

Para a salsa: Leve 2 xícaras de água para ferver em uma panela pequena. Aqueça 2 colheres de sopa de azeite em uma frigideira média em fogo médio-baixo. Junte as pimentas (retire algumas sementes para menos calor), a cebola, o alho, o cominho, a pimenta, o louro e o tomate. Cozinhe por cerca de 4 minutos ou até cheirar, mexendo ocasionalmente. Transfira para a panela com água quente e deixe em infusão por 5 minutos. Coe os sólidos em um recipiente do liquidificador e reserve cerca de 1/4 de xícara de água.

Bata os sólidos, adicionando 2-3 colheres de sopa de água, até ficar homogêneo, cerca de 1 1/2 minutos. A salsa deve ser bastante espessa com uma consistência meio solta. Adicione sal a gosto.

Aqueça a 1 colher de sopa de azeite restante em uma frigideira pequena. Adicione o molho e aqueça para desenvolver os sabores. Prove e adicione mais sal conforme necessário. Você terá 1-1 1/2 xícaras de molho, que podem ser guardadas na geladeira por até 1 semana.

Para a abóbora: Pré-aqueça o forno a 350 graus.

Em uma tigela grande, misture a abóbora com o azeite, o alho, o cominho, o sal e a pimenta. Transfira para uma caçarola própria para forno de 1 1/2 a 2 litros ou uma assadeira de 23 cm. Asse, descoberto, cerca de 50 minutos ou até ficar macio.

Quando estiver pronto para servir, cubra a abóbora com colheradas de Salsa Cascabel (cerca de 1/2 xícara no total). Quebre o fresco queso em pedaços grandes e espalhe sobre a abóbora quente. Polvilhe com sementes de abóbora torradas e decore com coentro. Tempere com sal marinho a gosto antes de servir.

Por porção: 198 calorias, 4 g de proteína, 26 g de carboidrato, 11 g de gordura (2 g saturada), 3 mg de colesterol, 120 mg de sódio, 7 g de fibra.

Curry Folha-Coentro Camarão Curry

De Preeti Mistry, do Juhu Beach Club. Este prato pede a mistura básica de especiarias Gujarati conhecida como "dhanna jeeru" - coentro e cominho.

  • 3 colheres de sopa de coentro inteiro
  • 1 colher de sopa de semente de cominho inteiro
  • 4 colheres de sopa de manteiga sem sal
  • 1/2 xícara de folhas frescas de curry embaladas frouxamente (ver nota)
  • 1 colher de chá de gengibre fresco picado
  • 2 xícaras de purê de tomate fresco ou 1 lata de purê de tomate
  • 2 colheres de chá de pimenta-caiena ou pimenta vermelha indiana em pó (que é ainda mais picante), ou a gosto (ver nota)
  • - Sal Kosher a gosto
  • 1 colher de sopa de óleo de farelo de arroz
  • 32 camarões descascados de tamanho médio, de preferência 21-25 camarões por libra
  • 1 xícara de ervilhas, frescas ou congeladas e descongeladas
  • - Arroz basmati cozido no vapor, para servir

Instruções: Moa o coentro e o cominho em um moedor de especiarias ou em um moedor de café pequeno e limpo para fazer o dhanna jeeru.

Derreta a manteiga em uma panela em fogo médio. Adicione as folhas de curry - cuidado, elas vão estourar na manteiga quente - e frite por cerca de 2 minutos. Adicione o gengibre e mexa para evitar que grude. Após alguns minutos, adicione o dhanna jeeru e frite até começar a grudar um pouco no fundo, cerca de 1 minuto. Adicione o purê de tomate e raspe os pedaços grudados na frigideira. Tempere com pimenta em pó e sal a gosto.

Cozinhe pelo menos 10 minutos, retire do fogo. Se feito antes, esfrie e leve à geladeira até a hora de usar.

Aqueça uma frigideira grande antiaderente alta por cerca de 1 minuto. Adicione o óleo e aqueça até que comece a brilhar, cerca de 20 segundos. Tempere o camarão com sal, adicione à frigideira e cozinhe rapidamente para dourar levemente, cerca de 30-60 segundos de cada lado.

Abaixe o fogo para médio-baixo e adicione o molho e as ervilhas. Cozinhe até que os camarões estejam totalmente cozidos, cerca de 4-8 minutos. Sirva com arroz.

Observação: Folhas de curry e pimenta vermelha em pó indiano podem ser encontrados nos mercados indianos.

Por porção: 270 calorias, 15 g de proteína, 19 g de carboidrato, 16 g de gordura (8 g saturada), 104 mg de colesterol, 117 mg de sódio, 5 g de fibra.

Emparelhamento de vinho: Este prato embala uma pancada forte, por isso, prefira uma cerveja lager light.

Rabo de boi estilo caribenho

Serve 6 a 8

Esta receita é de Sarah Kirnon, chef / proprietária do Miss Ollie's em Oakland. Kirnon serve esta receita com arroz e ervilhas, outro prato caribenho. Você pode acompanhar a rabada com rodelas de Satsuma japonesa ou outra batata doce branca que tenha sido fervida e salteada em manteiga salgada, arroz branco também funciona.

  • 5 libras rabo de boi, aparado
  • 1 a 1 1/2 cebolas amarelas grandes picadas
  • 1 cacho de cebolas verdes finamente picadas
  • - Sal Kosher e pimenta preta, a gosto
  • 1 cacho de tomilho
  • 1 colher de sopa de cravo inteiro
  • 5 folhas de louro
  • 3 paus de canela
  • Cassareep de 250 ml (cerca de 1 xícara) (ver nota)
  • 2 scotch bonnet ou 3 chiles habanero
  • 3 pedaços de 2 polegadas de casca de laranja
  • 1/2 colher de chá de noz-moscada moída
  • 1 colher de chá de açúcar mascavo, opcional

Instruções: Coloque a carne e as cebolas em um forno holandês, adicione água para cobrir, tempere com um pouco de sal e pimenta e leve para ferver. Reduza o fogo e cozinhe por 35-45 minutos, removendo a espuma e descartando qualquer espuma que se formar.

Enquanto isso, amarre bem o tomilho, o cravo, as folhas de louro e a canela em um pedaço de pano de algodão e adicione à panela. Adicione a casareep, pimenta, casca de laranja e noz-moscada. Leve para ferver, tampe e cozinhe por cerca de 2 horas ou até que a carne comece a se soltar do osso.

Retire a panela do fogo e deixe esfriar um pouco antes de retirar a rabada deixada de lado.

Retire a gordura, a casca de laranja e a pimenta malagueta. Retorne a panela ao fogão e leve para ferver. Reduza o molho pela metade ou até a intensidade desejada adicione o açúcar, se desejar.

Retorne a rabada para a panela e reaqueça antes de servir em tigelas rasas.

Observação: Cassareep - um xarope espesso e preto da raiz amarga da mandioca - está disponível na Specialty Foods em Oakland e em outras mercearias especializadas.

Por porção: 668 calorias, 70 g de proteína, 30 g de carboidrato, 30 g de gordura (13 g saturada), 249 mg de colesterol, 450 mg de sódio, 1 g de fibra.

Emparelhamento de vinho: Este prato ficaria bem com Zinfandel, que ajudará a refrescar o paladar entre as mordidas.


As 5 melhores escolhas de receitas dos leitores para o dia 12 de fevereiro.

Um antropólogo pode ser movido a avaliar as cinco receitas online mais vistas de fevereiro da seguinte maneira: Os leitores do Washington Post apreciam comida que é boa para eles. Mas isso não afeta sua devoção à torta.

1. Salmão com Crosta de Noz. Uma entrada fácil e saudável para o coração da nutricionista da Bethesda Elaine Gordon. A receita apareceu na seção Vida local do Post.

2. Donuts Assados ​​com Canela. Leve e delicioso, do mais recente livro de receitas de Ina Garten, "À prova de falhas".

3. Crosta de Torta de Creme de Queijo Esfarelado. Está se tornando uma espécie de hábito mensal, esta receita difícil de bater da mestre padeiro e autora de livros de receitas Rose Levy Beranbaum.

4. Muffins de banana e nozes com sementes de chia. A segunda receita de Gordon é com baixo teor de gordura e sem glúten.

Salmão com Crosta de Noz (Deb Lindsey / PARA O POST DE WASHINGTON)

5. Ensopado de Couve e Grão de Bico. Um saudável prato de jantar em minutos que é vegano. Sirva sozinho ou sobre polenta quente.


Food Trends 2013: Bolos Push-Pop e Boozy Bar Food Make List

No final de 2012, aqui estão algumas das deliciosas previsões de comidas e bebidas para o próximo ano, compiladas por Andrew Freeman & Co., uma empresa de consultoria da Califórnia. Dê uma olhada em algumas das tendências novas e contínuas que veremos em 2013.

Da próxima vez que você pedir pipoca, o barman pode verificar se há identificação. Na Perbacco em San Francisco, a pipoca com infusão de Campari foi criada para uma festa patrocinada pela Campari. Na Stinky Cheese Shop no Brooklyn, o Harpersfield Double Soak é um queijo de leite de vaca embebido duas vezes em cervejas locais.

Push-pops não são apenas para sobremesas congeladas. Os recipientes de plástico agora abrigam cupcakes, tornando-os mais fáceis de comer do que nunca. O Go Cakes da cidade de Nova York serve sabores como veludo verde ou confete com opções de cobertura e coberturas.

Torrada não é torrada. Crostini, pedaços de torrada cobertos com qualquer coisa, de queijo a carne, estão aparecendo nos cardápios de todo o país. Os lanches de uma a duas mordidas podem ser doces ou salgados. O restaurante Fig and Olive em West Hollywood, Califórnia, serve uma sobremesa "crostini" feita com cereja Amarena e mascarpone em bolinhos de pistache.

Sem glúten não é apenas uma moda passageira. Em um esforço para acomodar os clientes, os restaurantes estão oferecendo alternativas sem glúten. A rede de hotéis Fairmont oferece o programa Lifestyle Cuisine Plus com cardápios especializados para quem come sem glúten. The White Barn Inn em Kennebunk, Maine, vende produtos assados ​​sem glúten feitos por uma padaria local. Casa Nonna, um restaurante italiano na cidade de Nova York, oferece um menu especial para jantares que inclui penne sem glúten. Os chefs também estão experimentando grãos como búlgaro e quinoa como uma nova atualização para arroz ou macarrão.

Beba seus vegetais. From cocktails to cleanses, it's time to dust off the juicers. Kale, beet or celery juices are appearing in cleanses from Blueprint or in cocktails at the Trencherman in Chicago. Liquiteria in New York City is a popular juice bar with a cult celebrity following.

Take a look at some other upcoming trends you don't want to miss:

From meat to skin: Crispy chicken skin is becoming a main ingredient with menu items like chicken skin tacos or mixed with pasta.

Eating outdoors: Terraces and rooftops are popping up as new spaces for restaurant expansion.

Upscale tacos: Mexican food will merge with fine-dining for an upscale flair.

Vacation inspiration: Chefs are traveling the world and changing their menu based on their experiences.

It's all about the drink: Wine and beer pairings aren't the only thing available. Cocktails are gearing themselves more towards food with cocktail-menu pairing options.

The Latest: Conners falls back at PGA with 3 early bogeys

Corey Conners made one bogey in his opening-round 67 at the PGA Championship. Starting on the back nine of the Ocean Course at Kiawah Island in calm morning conditions, Conners dropped shots on the 10th, 12th and 13th holes to fall back to 3 under. Corey Conners started the second round of the PGA Championship with a bogey and a birdie to maintain his two-shot lead.

Eight Pits Full of Murdered Women Found in Ex Cop’s Backyard in El Salvador

Jose Cabezas via ReutersPolice in El Salvador investigating the double homicide of a mother and daughter have made a gruesome discovery, unearthing a mass grave of mostly women in a former cop’s backyard. Authorities are said to have found the clandestine cemetery this week when investigating former police officer Hugo Ernesto Osorio Chavez, who is suspected of murdering a 57-year-old woman and her 26-year-old daughter, which the former cop reportedly admitted to.Chavez, 51, had a rap sheet that included allegations of sex crimes. Osorio Chavez’s home in Chalchuapa, about 50 miles from San Salvador, was being searched as part of the investigation when police said they found what appeared to be uneven, soft ground. They found eight separate pits with they believe could be more than a dozen bodies in each. Local media say police say sexual violence was involved in the demise of the women. “The central axis of the investigation is sexual violence,” Graciela Sagastume, the prosecutor leading the investigation, told reporters. The former cop and 10 others have been arrested in what police believe was a violent sex and murder ring in which women, and perhaps some young men, were snuffed out. Justice Minister Gustavo Villatoro suggested that the depth and complexity of the secret burial site pointed to the complicity of more than one person. None of the suspects in custody have so far shed light on the matter. By Friday, a number of people with missing relatives gathered at the cop’s home with pictures of loved ones in hopes of identifying a corpse. Many of the grave sites are thought to be at least two or more years old. Osorio Chavez was dismissed from the local police force in 2005 after admitting to being a sexual predator.“He told us that he found victims on social media and sought them out, luring them with the American dream,” Police Chief Mauricio Arriaza Chicas told reporters. “This psychopath has been detained and I believe that 99 percent of the people who assisted him have been detained.” As of Friday, two dozen bodies had been exhumed but police believe there could be 40 or more. Authorities say it could take a month to dig up all the dead. Read more at The Daily Beast.Get our top stories in your inbox every day. Inscreva-se agora! Daily Beast Membership: Beast Inside vai mais fundo nas histórias que são importantes para você. Saber mais.

De AnúnciosColoque uma bolsa no espelho do carro ao viajar

Brilliant Car Cleaning Hacks que os revendedores locais gostariam que você não soubesse

Gohmert admits people think he's 'the dumbest guy in Congress' in speech immediately mocked for its stupidity

Critics on Twitter ask if Texas Republican is ‘the dumbest guy? Or just the most aware dumbest guy?’ after rambling in front of Congress

Two ex-Miami cops aim to overturn their convictions for protecting cocaine shipments

It was such a scandalous corruption case that the mayor of Miami appeared alongside the police chief, the regional head of the FBI and the U.S. attorney for a news conference showcasing the crime.

Drew Barrymore recalled once greeting Hugh Grant by kissing him for 10 minutes straight

Drew Barrymore and Hugh Grant spoke about the incident on Barrymore's chat show, recalling how the producers with them didn't know what to make of it.

10 Things in Politics: Trump's legal jeopardy has GOP worried

And the cease-fire between Israel and Hamas appears to be holding.

Stephen Colbert, Jimmy Fallon joke about Greg Pence's no vote on solving Mike Pence's attempted murder

"Last night the House voted 252-175 to form a commission that would investigate the Jan. 6 Capitol riots," Jimmy Fallon said on Thursday's Tonight Show. "Not only did 175 Republicans vote against the commission, they also want to make Jan. 6 ɻring Your Insane Rioter to Work Day.'" The commission bill "now heads to the Senate, where it needs support of 10 Republicans," he said. "Come on, there's a better chance of 10 dentists supporting Mountain Dew Cake Smash." "Get this, Mike Pence's brother Greg Pence voted no," Fallon laughed. "People said, ɽon't you care that they tried to kill your brother?' And he was like 'No's before bros!' That will make for a fun family barbecue this summer: 'Mother, ask Judas how he wants his meat patty.'" The Late Show suggested this year's Pence Thanksgiving will be awkward, to the tune of Sister Sledge's "We Are Family." Apparently, "Republicans don't want to find out why they were almost murdered because it could hurt them politically," believing "a Jan. 6 probe could undercut their midterm message," Stephen Colbert sighed at The Late Show. Rep. Tim Ryan's (D-Ohio) explained his bafflement at this strategy on the House floor. "Wow, what an impassioned speech," Colbert marveled. "That guy should run for president." (The joke is, he just did.) "The new new thing in Washington now that's dividing Congress is the mask mandate in the House of Representatives — Democrats want it, so Republicans, naturally, don't," Jimmy Kimmel said on Kimmel Live. "It look a while, but we finally found the one thing House Republicans aren't willing to cover up: their faces. And the main reason these masks are still needed, the only reason they need them on the floor of the House, is because less than half of House Republicans are vaccinated." He explained how certain unvaccinated people are total "freeloaders." Jeff Bezos is auctioning off a seat on his Blue Origin space tourism flight, and the current high bid is $2.8 million, Kimmel said. "Who has $2.8 million and might need to get off the planet fast?" Maybe the rich guy in deepening legal peril. Donald Trump will "finally get to meet all the illegal aliens he's been screaming about," he joked. The former president's former lawyer suggested he'll feed his kids to the wolves to save his own skin, Kimmel said. "The saddest part is going to be when Trump forgets to pin a crime on Tiffany." More stories from theweek.comAngelina Jolie stands perfectly still, unshowered, covered in bees for World Bee DaySan Francisco General Hospital has 0 COVID-19 patients for 1st time since March 2020What the left gets wrong about the Israel-Palestine conflict

Boko Haram leader behind kidnapping of 300 girls seriously injured after trying to blow himself up

The notorious leader of Islamist terror group Boko Haram, Abubakar Shekau, has been seriously injured with some reporting he is dead after trying to blow himself up, according to intelligence sources. Shekau, the man behind the Chibok schoolgirl kidnapping in 2014, tried to kill himself to avoid capture when a rival group supported by the Islamic State surrounded him on Wednesday, sources told AFP. In a confidential briefing leaked to Nigerian media and seen by The Daily Telegraph, the country's intelligence services said: "Shekau detonated a bomb and killed himself when he observed that the ISWAP fighters wanted to capture him alive." But an intelligence source told AFP Shekau had managed to escape with some men after the attack. In 2016, men from Boko Haram defected to create a splinter group, known as Islamic State West Africa Province (ISWAP). While Shekau revelled in indiscriminate brutality, ISWAP refused to kill Muslim civilians in a ploy to more successfuly recruit from local communities. Bulama Bukarti, a Boko Haram specialist at the Tony Blair Institute for Global Change, told The Telegraph that if confirmed, Shekau's death would be "a huge milestone, a turning point in Boko Haram's history." "If his death exacerbates the infighting, it means more killings on both sides and that would be positive news for counterterrorism. If his death leads to the reunification of Boko Haram, then it will become a unified force and they will continue to pursue civilian-friendly policy." The brutal leader has been reported dead several times in the past, but each time he has issued statements or videos to rebut the claims. The cleric became the group's leader in 2010 and launched a sadistic campaign of terror across the Lake Chad region into southern Niger, northern Cameroon and Chad. Hamstrung by low morale, a lack of resources and decades of corruption, the Nigerian military struggled to stop Boko Haram's advance. "Shekau defied the Nigerian armed forces for 12 years, if it's true it speaks volumes about how alarmingly powerful ISWAP is," Mr Bukarti added. Despite frequent declarations of victory by the Nigerian government, Boko Haram and their breakaway group, ISWAP, have proved extraordinarily resilient. Reportedly, the jihadists have killed thousands of local soldiers over the last two years. More than 40,000 people have been killed and over two million have fled their homes due to the conflict in northeast Nigeria. Fighting has spread to parts of neighbouring Chad, Cameroon and Niger.

Ethereum co-creator Vitalik Buterin says there's no malevolent intent behind Elon Musk's support for dogecoin

"I think it's reasonable to expect a bit of craziness. But I do think that the markets will learn. Elon is not going to have this influence forever."


Zorba recommends a drastic reduction in salt in your diet, cutting back on the alcohol and making sure to get plenty of exercise even if you're at a healthy weight. He also recommends, especially if you're at risk, to monitor your BP at home with a high quality device.

Finally, if the natural remedies aren't keeping your BP in check, Zorba highly suggests talking to your doc about getting on a BP medicine. Don't wait to get this under control!


Conteúdo

Jinich was born and raised in Mexico City in a Jewish Mexican family, and is the youngest of four sisters. Her grandparents were Jewish refugees from Eastern Europe. Her maternal grandfather, who established a silver business in Mexico, came from Bratislava during World War II. Her grandmother, a seamstress, left her home near Vienna for New York before moving to Mexico. The two had originally met in Europe and then reconnected in Mexico. [15] [16] Her father was an architect and a jeweler who turned restaurateur, and her mother ran an art gallery. [17]

Food was always an important part of Jinich's family life growing up. Her three older sisters pursued the culinary arts early on, but Jinich grew up dreaming of a career in academia. She earned a political science bachelor's degree from the Instituto Tecnológico Autónomo de México and a master's degree in Latin-American studies from Georgetown University, and she worked as a political analyst for the Inter-American Dialogue, a Washington, DC think tank before switching careers. [18]

She met her husband, Daniel Jinich, who is also Jewish-Mexican, on a blind date. [19] They were married in Mexico City in 1996 when she was 24.

Jinich first began researching and cooking Mexican cuisine out of homesickness for her native Mexico City, when she moved to Dallas, Texas, with her husband. [20] Soon, she was teaching Mexican cooking to friends and neighbors. At the same time, as she was writing her bachelor's thesis, she offered to help KERA, the Dallas public TV station, with a documentary on the Mexican Revolution, but they needed help with another project: the PBS series New Tastes from Texas with Chef Stephan Pyles, for which she became a production assistant. [18]

Two years later, she relocated to Washington, DC, with her husband and their first-born son, where she resumed her academic pursuits, earning her master's degree from Georgetown and landing her "dream job" [17] at the Inter-American Dialogue, but she never stopped obsessively thinking about food [18] and enrolled at L'Academie de Cuisine in Maryland. [8]

Jinich envisioned herself writing articles about Mexican cuisine and teaching it in her home kitchen, until she met with the executive director of the Mexican Cultural Institute in Washington, DC, who encouraged her to bring her cooking program to the institute. [17] In 2007, she launched her "Mexican Table" series of live cooking demonstrations along with multi-course tasting dinners, which she still runs today. [8] The classes combine Jinich's skilled Mexican cooking with her knowledge of the country's history and regions. Each one explores a single topic—for example, dishes of the Mexican Revolution, a historical vanilla menu, or convent foods from colonial Mexico. [17]

Around the same time, she started her blog about Mexican cuisine, which was followed by invitations to write about food for print publications and to give talks and cooking demos for radio and TV shows. [21]

Jinich's charisma and intelligence caught the attention of television producers. After exploring different outlets, she decided Washington, DC's WETA-TV was the right home for Mesa Mexicana de Pati because of her commitment to authenticity and the independence the PBS and public-TV platform allows over the content of its shows. [17]

The first season of Pati’s Mexican Table aired in 2011 and included an episode that focused on the Sephardic and Lebanese influences on Mexican cooking. The best-selling cookbook of the same name followed in 2012.

Her book which focuses on easy-to-prepare dishes is based on everyday family meals which she prepares and serves to her husband and three sons.

Em Mesa Mexicana de Pati, Jinich shares authentic Mexican cooking, along with Mexico's rich history and culture, her personal experiences and family life, and her ongoing conversations with cooks on both sides of the border. [22] The series airs nationally in the United States on public television stations (distributed by APT) and on Create TV. [22] It also airs on the Asian Food Channel [23] in Southeast Asia, Food Network [24] in Australia, TLN [25] in Canada, and TABI Channel [26] in Japan.

O Mesa Mexicana de Pati series premiered in 2011. [27] Its ninth consecutive season started on October 3, 2020. [28]

In 2017, Amazon added Mesa Mexicana de Pati to its Amazon Prime Video Internet video on demand service. [29]

Pati's Mexican Table: The Secrets of Real Mexican Home Cooking Editar

Jinich's first cookbook, Pati's Mexican Table: The Secrets of Real Mexican Home Cooking, was published by Houghton Mifflin Harcourt in March 2013. The book is based on the traditional Mexican home cooking with which Jinich grew up, with many recipes gleaned from her childhood in Mexico City. [30] It made Amazon's "Best of the Year in Cookbooks" list of 2013, [31] the Washington Post's "Best Cookbooks of 2013" list, [32] The Splendid Table's "Staff Book Picks of 2013" list, [33] and Serious Eats "Our Favorite Cookbooks of 2013" list. [34]

Mexican Today: New and Rediscovered Recipes for Contemporary Kitchens Editar

Jinich's second cookbook, Mexican Today: New and Rediscovered Recipes for Contemporary Kitchens, was published by Houghton Mifflin Harcourt in April 2016. Jinich explores both traditional and rediscovered Mexican dishes as well as reinterpretations and new takes using Mexican ingredients in this book. NPR's Maria Godoy said, "Mexican Today explores not just traditional fare but [also] the country's evolving cuisine and the many immigrant groups who have influenced it." [35]

Jinich lives in Chevy Chase, Maryland, with her husband Daniel Jinich and their three sons: Alan, Samuel ("Sami"), and Julian ("Juju"). [19]


Colorado-based author Diane Mott Davidson serves “The Whole Enchilada” in her new mystery book

Partners in crime: Diane Mott Davidson and her husband, Jim, prepare enchiladas suizas at their house in Evergreen.

EVERGREEN, CO. - August 09: Chocolate Snowcap Cookies made by Diane Mott Davidson. Evergreen, Colorado. August 09, 2013. (Photo By Hyoung Chang/The Denver Post)

Mystery writer Diane Mott Davidson tests all her recipes in her Evergreen kitchen.

The night before her wedding, author Diane Mott Davidson tried to call things off. “We can’t get married,” she told her husband-to-be, “because I can’t cook.” It is a claim the writer of the 17th in the series of Goldy Schulz culinary mysteries, “The Whole Enchilada,” can no longer make.

The series, about cooking and crime, is set in the fictional town of Aspen Meadow. The locale is strikingly similar to Evergreen, where the author and her husband have lived since 1976.

Readers first met Goldy in “Catering to Nobody,” published in 1990. While escaping an abusive marriage, Goldy founded Goldilocks Catering. When she becomes a suspect in the murder of her former father-in-law, her career as a caterer is nearly ended but that of a sleuth is launched.

Each novel includes 10 recipes, drawn from the dishes Goldy serves over the course of the story.

“The main thing I look for in a recipe is taste, which is different from caterers and restaurants, who first ask ‘How does it look?'” said Davidson in an interview from her Evergreen home. She works with ingredients that, as much as possible, are available at local grocery stores.

“Beginning cooks will find plenty of entry-level recipes in the books. I generally don’t do labor-intensive ultra-gourmet recipes. (These) are a cue to me that the chef has a team of helpers, which someone coming home after a long day of work most definitely does not have,” she said.

Her recipes often are inspired by something she has tried at a restaurant and wants to eat at home. Menu descriptions give her a starting point, arriving at the final recipe is the art.

“Menu writers aren’t always honest,” she said. “I was trying to make a caprese salad from a gourmet restaurant in Denver. I tried with the ingredients they said (using olive oil). I finally dragged a friend along, had her order the caprese and tell me what was in it. Not olive oil, it was basil oil.”

The Macho Salad from the Cherry Creek Grill in Denver is the inspiration for Goldy’s Chef Salad in the current novel. Davidson describes her recipe as “a close approximation.” While recipes for this salad are available online, Davidson has made enough changes for the salad belong to Goldy and to make it approachable to beginners.

Davidson learned to cook from the Sunset magazine cookbooks (she used to call their test kitchens near Stanford when she was a student there), and by watching Julia Child on “The French Chef.”

“Child made everything seem so possible and doable. I got confidence from that,” Davidson said.

She studied “Mastering the Art of French Cooking” and “The French Chef Cookbook,” and said what she most admires “about Julia Child’s recipes is that she succeeds at making French cooking accessible. I hope all my recipes are both accessible and that they taste good.”

She was a fan of Child’s, and Child was a fan of hers. It was “amazingly wonderful for me when Julia Child wrote me a fan letter … several years before her death, thanking me for mentioning her in my books.”

The plots and recipes tend to develop in parallel. She visited a bakery in Charlottesville, Va., and fell in love with their oatmeal cookie. “I asked for the recipe and they said no. So we took some cookies home,” she said. Experimentation led to the recipe that was included in “The Cereal Murders.”

“I have failures,” she admitted. “I had this idea for a blue cheese pizza. It was too blue cheesy (for me) I took it to the neighbors, and they loved it.”

The hardest thing, though, isn’t the recipes that fail. “When I make a recipe for the first time and it’s fabulous, I know I’m in trouble because I don’t know exactly what I did and I can’t replicate it. The recipes in the books have to come out the same the 10th and 20th time, I have to be able to replicate the taste and the texture,” she said.

Next project: A cookbook

Goldy’s life is good (but for the occasional murder Aspen Meadow is no Cabot Cove). All that is missing is a cookbook, and Davidson said one is on its way: “The next contract is a cookbook. You need a critical mass of at least 100 recipes, and we have enough recipes over the course of 17 books. I’ll add some &mdash people are asking for low-carb recipes.”

She’s not sure when the finished product will be published the manuscript is due in February. She’s doing it as a holiday book, written in her voice with anecdotes about her road to becoming a cook and a writer. It will include recipes from Goldy and her assistant, Julian, with maybe one or two from Goldy’s husband, Tom, thrown in.

Robin Vidimos is a freelance writer who lives in Centennial.

On-line: Go behind the scenes at the photo shoot in Diane’s kitchen with food editor Kristen Browning-Blas, blogs.denverpost.com/food

Enchiladas Suizas

These enchiladas appear on the first page of Diane Mott Davidson’s new book, “The Whole Enchilada.” She developed the recipe at her Evergreen home. Makes 12 in a 9-by-13-inch pan.

Ingredientes

CREMA (OPTIONAL)

2 xícaras de creme de leite fresco

¼ cup active-culture buttermilk

ENCHILADAS AND FILLING

2 cups shredded rotisserie chicken, dark and light meat, skin and bones removed

2¼ cups crema (homemade sour cream, also known as crème fraîche, recipe follows) or commercial sour cream

2 cups grated mild or medium cheddar cheese

2 colheres de sopa de alho picado

14½ ounces diced Italian-style (with garlic, basil, and oregano) tomatoes (Check contents of can. You may need more than one can.)

9 ounces (contents of two 4½-ounce cans) chopped fire-roasted mild chiles

Additional crema or sour cream for topping

If you are making the optional crema, pour the cream into a glass container and stir in the buttermilk. Cover the container tightly with plastic wrap and leave at room temperature until thick (usually 24 to 48 hours). Covered crema can be kept in the refrigerator for a week.

ENCHILADAS AND FILLING

When you are ready to make the enchiladas, preheat the oven to 350 degrees. Have ready a large plate and 13 absorbent paper towels. Fold the paper towels into quarters.

Overlap the tortillas in two large (9-by-13 inch or larger) pans so that as much of the surface of the tortillas is showing as possible. Drizzle the olive oil evenly over the tortillas in both pans. (You may have to use your hands or a pastry brush to spread oil evenly over the tortillas.) Place the pans in the oven and allow the tortillas to soften for about 5 minutes. Remove the pans from the oven and check that the tortillas are softened by using tongs to lift up one of them. (You want them soft and pliable. If they are not yet soft, put the pans back in the oven for a couple of minutes. You do not want to cook the tortillas through, which will harden them.) When the tortillas are just cool enough to touch, place one of the folded towels on a plate. Using tongs, place one tortilla on the folded towel. Place another folded towel on top of the tortilla and press lightly to absorb excess oil. Continue with the remaining tortillas. Deixou de lado.

Using a large bowl, make the filling by mixing the chicken, crema or sour cream, cheese and salt until blended. Deixou de lado.

Heat the oil in a large skillet over low heat. Add the onions and cook for a minute, stirring. Add the garlic and stir. Continue to cook and stir over low heat until the onion is translucent (about 10 minutes). Add the tomatoes, chiles and oregano. Simmer this mixture over low heat for 5 to 8 minutes. Remove from heat, allow to cool slightly, and spoon into a 4-cup glass measuring cup. You should have 3 cups of sauce. If you do not have 3 full cups, add the extra tomato sauce to make 3 cups.

Butter a 9-by-3-inch glass pan.

To fill enchiladas, place each tortilla on a flat surface and scoop ¼-cup of filling into the center. Using your fingers or a spoon, shape the filling into a cylinder in the center of the tortilla. Roll up the tortilla and place it, seam side down, in the prepared pan. Continue until all the tortillas are rolled up.

Spoon the sauce over the tortillas and place the pan in the oven to bake until the center of the enchiladas is steaming hot, about 20 to 25 minutes. Serve with sour cream on the side, if desired.

Chocolate Snowcap Cookies

From “The Whole Enchilada” by Diane Mott Davidson. Tested at high altitude and sea level, this recipe works at both, and makes 3½ to 4 dozen cookies.

Ingredientes

4 ounces extra-bittersweet or bittersweet chocolate, broken into pieces (recommended brand: Lindt, be sure you are using a full 4 ounces, as package sizes differ)

½ cup (1 stick) unsalted butter

2 cups dark brown sugar, firmly packed

1/3 cup cocoa (recommended brand: Hershey’s Special Dark)

2 colheres de chá de fermento em pó

2 colheres de chá de extrato de baunilha

1 teaspoon chocolate extract (available at Sur La Table)

1 cup powdered sugar (for rolling)

Place the chocolate pieces and butter in the top of a double boiler and melt over simmering water. When the mixture is just melted, set aside to cool.

In the bowl of an electric mixer, beat the eggs until well combined and light yellow in color. Add the brown sugar and beat until very well combined.

Sift together the flour, cocoa, salt, baking powder, and baking soda.

When the chocolate mixture is no more than lukewarm, stir it into the egg mixture. Using a wooden spoon, gently stir in the extracts and the dry ingredients.

Cover the bowl tightly with plastic wrap and chill overnight. (The batter must be very well chilled.)

When you are ready to bake the cookies, preheat the oven to 350 degrees. Put silicone mats on two cookie sheets.

Place the powdered sugar in a large bowl. Remove the bowl of batter from the refrigerator. Using a 1-tablespoon scoop, measure out a dozen scoops of dough (level the scoops with a knife.) Put the plastic wrap back over the bowl of batter and return to the refrigerator, to keep the rest of the batter well chilled. (As the batter warms up, it becomes too sticky to work with.)

Roll the first dozen scoops into balls, then drop them one at a time into the bowl of sugar, rolling them around until they are white. Place the cookies in even rows on the first cookie sheet, 2 inches apart. Bake for about 8 to 10 minutes, or until the “cracks” in the dough no longer appear wet. Watch carefully, as you do not want the cookies to overbake and dry out.

When the first batch of cookies is done, remove it from the oven and allow the cookies to set up for 5 minutes on the sheet. Use a metal spatula to carefully move the cookies to cooling racks let cool completely. Remove the bowl of dough from the refrigerator and repeat with the other cookie sheet. Repeat this process until all the dough is used up.

These cookies can be messy to serve, because of the powdered sugar. Serve them on plates.