ao.mpmn-digital.com
Novas receitas

Recapitulação: 'Top Chef Masters', temporada 5, episódio 6

Recapitulação: 'Top Chef Masters', temporada 5, episódio 6


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Sete chefs permaneceram no episódio desta semana, o que os forçou a fazer algo que é sempre um pouco complicado: cozinhar para crianças. Mas antes disso, os chefs conheceram a escritora, atriz e "aficionada por comédia romântica" Mindy Kaling, que os desafiou a pegar uma comédia romântica e destilá-la em um prato. O chef que fizesse o melhor prato ganharia US $ 5.000 para a caridade e eles teriam 30 minutos para preparar algo. Aqui está o que eles conseguiram para o Quickfire:

Sue (Knocked Up): Batatas fritas de pimenta de Caiena salgadas e picles com sorvete de baunilha e chocolate amargo
David (Sweet Home Alabama): Grits sulistas com pato frito, tomatillo assado lentamente e fios de chili bravo
Douglas (Meia noite em Paris): Ovos mexidos e caviar com batatas fritas
Neal (Vicky Cristina Barcelona): Robalo mediterrâneo e lagosta com caldo de pimenta e pimenta
Bryan (Pizza Mística): Ostras escalfadas com burrata, presunto, couve, migas e caldo de ostra
Sang (Quando Harry Conheceu Sally): Compota de torta de maçã com tâmaras, crumble de biscoito chinês e sorvete de bourbon de baunilha
Jennifer (feriado Romano): Insalata di frutti di mare, vieiras escalfadas, romanesco e focaccia crostini

Kaling não era fã de Sang (não correspondia às expectativas de torta de maçã à moda) ou de Jennifer, que simplesmente não era tão boa quanto as outras. Ela gostava do robalo de Neal, que era "sexy, forte e picante", os ovos mexidos de Douglas, porque era comida perfeita para um encontro, e ela achava que Sue era quase perfeito também. Douglas acabou ganhando $ 5.000 para sua instituição de caridade, Green Dog Rescue.

Para o Desafio de Eliminação, quando soubemos que o sous chef de David venceu a Batalha dos Sous Chefs, conquistando a imunidade de David. Seguindo em frente, algumas pessoas com fantasias malucas dançaram no set, o elenco de Yo Gabba Gabba. Os chefs foram desafiados a criar um prato nutritivo e delicioso para ser servido a 60 crianças. O vencedor receberia $ 10.000 e, ah, sim, esse desafio era uma eliminação dupla. Mas isso não foi tudo: eles tiveram que escolher alimentos que as crianças não gostam - abacate, queijo cottage, beterraba, couve-flor, berinjela, melão e couve de Bruxelas - que Sue, Jennifer e Neal tiveram que incorporar em seu prato porque seus os sous chefs não se saíram bem na batalha anterior.

As crianças entravam, os chefs os serviam e Sang chamava toda a cena de "Chuck E. Cheese com ácido". Aqui estão os pratos servidos às crianças:

Jennifer: "Sanduíche" de parfait de melão e iogurte com couve de Bruxelas em conserva e hortelã
Cantou: Almôndegas de frango teriyaki com espuma de couve-flor e picles doces
Neal: Macarrão com couve de Bruxelas e espinafre à bolonhesa
Douglas: Gelatina de berinjela com arroz crocante
David: Iogurte de abacate e pudim de chocolate branco com ratatouille de frutas ao gengibre
Processar: Mac e queijo com couve de Bruxelas com cobertura de bordo e bacon
Bryan: Sorvete de beterraba rubi com granola torrada e cúpula de iogurte de baunilha

Douglas, Neal e Sang foram chamados para a sala primeiro, e descobriram que eram eles os que estavam por cima (até mesmo Douglas, que serviu geléia de berinjela). O prato de Douglas tinha um sabor profundo, as almôndegas de Sang estavam ótimas e a espuma da couve-flor era divertida, e a massa de Neal tinha um gosto ótimo e incorporava as couves de Bruxelas de uma forma genial. Neal acabou vencendo o desafio e US $ 10.000 para sua instituição de caridade, Alex's Lemonade Stand.

Jennifer, Sue e Bryan foram chamados de volta, e eles estavam obviamente no fundo do poço (David tinha imunidade, sorte dele). O parfait de Jennifer parecia um sanduíche de sorvete, mas estava muito azedo das couves de Bruxelas em conserva. O macarrão com queijo de Sue tinha um gosto bom, mas o bacon era desnecessário e os brotos eram muito repolhos. O prato de Bryan era o menos favorito de muitas crianças e, embora fosse bonito, tinha o gosto "seco e sujo", de acordo com Gail.

No final, Sue e Jennifer, as únicas duas mulheres restantes da competição, foram eliminadas, porque as crianças não gostavam da comida. Ficou bem claro que esse episódio não deveria ter sido aquele em que dois chefs foram eliminados, e parece que os juízes (produtores?) Tiveram o mesmo pensamento, já que Sue e Jennifer foram convidadas para cozinhar em uma Batalha de Sous Chefs e o vencedor teriam permissão para voltar à competição. Eles se juntaram a seus segundos no comando para o desafio online e cozinharam mais um pouco de comida, mas não saberemos até a próxima semana quem tem permissão para voltar.


Recapitulação: 'Top Chef Masters', temporada 5, episódio 6 - receitas

O jurado convidado desta semana é o ex-competidor do Top Chef Masters Tony Mantuano, do Spiaggia de Chicago. Eu acho que ele simplesmente estava na cidade e desesperado por uma aparição na televisão, porque o episódio não tem nada a ver com comida italiana ou Chicago.

Anyhoo (tie hoo). o Quickfire é um pouco maluco - os chefs devem criar um prato sem usar utensílios normais. Sem facas, sem processadores de alimentos, sem colheres. E esse prato seria. estofamento. Este é o Swanson Broth Quickfire para testar a imaginação e desenvoltura dos competidores. Aquele que se destacar ganhará não apenas imunidade de Eliminação no próximo desafio, mas também $ 20.000. E possivelmente um suprimento vitalício de Caldo Swanson.

Que bom que shizz vem em uma caixa de papelão! Eu adoraria ver os recheftestantes tentando abrir latas sem um abridor de latas. Agora isso requer engenhosidade!

Falando nisso, depois de nos dizer que "um chef não usa ferramentas ees como uma sórgona dooeeng a-feitiçaria nos dedos", Fabio usou a prateleira superior de uma estante de metal para ralar queijo parmesão. Ele acha que agora está em alta.

Enquanto isso, Jamie ainda acha que tudo é engraçado. Eu juro, ela está rindo em quase todas as fotos que Bravo tem dela. O que é tão engraçado?

Tiffani continua sobre como o recheio é tão específico para regiões e até mesmo para famílias. Eu posso atestar isso. Embora eu ache que meu recheio é muito bom (e básico), meu cunhado pode pegar uma receita básica similar e estragá-la completamente adicionando muito caldo (mas provavelmente não Swanson). Tanto líquido que se pode pegar um punhado de recheio e torcer. Sim, está molhado. E não no bom sentido.

Acabou o tempo, acabaram-se os utensílios! Espere. risca isso.

Padma e Tony saem por aí provando a comida e parecem estar satisfeitos com a maioria dos pratos. Carla infelizmente optou por trabalhar com quinua preta, um grão que requer mais de 45 minutos de cozimento. Ela diz aos juízes que fez quinoa "não-feito-tay" quando Mantuano corrige sua pronúncia, "você quer dizer al dente", ela diz "Eu disse" não-feito-tay "e é exatamente o que ela quis dizer. Ela acaba no fundo, assim como Tiffani com seu recheio de bordo muito doce e Casey com seu recheio asiático.

No topo estão Tre e Marcel, e enquanto parece perto, Tre ganha com seu pudim de pão do sudoeste. Sim, eu disse "pudim de pão". Quem diria que era um prato que poderia fazer ou quebrar um chef?

Em seguida, veio o anúncio sobre o Desafio de Eliminação, que envolverá a competição no US Open. Mas, em vez de jogar tênis, os chefs estarão cozinhando. Digo-vos que este foi um dos concursos mais complicados de todo o Top Chef. Primeiro, os recheftestants tiveram que escolher latas de bolas de tênis. Eles foram então instruídos a remover uma bola de sua lata da cor da bola que revelaria o time em que cada um estaria jogando. Eles também estão ficando cansados ​​do bloqueio de faca?

Antes de prosseguirmos, aqui estão as equipes:

Team Orange Balls: Blais, Carla, Fabio, Mike, Dale, Marcel e Antonia
Time Yellow Balls: Spike, Tre, Tiffani, Tiffany, Jamie, Angelo e Casey

Agora, as regras: os recheftestants devem competir mano-a-mano em rodadas, um Orange Teamer contra um Yellow Teamer. O prato vencedor em cada rodada valerá um ponto para aquele time, estilo tênis (15, 30, amor, bobagens como essa). A equipe com mais pontos vence a partida, com todos os membros com mais pontos dessa equipe elegíveis para a vitória. Os membros perdedores da equipe adversária seriam elegíveis para eliminação. Percebido?

Além disso, as equipes precisam levar em conta que vão cozinhar para jogadores de tênis, que seguem uma dieta restrita. E por causa de toda essa coisa cara a cara, há um elemento de estratégia envolvido.

As equipes têm quinze minutos para fazer o planejamento do cardápio e, em seguida, são enviadas para casa, onde trabalham nas estratégias. Spike acha que seu time deveria enviar o prato mais fraco primeiro, porque ele tem certeza que o outro time enviaria o melhor e dessa forma desperdiçaria o prato mais forte. Seus companheiros fingem concordar, mas todos eles estão se certificando de que podem salvar suas próprias bundas.

Carla quer fazer uma sopa de amendoim, mas Dale a rebate dizendo que o público do Aberto dos Estados Unidos é alto. Mas ela sabe que não deve ouvir outra pessoa e se mantém firme.

No dia seguinte, após as compras na Whole Foods, os recheftestantes têm três horas para preparar seus pratos na cozinha do US Open.

Fábio está fazendo nhoque mais uma vez e está agindo de maneira arrogante. É como se ele estivesse canalizando Stefan ou algo assim.

Fabs - você quase não é mais fofo. Pare com isso.

Angelo descobre que seu peixe é viscoso (há uma piada lá em algum lugar) e implora por peixes mais frescos de Tre, que se recusa e o manda para Tiffany, que lhe dá um pouco de seu atum. (E há outra piada aí também.) Tom chega para perguntar sobre estratégia. O Time Orange não fala sobre o assunto, mas Spike revela seu plano para enviar o prato mais fraco enquanto todos os outros em sua equipe reviram os olhos e balançam a cabeça.

Enquanto prepara seu prato, Carla se distrai momentaneamente e corta a ponta do dedo. O sangue segue. O médico faz curativos e sugere uma ida ao hospital, mas Carla é uma jogadora de equipe, não uma. bem, você sabe.

E Spike, tão ocupado conspirando, fode o componente de camarão de seu prato e é forçado a preparar outro lote que ele percebe tarde demais não está devidamente temperado.

Na quadra, as equipes montam mesas em lados opostos para que não possam ver o que seus adversários estão planejando. O prato de grão-de-bico de Jamie está mal cozido, o que, de acordo com o plano de Spike, o torna o prato mais fraco. No entanto, ela se recusa a fazer a placa, então Casey se oferece para ir primeiro contra Fábio. A equipe amarela especula que se Fábio tiver o prato mais forte, então cada O prato do Orange Team deve ser ótimo. (Mostra o que todos pensam da habilidade do Fábio, né?)

Primeira rodada: Fabio x Casey - Fabio ganha um ponto para o Team Orange
Segunda rodada: Dale x Tiffani - Tiffani ganha um ponto para o Time Amarelo
Terceira rodada: Marcel x Angelo - Angelo ganha um ponto para o Time Amarelo
Quarta rodada: Antonia x Tiffany - Antonia ganha um ponto para o Team Orange
Quinto round: Blais vs Spike - Blais ganha um ponto para o Team Orange
Rodada Seis: Carla vs Tre - Carla ganha um ponto para o Team Orange

Isso dá quatro pontos para Orange e dois para Yellow, então os dois últimos competidores, Mike Isabella e Jamie, não precisam competir, para alívio de Jamie.

Durante a competição, Angelo é "útil" para seus companheiros de equipe, sabotando-os. Ele adiciona um pouco de gelee de capim-limão completamente desnecessário ao prato de camarão e sopa de Spike, quando na verdade ele só precisa de mais tempero no camarão. E ele "ajuda" Tre cozinhando demais seu salmão (talvez para retribuir por se recusar a deixá-lo usar um pouco em seu próprio prato).

De volta à Sala do Guisado, ninguém se surpreende ao ver Fábio, Antônia, Blais e Carla chamados primeiro à Mesa dos Juízes, pois foram os vencedores da rodada pelo Time Orange. Gail conta a eles que esses foram alguns dos pratos mais fortes das últimas sete temporadas, estava tudo muito bom. Mas o melhor de tudo era a sopa de amendoim de Carla. Pela vitória, Carla não só consegue se gabar, mas também uma garrafa gigante de vinho e uma viagem à Itália, cortesia da Terlato Wines.

Os quatro últimos então enfrentam os juízes: Spike, Casey, Tiffany e Tre. Tre claramente tem o pior prato da noite com seu salmão cozido demais, mas como ele tem imunidade, ele está seguro. Spike diz aos juízes que Angelo mexeu em sua comida, mas eles não acreditaram. Ele é o responsável por seu prato e, como o camarão estava mal temperado, ele está ganhando.


O Top Chef Recapitulação: alguns bifes cozidos demais

Bom Deus, ainda faltam oito episódios?

Está começando a parecer um pouco & mdash o quê, 480? Os cozinheiros & mdash que sobraram têm muito talento para qualquer coisa além de fazer sanduíches de queijo grelhado. Ainda assim, no final de cada episódio, os juízes solenemente expulsam alguém & mdash e dizem que eles terão a chance de voltar! O que está acontecendo aqui?

Eu, tendo tido um maravilhoso jantar de quatro pratos em casa & mdash fortificado com um gim-tônica e copos de Carmenere chilena, Sonoma Valley pinot noir e Napa Cabernet & mdash, sentei-me para assistir o sexto episódio de Top Chef, rezando para que alguém & mdash alguém & mdash fosse realmente banido do programa. O desafio: cozinhar para 200 pessoas em algo chamado (yeehaw!) O Baile do Barão do Gado, com a presença de ricos Dallasites em chapéus de cowboy em uma sala de banquete que poderia muito bem ser um salão de alimentação do 4-H Club. Está 104 graus lá fora.

Os 16 participantes apresentam uma refeição de quatro pratos que inclui um gaspacho de melancia e tomate, um carpaccio de carne grelhada com salada de tomate, vinagrete e "bacon de cogumelos", um bife que o chef convidado Dean Fearing insiste que deve ser mal passado (embora os moradores de Dallas prefiram seus bifes cozidos em couro de sapato bem passado) e uma sobremesa que aparentemente foi feita em um show anterior.

Heather é tão mandona como sempre, zombando de todos os seus colegas. Suspeito que, se ela for eliminada, haverá aplausos entre os competidores. Chris, de Chicago, agora está usando um coque de cabelo de Samurai, e algo me diz que, apesar de ele não ter mostrado nenhum talento especial até agora, os juízes já decidiram que ele será o vencedor final.

No geral, a refeição oscila para o desastre & mdash um aperitivo mais ou menos, bifes cozidos demais, um gratinado de batatas cruas. Muito se fala entre os concorrentes do fato de que cozinhar para 200 pessoas é, tipo, muito, muito difícil. Talvez devessem passar seis meses com os cozinheiros do banquete em um hotel Hyatt ou Sheraton e aprender a fazer comida para uma multidão.

Este episódio foi o mais enfadonho até agora, e todos os juízes frustrados parecem estar morrendo de vontade de voltar para casa. Padma perdeu muitos traços de seu espírito borbulhante anterior e Tom Colicchio tornou-se colérico, pelo menos para mim. Hugh Acheson está se esforçando para dizer algo, qualquer coisa, que soe vagamente autoritário.

Então, no final, Whitney, ela do gratinado de batata malpassado, foi mandada para casa com suas facas, mas no trailer dos próximos episódios, lá está ela, de volta à cozinha, competindo contra os outros perdedores dos episódios anteriores. Isso nunca vai acabar?


Recapitulação: 'Top Chef Masters', temporada 5, episódio 6 - receitas

No Top Chef DC Domicile, os demais competidores lamentam a perda de Tim, que era a "figura paterna" da casa. Estou pensando que eles não querem dizer de uma forma nojenta e incestuosa como George Michael. E Andrea está em uma "boa posição" porque acabou entre as duas primeiras nas duas últimas eliminatórias.

Vamos para a cozinha sem patrocinador do Top Chef, onde os cheftestants encontram Padma em pé com a já conhecida jurada convidada, a ranzinza que realmente deveria sorrir com mais frequência porque ela é realmente bonita quando ela faz Michelle Bernstein.

Andrea de repente não está mais em um lugar tão bom.

Mas você está bem com a Padma, que não tem restaurante e não tem senso de humor, te julgando?

Padma e Michelle estão de pé ao lado de uma mesa repleta de proteínas exóticas como crocodilo, iaque e os intrigantes "rins brancos de pato". O Quickfire Challenge é fazer algo gostoso com esses estranhos animais.

BANG! BANG! BANG! Devem ser os malucos da PETA que ouço batendo na porta.

Mas você já jogou com eles?

Os chefs desenham facas para determinar a ordem em que selecionam suas proteínas.

Alex, o Pervertido, tira o número 1 e escolhe o produto mais familiar - foie gras.
Alfa escolhe pernas de sapo.
Ed pega javali.
Tiffany pega iaque.
Stephen pega crocodilo.
Inigo escolhe a tigela de rins de pato branco.

Kevin pega avestruz.
Kelly pega cascavel.
Tamesha pega lhama.
Andrea fala línguas de pato.
Amanda fica com a única coisa que resta na mesa: ovos de ema e um martelo para quebrá-los.

São 45 minutos para cozinhar, para que os chefs não percam tempo para começar. Inigo determina que as bolas de pato são fofas, como pães doces, e começa a fazer "marshmallows de testículo", sem dúvida para serem servidos em "marshmallows de pênis".

Cerca de quinze minutos depois, Padma aparece:

Com uma pequena torção, os cheftestants devem mudar de marcha e começar a trabalhar a proteína encontrada na estação à sua esquerda. Então agora Alex, o Pervertido, tem avestruz, Kelly tem ovos de ema, Stephen tem pernas de rã, Kevin tem nozes de pato, Tamesha tem línguas de pato, Andrea tem o javali, Tiffany tem foie, Angelo tem o crocodilo, Ed tem o iaque, Kenny fica com a cobra e Amanda fica com a lhama.

Os cheftestants lutam um pouco com suas novas proteínas, mas fazem o trabalho. Padma e Michelle dão uma volta e provam os pratos.

Michelle diz que o prato de Stephen é insípido, o avestruz de Alex, o Pervertido, está seco e o javali de Andrea precisava ser cozinhado um pouco mais.

Por outro lado, Michelle acha a omelete de Kelly incrível, as línguas de pato de Tamesha são surpreendentes e o sous vide lhama de Amanda é estupendo. Mas não com essas palavras exatas. E o vencedor é.

O vencedor é. Kelly. Ela fez uma omelete humilde com seus ovos de ema usados, mas aparentemente era uma coisa linda. Ela obtém imunidade no próximo desafio.

Para o Desafio de Eliminação. Aparentemente, a Guerra Fria ainda está acontecendo, pelo menos na Top Cheflandia. Padma anuncia que os cheftestants enfrentarão uma Guerra Fria própria ao preparar pratos para serem servidos frios. Como vingança. E, claro, sendo o Top Chef 7, uma temporada cheia de desafios complicados com nomes estúpidos, esse desafio com nome estúpido tem uma convolução. Os chefs vão competir em dois grupos, enquanto um deles cozinha, o outro prova sua comida e vice-versa. Cada grupo de degustação escolherá um chef para vencer e um chef para vencer. Como Kelly tem imunidade, ela está isenta de deveres de cozinha, mas deve provar todos os pratos.

Nesse ínterim, os números no bloco de faca são rapidamente alterados para As e Bs. Os chefs desenham novamente. Grupo A é Ed, Kenny, Kevin, Amanda e Alex. Grupo B é Angelo, Stephen, Tamesha, Tiffany e Andrea.

Os cheftestants, então, dirigem-se aos EUA. Sequoia, um barco aposentado que Padma chama de "equivalente marítimo do Força Aérea Um". Lá eles devem traçar estratégias para o desafio que se aproxima, assim como Kennedy e Nixon criaram estratégias durante a Guerra Fria real. (E se o barco estivesse em operação durante a administração Bush, ele próprio teria feito algumas estratégias, talvez sobre começar uma nova guerra. Oh, espere, ele conseguiu fazer isso sem um barco.)

Os chefs vagueiam ao redor do barco, escutando e conversando uns com os outros e geralmente sendo um pouco paranóicos. Como deveriam ser. Afinal, é a Guerra Fria. Alfa acha que os outros chefs vão descobrir isso automaticamente para ele.

Espere, estamos falando sobre cozinhar aqui, certo? Ou alguma outra coisa?

Inigo, por outro lado, tem sido suspeitosamente útil para os outros chefs, fazendo muitas sugestões para outras pessoas além de sua melhor amiga Tamesha. Presumimos que ele ainda não compartilhou seus caranguejos com ela entrou em suas calças.

De volta à terra firme, os chefs vão para o Whole Foods com 30 minutos e US $ 200.

Depois das compras, eles têm 2 horas para se preparar de volta na cozinha do Top Chef.

Amanda decidiu fazer uma galantina de frango, um prato difícil de fazer bem em duas horas, e previsivelmente está tendo dificuldades técnicas.

Também previsivelmente, ninguém quer ajudá-la. Tamesha realmente quer vê-la morta.

Só porque eles trocaram palavras durante o desafio da merenda escolar. Bem, Amanda não foi muito legal, mas não acho que foi uma ofensa capaz de estrangulá-la.

No dia seguinte, eles dirigem-se ao local e terminam os pratos. Estranhamente, eles vão para um lugar que não tem cozinha, então acabam trabalhando nas mesas de uma grande sala verde. Por que eles não puderam ficar no Hilton é um mistério para mim.

O Grupo A vai primeiro. Como esperado, os chefs do Grupo B que estão provando os pratos parecem desnecessariamente severos em seus julgamentos. Alfa ainda acha que tem uma chance de ser selecionado como perdedor, porque sua competição tem muito medo de sua destreza. Na cozinha.

Apesar das palavras ásperas para a maioria dos pratos, os cheftestants do Grupo B praticamente todos concordam que o riff de Kevin sobre tonnatto de vitela é o melhor prato. E, claro, o Macho Alfa residente de alguma forma fodeu seu prato o suficiente para que eles se sintam justificados em chutá-lo.

Quanto ao Grupo B, embora o prato de Inigo seja indiscutivelmente bom, os cheftestants escolhem o Tiffany's como seu favorito. Tamesha, com o treinamento de Inigo, fez coisas realmente horríveis com vieiras e ruibarbo, seu prato é considerado o menos bem-sucedido.

De volta ao Not-Particularly-Glad-and-Hey-Where's-the-Beer? Stew Room, os cheftestants aguardam o veredicto. Padma entra e chama Kevin e Tiffany para serem julgados. Achei surpreendente para Kevin estar por cima sem Alfa segurando sua mão, então imaginei que Tiffany venceria isso. Mas não - eu estava errado. Kevin é declarado o vencedor e recebe um prêmio de bônus - 6 noites no Havaí, incluindo passagem aérea. Bom.

Alpha e Tamesha foram então chamados. Quando questionado por que achava que estava lá, Alfa disse que estava intimidando os outros chefs e eles queriam que ele fosse embora. Michelle Bernstein disse que, como uma recém-chegada e não fazendo parte do drama da cozinha, ela também não gostou do prato dele. Então aí, senhor eu sou tão gostoso.

Você sabe tão bem quanto eu que Alfa não seria mandado para casa, por mais ruim que seu prato pudesse estar. O de Tamesha foi "chocantemente ruim", mas provavelmente não tão chocante considerando que Inigo provou cada parte dele e disse que estava bom. Sabotar. Provavelmente porque ela não iria dormir com ele.


Recapitulação: 'Top Chef Masters', temporada 5, episódio 6 - receitas

O Quickfire Challenge foi com Martha Stewart como jurada convidada (somente Quickfire). Martha desafiou os chefs a cozinharem de maneira simples, mas não simples demais. O tema era cozinhar em uma panela em 45 minutos. Os chefs prepararam os seguintes pratos:

Jeff - risoto de batata com porco crocante, couve de Bruxelas salteada, verjus
Ariane - purê de couve-flor com filé mignon esfregado com ervas
Stefan - goulash celta de vitela c / batatas e cogumelos chanterelle c / alho, açafrão, ervas frescas
Jaime - ensopado de batata / couve c / vieiras e sálvia frita
Leah - não mostrado
Eugene - ensopado coreano picante com carne de porco, cogumelos, creme azedo de coentro e chips wonton engrossados ​​com amido de milho porque o tempo não é suficiente para redução
Fabio - polenta de cogumelo assada com peito de pato grelhado
Radhika - não mostrado
Carla - peito de peru salgado c / maçã e recheio de cereja seca
Melissa - lombo de porco com repolho refogado, bacon de maçã, laranja, erva-doce
Oséias - peixe, camarão, frango, paella de chouriço

O grupo de perdedores foi Jeff (amido e muito pesado), Fabio (cor polenta acinzentada, cogumelos não aparecendo) e Eugene (amido de milho em excesso).
O grupo vencedor foi Ariane, Oséias, Jaime (cozinha perfeita e vegetais de inverno couve disponíveis apesar das filmagens em agosto). A vencedora foi Ariane, que recebeu como prêmio a "Escola de Culinária Martha Stewart". Ela também obteve imunidade para o desafio de eliminação e teve a oportunidade de conversar como "garotas da camisa" com Martha. Sou compelido a comentar que achei que a comida de Ariane era "muito simples" para ganhar, mas não a estava saboreando. Talvez houvesse uma complexidade que não era visualmente evidente.

O Desafio de Eliminação é uma festa para 250 convidados no Prince George Ballroom da American Foundation for Aids Research (AMFAR). os juízes seriam Michelle Bernstein e a atriz / foodie Natasha Richardson. Padma chamou o Harlem Gospel Choir para cantar sobre o tema da comida para o evento. É a música 12 Dias de Natal e cada um dos 11 chefs sacou uma faca (exceto a # 4 que não foi ao evento porque havia um chef a menos que o número de dias). Os chefs receberam um orçamento de US $ 400 cada no Whole Foods, o que equivale a cerca de US $ 4.000 no total de gastos com alimentação (US $ 16 por hóspede). Os dias sorteados foram:

1 Radhika perdiz em uma pereira coxa de pato grelhado, brioche torrado, chutney de pêra, pistache torrado
2 Pombas Carla Tartaruga Frango Assado com Duxelles, Cobertura de Cogumelos
3 Galinhas francesas Leah galinha-d'angola assada com purê de abóbora sobre massa folhada
4 ninguém chamando pássaros
5 anéis de ouro Eugene Poisson Cru com anel de abacaxi, batata frita Yukon Gold
6 gansos ariane uma postura de ovos devorados de 6 maneiras
7 Jamie Swans Aswimming crudo de vieira em vichyssoise, limão agrumato, alho-poró, microgreens
8 Melissa Maids Amilking gorgonzola e NY strip steak em sourdough crostini com vinagrete de cranberry
9 Fabio Ladies Dancing torta de milho doce e pimenta assada, chipotle, aioli de limão, salada de repolho
10 Jeff Lords Aleaping queijo Halloumi e Kasseri tostado, beterraba assada, peras, hortelã e especiarias
11 Hosea Piper Piping Porco refogado com purê de batata chipotle, suco de conhaque de maçã
12 Stefan Drummers Drumming Torta de frango com ervilhas inglesas, aspargos brancos, tomilho e salsa

As restrições são que eles têm 3 horas para preparar e, em seguida, 1 hora para preparar e embalar na cozinha do Chef superior, seguido por mais uma hora no local. Eles terão de preparar 300 pratos de seus pratos. O que aconteceu durante a noite é que os refrigeradores estavam sobrecarregados e funcionando muito mais alto do que as temperaturas normais. O porco de Oséias e o pato de Radhika foram praticamente destruídos, com Melissa sofrendo alguns danos menores. Todo o grupo de chefs veio em seu socorro na manhã seguinte e os ajudou a refazer os pratos. Você verá quais são os resultados.

Os convidados do evento votaram em seu prato favorito fixando fitas de AIDS em um quadro para cada chef. Alguns os colocaram diretamente em um chef favorito, particularmente Oséias (por sua comida) e Fábio (você sabe por que, com uma enorme multidão predominantemente feminina, pelo menos o que foi mostrado na câmera). Os juízes comeram sequencialmente e caucus após cada prato.

O resultado final foi que Hosea, Jeff, Stefan e Radhika estavam no Grupo de Vencedores. A vitória foi para Oséias, que recebeu uma cópia do livro de Michelle Bernstein. Michelle então reduziu o valor daquele presente ao anunciar que todos os chefs (não está claro se limitado ao grupo de vencedores) também receberiam um. Um comentário que Padma fez e Tom apoiou foi "ela (Ariane) espera ganhar com um ovo apimentado". Acho que Ariane mais uma vez foi simples demais. Observe que dois dos quatro "vencedores" foram os queimados pelo incidente com a geladeira.

O grupo de perdedores foi Jaime, Eugene e Melissa. Jaime foi chamado por não cozinhar as vieiras, o que, se feito, teria melhorado o prato. Eugene tinha uma atitude teimosa de que seu prato era fabuloso, apesar do feedback em contrário. Melissa foi criticada por ter muito queijo no prato.

Tom Colicchio afirmou que estava decepcionado com o nível geral da cozinha o suficiente para falar com os chefs e incentivá-los a elevar o nível de sua culinária no futuro. Ele disse que "não estamos procurando um pequeno canapé, estamos procurando uma comida incrível." Tom anunciou que, no espírito das festas, ninguém será eliminado. Natasha originou esse conceito. Eugene, Melissa e Jaime não tinham se saído tão mal, em minha opinião, em comparação com grupos de perdedores anteriores, então havia uma segunda justificativa para essa decisão.

Eu recebo a última palavra aqui e estou chocado com a licença permitida aos chefs quando você tem o tema "os dias de Natal". Apenas Ariane e Jaime pareciam aderir a qualquer semelhança de seu "dia". Parecia que os chefs usaram isso como uma oportunidade para fazer pratos favoritos que poderiam funcionar naquele ambiente. Eu acho que isso está errado e o julgamento deveria tê-los alertado sobre isso. No mínimo, cada chef deveria ser forçado a declarar como sua comida estava relacionada ao tema (alguns fizeram um esforço patético para isso).

Também direi que minhas previsões de longo prazo não mudaram. Existem 3 grupos agora, os vencedores, como Stefan, Fabio, Hosea e Ariane, o grupo do meio de Radhika, Leah, Jaime (apesar de seus dois últimos episódios difíceis), e Jeff e o prestes a ser eliminado grupo de Eugene e Melissa e Carla.


Você é o único? Recapitulação da 5ª temporada: Episódio 5 e # 8211 Sex, Lies And Truth Booths

Esta semana em Você é o único? 2017, amizades e relacionamentos serão testados! A casa passará por testes de detector de mentiras e as cores verdadeiras serão mostradas. Será que algum dia eles conseguirão uma combinação perfeita ou essa será a primeira casa a perder ?! Vamos entrar nisso, Você é o único? 2017 recapitulação!

Você é o único? 5ª temporada, episódio 5, & # 8220sex, mentiras e cabines da verdade & # 8221 abre com o grupo de ótimo humor após receber quatro feixes na cerimônia de confronto. Shannon e Tyler continuar a buscar relacionamento, acreditando que eles poderiam ser uma dessas vigas. Do outro lado da casa, Taylor e Andre parecem estar apimentando as coisas.

Embora a casa possa estar se sentindo bem, Kam por outro lado, não. Enquanto Alicia e EdwardA conexão de & # 8216 está crescendo, ela só consegue pensar em como ele foi a primeira conexão dela. Esses dois amigos terão que conversar sobre isso eventualmente & # 8230

Enquanto a loucura em torno do Você é o único? A casa de 2017 está acontecendo, Ozzy e Hannah afaste-se para ter uma conversa mais íntima. Depois de falar sobre seus raciocínios e história para fazer este experimento, esses dois parecem ter uma conexão genuína. Eles poderiam ser um dos quatro feixes?

Como todas as coisas boas devem chegar ao fim, aí vem os testes do detector de mentiras # 8230! Os vencedores deste desafio serão os competidores mais verdadeiros. Surpreendentemente, Gianna é questionado sobre Hayden, e sua resposta não é algo que elogie sua auto-estima. Estou supondo que esses dois não eram correspondentes por um motivo & # 8230

Simplesmente assim, outro colega de quarto é atingido com as perguntas difíceis. Depois de Gianna, pergunta-se a Tyler se ele & # 8220 acredita no processo de criação de correspondências. & # 8221 Quando ele responde que sim, os testes do detector de mentiras provam que é mentira! Acontece que um jogador sempre será um jogador.

E os resultados estão em & # 8230 as mulheres são as vencedoras do desafio! Os dois casais que vão sair no encontro incluem Kam & amp Edward, e Kari & amp Mike.

Depois de confessar seus sentimentos para Hayden, Gianna pula para o armário com Michael! Tentando fazer uma nova conexão, Carolina dá a Hayden outra chance, mas é desligado mais uma vez. Se ele soubesse & # 8230!

Durante o encontro de fuga, Kam deixa Edward saber que ela tem certeza de que ele é seu par, e então eles se beijam! Como esperado, esses dois são os vencedores do estande da verdade. E assim, temos a PRIMEIRA combinação perfeita da temporada! Alicia não está feliz com isso, e no meio da noite foge com Edward. Sem o conhecimento dela, Kam acorda e descobre seu par perfeito que está faltando. Na manhã seguinte, ela confronta Alicia sobre a noite anterior, mas não aceita seu pedido de desculpas.

Enquanto a cerimônia de casamento estava em andamento, Kam chama Alicia na frente da casa. Uma vez que Alicia é capaz de falar, ela revela que a conversa dela e de Edward tarde da noite foi mais do que apenas um beijo! Enquanto a discussão continua, Andre tenta ter Alicia e # 8217 de volta, o que causa o caos entre ele e Torre.

Potencial novo Você é o único? Casais de 2017: Ozzy e Hannah, Taylor e André, Tyler e Shannon, Kari e Mike.

  • Week 1: 2 beams
  • Week 2: 0 beams
  • Week 3: 4 beams
  • Week 4: 4 beams
  • Week 5: 4 beams – No improvement is made once again!

Are You The One? Season 5 airs every Wednesday 9/8c! Make sure to check back here every week after the show for your recap! Bookmark us or friend us on o Facebook, Twitter e Google Plus for all our latest updates. Want to see more from Contributing Writer Karly McGuire? Follow along with her over on Instagram!


"It's Hard to Know, but There Could Have Been a Lot of Conspiracy"

This week on Top Chef: The Cold War-themed elimination challenge is just one of many battles for the contestants. Kelly snatches the Quickfire victory, Kevin goes all out with duck testicles and a winning carpaccio, slimy scallops mean packed bags for Tamesha, and as part of this week's twist, the contestants judge each other "solely on the food." As part of our ongoing weekly recaps on Eat Like a Man, Top Chef judge Eric Ripert offers us his wisdom on emu eggs, sabotage, and Tamesha's elimination.

ESQUIRE: Tell us a bit about the Quickfire round and how Kelly won.

ERIC RIPERT: For the Quickfire round they had some weird ingredients, like emu eggs, llama, rattlesnake, crocodile, duck testicles, frog legs, ostrich. And most of them had no idea what to do with it. The twist, where in the middle of their preparation Padma asks them to basically give what they have in their hands to the person on their left, was challenging. So when Kelly ended up with the emu eggs, which are very big and green and strange, I think she was very clever. They had a very short amount of time to create something, and she decided to basically make a great omelet with goat cheese, almonds, and a fennel salad and vinaigrette.

ESQ: Is it hard to make a great omelet?

ER: An omelet is very difficult to make perfect. And she made it very well, and it shows technique, and it shows the fact that she has good taste. So she won because of that.

ESQ: Do you think Kevin won the main challenge solely based on his food?

ER: He did a tuna and veal cut very thin, almost like a carpaccio, with Mediterranean condiments, so he won. The trick was that they had two teams: They worked on two teams, Team A and Team B, and they could judge the other team. So, they could sit down with the other judges. For instance, Padma and Tom and Gail had some of the contestants judging the food of the other contestants, and deciding who would be winning and who would be in the bottom.

ESQ: Sounds like a perfect opportunity for conspiracy.

ER: It's hard to know, but there could have been a lot of conspiracy to get rid of the favorites, which are Kenny and Angelo. So when they were interviewing the contestants, some of them were saying, "No, I'm going to judge solely on the quality of the food." Some of them were wondering if there would be a conspiracy because it would make life simpler for the contestants, and what we saw was that Kenny didn't perform well. He was in the bottom. And Angelo was not on the top either. And then Tamesha got eliminated.

ESQ: Where did Tamesha go wrong?

ER: She did a scallop dish with pickled rhubarb. It looked like she didn't cook the scallops properly and they had a weird consistency, almost slimy. And it looks like the seasoning was not there, and the acidity level of the rhubarb was way too much for the scallops. Everybody seemed to agree that it was a bad dish.

ESQ: Do you think there was any major sabotage going on?

ER: The only thing that was a bit strange was that at one point, Tamesha, during the preparation, showed Angelo what she was doing, and he was telling her that it was good. It could have been a conspiracy I have no idea. But in the previous episode we saw them getting closer, so you would have believed that he would have been sincere. She was very sad to lose.


Who Won Top Chef Masters 2013 Last Night?

For last night’s Top Chef Masters 2013 Season Finale, the three remaining chefs had to make a four course meal based around the concept: something old, something new, something borrowed, and something sous. The first three are pretty self explainable, but the dessert course was a little more complicated. Their sous chefs had their final challenge, determining what their chefs would be making in the finale of Top Chef Masters 2013. On top of all that, Douglas” sous chef had the least favorite dish, leaving him without any help for the seven hours of prep!

After shopping and prepping for seven hours the chefs prepared for their final Top Chef Masters 2013 challenge and judging. Picking which chef made the best dishes was clearly a challenge for the Top Chef Masters 2013 judges. All the chefs dishes were superb so minor mistakes had to be considered.

For judging the only criticism for Douglas was his overcooked duck. Jennifer’s made a gnocchi dish that was one of the judge’s favorite dishes. Jennifer’s one misstep was her overly complex dessert. Bryan’s dishes were almost flawless in the judges eyes. His third course was a little bit of a meat overload.

After discussing the meals, the judges crowned Douglas Keane the winner of Top Chef Masters 2013.


‘Top Chef’ Portland’s Sara Hauman on self-confidence, yogurt and the importance of little fish

The 34-year-old, one of two chefs with local ties featured on the popular reality show’s first Portland season, says that yogurt just happened to be front-and-center in the “Top Chef” fridge whenever she needed dairy, which over the first six episodes was often. And, yes, in her day-to-day life, she does use yogurt as a replacement for sour cream or buttermilk, leaning on the ingredient to add some natural tang to a dish.

“It’s funny,” Hauman says, sitting near a leafy strawberry patch at the display garden at Soter Vineyards, the stunning wine country tasting room near Carlton. “After I came back from filming, I looked at the menu from my sous chef, and for dessert it had ‘yogurt pudding,’ and I was like, ‘How does she conhecer?”

Other than providing montage material, the yogurt obsession hasn’t slowed Hauman down. Over “Top Chef” Portland’s first six episodes, she has notched two Elimination Challenge wins, more than any chef besides Seattle’s Shota Nakajima. (Nakajima and Austin chef Gabe Erales remain her closest friends from the show even sending flowers for her birthday last month). Hauman has managed to establish herself as a front-runner despite a self-deprecating nature played up by the production.

“I was nervous,” Hauman says, speaking through an iris-patterned mask fashioned from an old curtain. “I said crazy things, I kept having these out of body experiences at the judges’ table, where I would be like, ‘Sara, shut up, you never talk this much,’ and words would keep falling out of my mouth. You do weird things in high stress situations.”

Filming wrapped last October. Since then, Hauman has spent her workdays commuting to Soter from her Southeast Portland home, driving down 99W through Newberg, out into open wine country before turning up a steep and winding gravel road and passing a small pond, a field of deep red amaranth off in the distance. From the top of the hill, Soter has some of the most beguiling vistas in Oregon, with handsome tasting rooms looking out over rolling vineyards, open valleys and mist-shrouded hills. (It’s also home to Bill, an orange tabby cat who swishes his crooked tail between our legs throughout the interview.)

By nature, Hauman seems like an open book. Ten minutes after we meet, a question about her pre-Oregon cooking career in San Francisco, where she racked up awards and positive reviews, leads to a frank discussion of her father’s death, and how, at age 26, she suddenly became responsible for his hospice care. At the time, Hauman was nearing the end of a six-month stint cooking in Spain.

“I didn’t really know how sick my dad was until I got a call from his hospice social worker, who said, ‘He has a week to live,’ ” Hauman says. “So I flew back to San Diego, fingers crossed, hoping to make it in time. My parents are divorced, my mom’s in a different state, so I just kind of had to deal with it on my own. I never wish that upon anyone. My dad did not want to be in a hospital. I got off a plane and was given 15 bottles of pills from a nurse who said, ‘See you later.’”

Don't forget the yogurt! Sara Hauman competes on "Top Chef's" first filmed-in-Portland season. David Moir/Bravo

Some of her earliest memories involve traveling with her dad from their home north of San Diego down to Tijuana to bet on horse races or jai alai.

“I grew up at the Del Mar racetrack,” Hauman said. “My dad would let me put bets on, and explain what all the bets were and what they meant. And I’m over here like, “Dad, can I get a $2 quinella box?’”

With both parents working full-time, Hauman, a precocious student and youth soccer player, was often left at home with boxes of cake mix to bake by herself. But it was during a first trip to Spain, in a small village in the hills west of Málaga where her father moved after retiring, when Hauman decided she wanted to make cooking her career.

“It was the idea that eating was an event that got me really excited about food,” Hauman says. “We would go to eat lunch and it would be multiple courses eaten over hours, from 2 to 5 p.m., and then you sleep. And people seemed so happy and healthy, like they really enjoyed life.”

Hauman flirted with “Top Chef” several times over the years. But each time a casting agent reached out, a job offer would come in that she couldn’t refuse. The first call came just before an opportunity to work under Melissa Perello at San Francisco’s Octavia. Then, another inquiry came from the show just after she accepted the job at Arden, a wine bar and restaurant in Portland’s Pearl District. By the time she decided she was ready, she had to wait: “Top Chef” was gearing up to film its “All Star” season, featuring notable former contestants such as Portland’s Gregory Gourdet.

Though Hauman says she’s “never really done a cooking competition before,” her career has set her up well for “Top Chef.” Some of her first cooking jobs were at wellness centers in the San Diego area including The Golden Door, a “swanky hippie spa” best known for its psychedelic-fueled parties in the 1970s and for hosting the likes of Oprah and Barbra Streisand. At another spa nearby, Hauman was tasked with making food without sugar, butter and very little salt, like some kind of health-conscious Quickfire Challenge.

“I can still make you some sugar-free sorbet if you want it,” Hauman says (pass), accompanied by her trademark hair-trigger laugh. “But there was a moment where my sous chef told me if the mashed potatoes taste really good, then you put way too much salt and Earth Balance in there. And I was like, ‘Yeah, I can’t work here anymore.’ How are you going to work in a place where your job is to make food and you’re being told, ‘Don’t make it taste too good?’”

After working with rising-star chef Brandon Jew at San Francisco’s Bar Agricole, Hauman applied for a six-month stage, or unpaid internship, at Etxebarri, the Basque Country grill often ranked among the best restaurants in the world. While in Spain, she learned the art of treating phenomenal ingredients with extreme care, whether oily little anchovies on grilled toast, plump prawns kissed by fire or fresh fish descaled to order.

“I love ‘Top Chef,’ but we weren’t getting that kind of well-sourced food by any means,” Hauman says, contrasting the two experiences. “We were doing the online shopping thing. And that’s hard. To not be able to feel something, smell something, look at something? How are you going to know the quality of that food?”

Two weeks before the end of her stage, Hauman returned to the United States to see to her father’s final arrangements, then moved back to San Francisco, where she was offered a job running a new fine-dining restaurant. At The Huxley, Hauman would earn many of her accolades, including two Rising Star James Beard Award nominations and a strong review from the San Francisco Chronicle. The attention seemed a bit much to Hauman, who largely ran the 27-seat restaurant by herself, including one memorable brunch where she had to cook with the restaurant’s phone in her pocket because she was the only one there to answer it.

Hauman was approached about opening her own restaurant, including at least one with a multimillion-dollar budget, but the idea of starting a business in that city -- any business -- just didn’t seem feasible. And she didn’t want to take investors’ money with the knowledge it would likely never be paid back. At 30, she was starting to realize she preferred working with food to being a restaurateur.

“This is my rationale,” Hauman says. “If your restaurant makes it to five years, because that’s lucky, you will have worked 90 to 100 hours a week to maybe break even. If you’re not in it for the ego or the awards, what is the point?”

Just 30 years old and burned out by the San Francisco bubble, Hauman began hunting for jobs in other cities, including Portland, where a cousin lived, and where she had been impressed by the easy access to nature and the abundant sidewalk gardens.

“I realized I didn’t have any hobbies,” Hauman says. “I just worked. And then on my days off I would eat and sleep and do laundry. I didn’t have a whole lot of friends because I couldn’t keep up the friendships just from working too much.”

"Top Chef" contestant Sara Hauman stands in a field of poppies near the tasting room at Soter Vineyards. Mark Graves/The Oregonian

In 2018, Hauman helped open Arden, a Pearl District wine bar and restaurant that introduced Oregonians to the delicate cooking style she would soon deploy on “Top Chef.” In July, The Oregonian named the restaurant one of the best new restaurants of 2018, praising Hauman’s “creative snacks” including “house-cured anchovies with grilled bread brushed with a whisper of tomato jam.” But her time there was not to last.

“I came up here and very quickly realized that I’m in a different city, but it’s the same restaurant B.S.,” Hauman says. “It’s front of the house and back of the house tensions. It’s the owner seeing things in a different way than the chef. It’s me being pretty transparent about not wanting to be chained to the stove, and wanting to really learn more about the process of running a restaurant, and not getting that.”

In 2019, Hauman learned that Soter was looking for a head chef, and after a few “great conversations,” decided to give it a try. The chic vineyard reminded her of those early health spa days and, she hoped, might offer a break from traditional restaurant stress, and the time to pursue some of those missing hobbies. Lately, that has meant caring for house plants, making fish sauce at home and escaping to the forest with Stella and Rambo, her two chihuahua mixes picked up from the Oregon Humane Society.

At work, Hauman cooks what she wants, typically using ingredients from the vineyard and its farms. She doesn’t worry too much about specific pairings, working under the maxim that “delicious food just goes well with delicious wine.” These days, as Hauman waits for some chickens and two cows from the ranch to be slaughtered this summer, guests are eating lots of seafood, an ingredient Hauman could become better known for than yogurt.

“My job’s easy,” Hauman says. “After people drive out here and come up to the top of the hill, I have to really try to mess something up in order for them to not have a great time.”

Near the end of our interview, as Hauman is showing me around the little outdoor market she set up at Soter during the pandemic, with its nuts and granola and silvery little anchovies swimming in orange oil, a delivery van pulls up, and Hauman signs for a bag of unshucked oysters. That afternoon, she plans to drive to Seattle, where Nakajima recently reopened his Japanese restaurant, Taku. Together, they will watch the most-recent episode of “Top Chef,” then shoot some fundraising videos for The Wave, a nonprofit that works with Indigenous fishers and small boat communities.

In Episode 6, the most recent to air as of this writing, Hauman wins an Elimination Challenge by partnering up with Nakajima to cook a dish with rabbit and smelt, then admits that her “dream of a lifetime” was to own a “boutique cannery.” It’s said with a laugh, but Hauman says she is actually “super serious” about the pursuit. (That fish sauce project starts to sound less like a hobby, and more like recipe testing for a new business.)

For Hauman, who remembers eating canned smoked oysters with cream cheese on bread as a kid, the burgeoning concept is as much about the environment as it is about the food.

“The fact that the coastline is so large, and there are hundreds of rivers in Oregon, and yet it’s still a very meat-centric place, seems so backwards. And when people eat fish, it’s albacore and salmon. At the store, it’s albacore and salmon. If you eat out a lot, you might think black cod is pretty mainstream, but for the average consumer, it’s not. But black cod is incredibly abundant in Oregon waters. Black cod, rockfish, Petrale sole, these are all fishes we should be eating to be a little nicer to our salmon and tuna populations.”

Before joining “Top Chef,” Hauman assumed she wouldn’t make it far, and would end up “going to go back to work and deleting all my social media.” She was raised in a kitchen culture that saw appearing on food shows as “selling out.”

“I still have that feeling,” Hauman says. “I didn’t really go into it thinking that I would make friends, or anything like that. I just did it because my life was boring.”

But lately, she has worked to get over her self doubt and embrace the fun, posting selfies and “Top Chef” stills to an Instagram account that has nearly doubled in followers over the past few months. And she even started filming Instagram Live cooking demonstrations for her new fans.


Pack Your Knives and Go

Karen plating her duck. Photo: courtesy Nicole Weingart/Bravo

The four on the bottom this week didn’t suffer for lack of a good concept, each of their mistakes was technical in nature: Melissa didn’t get her custard to set properly Malarkey’s soup was too cold so the ingredients didn’t steep in the way he wanted them too Gregory’s broth desperately needed salt and Karen’s duck was cut inconsistently on top of the the skin not being crispy enough. Ultimately, those two mistakes were one too many for our powerlifting friend.

It’s déjà vu all over again as Padma tells Karen to pack her knives and go for a second time this season. She’ll head to Cozinha Última Chance once again and Karen leaves this episode saying she’ll keep fighting because “Goonies never say die.” So true, Karen. Also have I told you all about the time I ate next to Josh Brolin in a restaurant in Venice and said “I liked Coisas estranhas more the first time I saw it and it was called The Goonies”? Não? Well, ok, I’ll tell you another time.


Assista o vídeo: MASTERCHEF BRASIL 10082021. PARTE 5. EP 06. TEMP 08