Novas receitas

Ben & Jerry's Settles processo de pornografia

Ben & Jerry's Settles processo de pornografia


Diga adeus a 'Ben & Cherry's' e 'Peanut Butter D-Cups'

Imagine todas as possibilidades com esses títulos.

Oh Caballero Video, você estava definitivamente no caminho certo. O estúdio pornográfico do sul da Califórnia finalmente chegou a um acordo com a Ben & Jerry's para parar de lançar DVDs e outros produtos menores que roubam os sabores, slogans e designs de sorvete da B&J, Relatórios da Reuters.

Os títulos com tema de comida como "Boston Cream Thighs" e "Peanut Butter D-Cups" chegaram ao circuito de notícias no ano passado, quando Ben & Jerry's, voltado para a família, processou a empresa pornográfica por violação de marca registrada.

Naquela época, a empresa de sorvetes era exigente todos os lucros de Caballero com filmes temáticos B & J, que não apenas apresentava títulos semelhantes a nomes de sabores, mas também elementos de design semelhantes na embalagem, incluindo nuvens brancas e vacas pastando, e o slogan "Porno's Finest" (Ben & Jerry's usa "Vermont's Finest").

O estúdio concordou em não lançar nenhum dos DVDs e, embora Ben & Jerry's também tenha exigido todos os filmes entregues "para destruição" e compensação, os detalhes do acordo ainda não foram divulgados.


Edição de Fundação

Ben Cohen e Jerry Greenfield eram amigos de infância de Merrick, Nova York. [3] Embora Greenfield tenha terminado a faculdade, ele se viu incapaz de entrar na faculdade de medicina. Cohen abandonou a escola. [4] Em 1977, Cohen e Greenfield completaram um curso por correspondência sobre fabricação de sorvete na indústria de laticínios da Universidade Estadual da Pensilvânia. Cohen tem anosmia severa, falta de olfato ou paladar e, portanto, confiava na "sensação na boca" e na textura para fornecer variedade em sua dieta. Isso fez com que os pedaços da marca registrada da empresa fossem misturados ao sorvete. [4] Em 5 de maio de 1978, com um investimento de $ 12.000 [4] (equivalente a $ 48.000 em 2020), os dois parceiros de negócios abriram uma sorveteria em um posto de gasolina reformado no centro de Burlington, Vermont. Em 1979, eles comemoraram seu aniversário com a realização do primeiro "dia do cone grátis", agora um evento anual em todas as lojas Ben & amp Jerry's. [4]

Em 1980, eles alugaram um espaço em uma velha usina de bobinas e bobinas na South Champlain Street em Burlington e começaram a embalar seus sorvetes em litros. Em 1981, a primeira franquia Ben & amp Jerry's abriu na Route 7 em Shelburne, Vermont. Em 1983, o sorvete Ben & amp Jerry's foi usado para construir "o maior sundae de sorvete do mundo" em St. Albans, Vermont. O sundae pesava 27,102 libras (12,293 kg). No mesmo ano, as vacas em suas caixas foram redesenhadas pelo artista local Woody Jackson. [5]

Em 1984, Häagen-Dazs queria limitar a distribuição de Ben & amp Jerry's em Boston, levando Ben & amp Jerry's a abrir um processo contra a empresa-mãe, Pillsbury, em seu agora famoso "What's the Doughboy Afraid Of?" campanha. [6] Em 1987, a Häagen-Dazs tentou novamente impor a distribuição exclusiva, e a Ben & amp Jerry's abriu seu segundo processo contra a Pillsbury Company.

Em 1985, a Fundação Ben & amp Jerry's foi estabelecida no final do ano com um presente da Ben & amp Jerry's para financiar projetos voltados para a comunidade e recebeu 7,5% dos lucros anuais antes dos impostos da empresa. Em 1986, a Ben & amp Jerry's lançou seu "Cowmobile", uma casa móvel modificada usada para distribuir colheres gratuitas de sorvete Ben & amp Jerry's em uma "campanha de marketing" única de cross-country - dirigida e servida pelos próprios Ben e Jerry. O "Cowmobile" queimou completamente fora de Cleveland quatro meses depois, mas não houve feridos. Ben disse que parecia "o maior Alasca assado do mundo". [7] Em 1987, como um tributo ao guitarrista Jerry Garcia e fãs do Grateful Dead em todos os lugares, Ben & amp Jerry's apresentou seu primeiro sorvete com o nome de uma lenda do rock e o mais famoso dos sabores sugeridos pelos fãs, "Cherry Garcia". [8] Em 1988, os dois homens ganharam o título de Pessoas de Pequenas Empresas do Ano nos Estados Unidos, concedido pelo presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan. [9] Também naquele ano, os primeiros brownies foram encomendados da Greyston Bakery, o que levou ao desenvolvimento do popular sabor Chocolate Fudge Brownie. [10] Em 1992, Ben & amp Jerry's juntou-se a uma campanha cooperativa com o Fundo Nacional de Defesa das Crianças, sem fins lucrativos, o objetivo da campanha era trazer as necessidades básicas das crianças para o topo da agenda nacional. Mais de 70.000 cartões postais foram enviados ao Congresso sobre crianças e outras questões nacionais. Em 1995, eles contrataram Robert Holland, Jr. como CEO após realizar um "Ei! Sou seu C.E.O." concurso de redação como parte da pesquisa. [11] A Holanda saiu após 20 meses após diferenças filosóficas e foi substituída por Perry Odak em 1997. [12]

Em 1989, a Ben & amp Jerry's revelou sua oposição ao uso de rBGH (hormônio de crescimento bovino recombinante) em todos os seus produtos. Este hormônio geneticamente modificado às vezes é dado a vacas para aumentar a produção de leite, mas a Ben & amp Jerry's não apóia essa prática e é a favor do uso de ingredientes menos intensivos quimicamente para a segurança dos consumidores e do meio ambiente. [13]

Em 1994, Ben e Jerry's: The Inside Scoop, escrito por Fred "Chico" Lager, ex-CEO da Ben & amp Jerry's Ice Cream, foi publicado. O livro acompanha a história de como o sorvete Ben & amp Jerry's começou. O livro se concentra em "Como dois caras reais construíram um negócio com consciência social e senso de humor". [14]

Edição da era Unilever

Em abril de 2000, Ben & amp Jerry's vendeu a empresa para a gigante multinacional anglo-holandesa de alimentos Unilever. [15] A Unilever disse que espera continuar a tradição de se engajar "nessas missões críticas, econômicas e sociais globais". Embora os nomes dos fundadores ainda estejam associados ao produto, eles não ocupam nenhum cargo de conselho ou gestão e não estão envolvidos na gestão diária da empresa. [16]

Em 2001, a Ben & amp Jerry's dos EUA completou a transição para a embalagem "Eco-Pint", que empacotava todos os sabores de cerveja em embalagens ecológicas de papelão não branqueado Eco-Pint, uma decisão que posteriormente foi revertida. O uso de papel cartão brown-kraft não branqueado foi um primeiro passo crítico em direção a um litro totalmente biodegradável feito sem cloro adicionado. Devido ao que eles descreveram como desafios crescentes de suprimento, qualidade e custo, a Ben & amp Jerry's interrompeu o uso do Eco-Pint em 2006, mudando para um recipiente feito de papel cartão branqueado que dizia estar mais disponível. [17]

No Dia da Terra em 2005, quando uma votação no Senado dos EUA propôs a abertura do Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico para a perfuração de petróleo, Ben & amp Jerry's lançou um protesto criando o maior Baked Alaska de todos os tempos, que pesava 900 libras (410 kg), e colocou-o em frente ao edifício do Capitólio dos Estados Unidos. [18] [19]

Em março de 2009, "CyClone Dairy" [20] lançou uma campanha publicitária e um site para promover seus produtos lácteos, que supostamente vieram exclusivamente de vacas clonadas. [21] Em 1 de abril de 2009 (Dia da Mentira), Ben & amp Jerry's anunciaram que estava por trás desta falsa empresa. Ben e Jerry's criaram a brincadeira irônica para aumentar a conscientização sobre a crescente presença de produtos de animais clonados na comida americana [22] e para fazer campanha por um sistema de rastreamento de produtos de animais clonados. [23] A farsa foi revelada no dia da mentira com a mensagem: "Acreditamos que você deve ter o direito de escolher quais alimentos comer - e não comer alimentos clonados se não quiser. E é por isso que Ben & amp Jerry's acredita que precisamos de um sistema nacional de rastreamento de clones, para que as pessoas e as empresas possam saber de onde vêm seus alimentos. " [24]

Em 2010, Jostein Solheim, um executivo da Unilever da Noruega, tornou-se o novo CEO da empresa e disse o seguinte sobre a transição: "Meu mantra que repeti centenas de vezes desde que comecei na Ben & amp Jerry's é: 'Mudar é uma coisa maravilhosa '”, disse ele. "O mundo precisa de mudanças dramáticas para enfrentar os desafios sociais e ambientais que enfrentamos. Negócios orientados por valores podem desempenhar um papel crítico em impulsionar essa mudança positiva. Precisamos liderar pelo exemplo e provar ao mundo que este é o melhor caminho para administrar uma empresa. Historicamente, esta empresa foi e deve continuar a ser uma pioneira em desafiar continuamente como os negócios podem ser uma força para o bem e lidar com as desigualdades inerentes aos negócios globais. " [25]

Em 2013, a Ben & amp Jerry's se comprometeu a tornar seus produtos livres de OGM em apoio à legislação de rotulagem obrigatória de OGM. [26]

Em 2018, Matthew McCarthy, anteriormente executivo da Unilever, substituiu Jostein Solheim e se tornou o novo CEO da empresa. "Estamos muito satisfeitos em receber Matthew, que traz uma riqueza de experiência comercial, juntamente com valores sólidos e uma visão corajosa para o papel que as empresas podem e devem desempenhar no mundo", disse o presidente do conselho de administração de Ben & amp Jerry, Anuradha Mittal . [2]

Ben & amp Jerry's possui instalações de produção nos seguintes locais:

Houve uma pesquisa oficial feita com o público em geral para descobrir o melhor sabor de Ben and Jerry. A massa de biscoito foi a vencedora com 60% e em último lugar o brownie de chocolate com 8,5%. O "Vermonster" é um grande sundae de sorvete servido em um "Balde de Vermonster" nas "lojas de colheres" da Ben & amp Jerry. Seus ingredientes são 20 colheres de sorvete, 4 bananas, 4 conchas de calda quente, 3 biscoitos de chocolate, 1 brownie de calda de chocolate, 10 bolas de nozes, 2 colheres de cada uma das 4 coberturas e chantilly. Ele contém 14.000 calorias (59.000 kJ) e 500 gramas (18 onças) de gordura. Desde 2009, o Vermonster Challenge é um evento anual de caridade realizado pela Ben & amp Jerry's no qual equipes de quatro competem para terminar um Vermonster e ganhar sorvete grátis por um ano.

"Chubby Hubby" consiste em sorvete de malte de baunilha misturado com calda e manteiga de amendoim e contendo nuggets de pretzel cobertos com calda de chocolate e recheados com manteiga de amendoim. Durante o mês de setembro de 2009, Ben e Jerry's, em parceria com a Freedom to Marry, renomearam "Chubby Hubby" para "Hubby Hubby", em celebração à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo no estado natal da empresa, Vermont. A caixa mostrava a imagem de dois homens em smokings se casando sob um arco-íris. [30] [31] [32]

Em 13 de março de 2012, a Ben & amp Jerry's anunciou que mudaria o nome de um de seus sabores de sorvete no Reino Unido em apoio aos direitos iguais de casamento para casais do mesmo sexo. "Oh! Meu! Torta de Maçã!" se tornaria "Apple-y Ever After" e as banheiras mostrariam um casal gay em cima de um bolo de casamento decorado com arco-íris. [33]

"Chocolate Chip Cookie Dough" foi temporariamente renomeado para "I Dough, I Dough" nos Estados Unidos durante o verão de 2015. Isso foi em celebração à decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos em apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. A receita das vendas iria para a Campanha de Direitos Humanos (um grupo de defesa dos direitos LGBT sem fins lucrativos). [34]

Ben Cohen e Jerry Greenfield apareceram em The Colbert Report em 5 de março de 2007, para promover seu novo sabor de sorvete, "Stephen Colbert's AmeriCone Dream", e o grupo de defesa progressiva de Cohen TrueMajority.

A empresa rebatizou um sabor, "Yes Pecan!", Em referência à vitória de Barack Obama nas eleições presidenciais de 2008 nos EUA. Eles decidiram em janeiro de 2009 doar todos os lucros obtidos com a venda daquele sabor para o Fundo de Educação de Causa Comum. [35]

Em 2 de março de 2011, Cohen e Greenfield apareceram em Late Night with Jimmy Fallon e revelou seu novo sabor de sorvete, "Late Night Snack", cuja caixa apresenta uma foto de Jimmy Fallon nela. [36]

Em 24 de fevereiro de 2012, a Ben & amp Jerry's lançou uma nova linha de iogurte congelado grego, que veio em vários sabores: "Moranguinho", "Blueberry Vanilla Graham", "Raspberry Fudge Chunk", "Banana Peanut Butter", [37] e "Vanilla" (loja de colher exclusiva): [38] Em 12 de abril de 2013, "Pineapple Maracujá", "Vanilla Honey Caramel" e "Liz Lemon" foram adicionados à linha de iogurte grego. [39] O sabor de Liz Lemon foi inspirado em um personagem de mesmo nome criado pela atriz Tina Fey como personagem principal do sitcom de televisão da NBC 30 Rock. [40]

Em 17 de fevereiro de 2015, Cohen e Greenfield apareceram em The Tonight Show, estrelado por Jimmy Fallon e revelou seu novo sabor de sorvete, "The Tonight Dough", com toda a sua receita indo para a Rede Infantil SeriousFun que apóia acampamentos para crianças com doenças graves. [41]

Em 2015, o sorvete com sabor Charoset tornou-se amplamente disponível a tempo para o feriado da Páscoa. [42] [43] [44] [45] [46] [47]

Em abril de 2015, a empresa confirmou que estava trabalhando em opções veganas, após ouvir o feedback dos consumidores, liderada por uma petição e uma organização FARM. [48] ​​No início de fevereiro de 2016, a empresa anunciou uma nova linha totalmente vegana com quatro sabores. Dois deles são versões de sabores existentes - "Chunky Monkey" e "Chocolate Fudge Brownie" - e dois são todos novos sabores veganos: "Coffee Caramel Fudge" e "Peanut Butter & amp Cookies". [49]

Em fevereiro de 2017, três novos sabores não lácteos foram adicionados: Caramel Almond Brittle, Cherry Garcia e Coconut Seven Layer Bar. [50]

Em janeiro de 2018, a empresa adicionou dois novos sabores não lácteos à sua linha crescente de opções veganas. Peanut Butter Half Baked apresenta chocolate e manteiga de amendoim com brownies de calda e pedaços de massa de biscoito de manteiga de amendoim, enquanto Cinnamon Buns é feito com sorvete com especiarias de canela e apresenta massa de pão de canela e um redemoinho streusel de canela. [51] A linha de produtos não lácteos Ben and Jerry's também apresenta sabores como PB & amp Cookies, Chocolate Fudge Brownie e Caramel Coffee fudge. Entre seus mais novos sabores não lácteos estão os seguintes: chocolate com caramelo, massa de biscoito com gotas de chocolate e chocolate salgado e rodado. [52] Ben & amp Jerry's também acaba de lançar novos "pedaços de massa de biscoito" que podem ser lanches e têm uma opção vegana para o conhecedor de produtos não lácteos. [53] Eles continuam a receber novas sugestões de sabores não lácteos em seu site. [54]

Em outubro de 2018, Ben and Jerry's lançou uma campanha para um sabor de sorvete de edição limitada que também continha uma mensagem política focada em resistir à atual administração governamental dos EUA sob Trump. A campanha estreou o novo sabor, ‘Pecan Resist’ e incluiu uma nova embalagem que anunciava suas mensagens. A empresa doou US $ 25.000 para quatro organizações que apoiaram seus interesses em relação ao progresso com questões sociais, incluindo inclusão, justiça para pessoas de cor, mulheres, refugiados, a comunidade LGBTQ e questões de mudança climática. [55]

O Dia do Cone Grátis é um evento anual realizado entre o final de março e o início de maio, no qual as lojas Ben & amp Jerry's distribuem copos e cones de sorvete grátis. O Free Cone Day foi realizado pela primeira vez no sábado, 5 de maio de 1979, por Ben e Jerry como um evento de agradecimento ao cliente e à equipe pelo primeiro aniversário da inauguração de sua loja. No entanto, desde 2020 causada pela pandemia COVID-19, que entrou em hiato.

Todos os anos, mais de um milhão de cones são doados, levando ao slogan do anúncio da empresa "Seja um em um milhão". As organizações de caridade estão frequentemente presentes nas lojas todos os anos e desfrutam de uma quantidade significativa de sucesso na arrecadação de fundos. Freqüentemente, as celebridades locais aparecem em várias lojas, promovendo o dia e as instituições de caridade lá. [56] Às vezes, o evento está programado para coincidir com o Dia da Terra e às vezes voluntários estão disponíveis com pranchetas e formulários de registro de eleitor para ajudar aqueles que desejam se registrar para votar (nos países onde isso é necessário).

Edição Comercial

O Center for Science in the Public Interest, um grupo de defesa do consumidor, instou a Ben & amp Jerry's a parar de rotular seu sorvete como "totalmente natural" devido ao uso de xarope de milho, cacau alcalinizado e outros ingredientes quimicamente modificados pela empresa. [57] Em setembro de 2010, a empresa concordou em parar de rotular seus sorvetes e iogurtes congelados como "totalmente naturais". [58]

Em 2011, [59] Ben & amp Jerry's lançou um sabor chamado Schweddy Balls, em homenagem ao Saturday Night Live (SNL) esquete com o mesmo nome. Isso recebeu protestos de One Million Moms, um projeto do grupo conservador cristão American Family Associated, que disse que o nome era muito explícito para as prateleiras dos supermercados. A porta-voz Monica Cole explicou à mídia: "Sei que poderia ser muito pior, mas eles vão piorar progressivamente se não dissermos algo? Talvez eles pensem duas vezes antes de inventar outro nome impróprio para gelo creme." No entanto, a expressão de desdém não foi unânime entre os pais norte-americanos, como disse a mãe Gina Ragusa ao The Huffington Post: "Nós apenas achamos que é engraçado, isso é tudo, e honestamente todos nós realmente queremos experimentar", acrescentando que ela verifica constantemente a disponibilidade do produto em seu supermercado local. [60] Ator Alec Baldwin, que apareceu no SNL esquete como o padeiro Pete Schweddy, apresentou o episódio de 24 de setembro de 2011 da 37ª temporada do programa e respondeu aos protestos afirmando que um novo sabor chamado "Go Fudge Yourself" havia sido produzido para os opositores à homenagem. Após o lançamento inicial do sabor, Baldwin informou à mídia que "graças ao Ben & amp Jerry's, a bondade da receita da família Schweddy não vai comigo para o grande além", já que ele temia anteriormente que sua associação com o SNL episódio permaneceria permanente até sua morte. [61]

Edição Política

Após rumores que sugeriam que a Ben & amp Jerry's apoiava a defesa de Mumia Abu-Jamal - que foi condenado em 1982 por matar o policial da Filadélfia Daniel Faulkner [62] - a empresa confirmou que Cohen assinou uma petição, como cidadão, pedindo que " o sistema de justiça americano seja seguido integralmente no caso ”. [63]

Entre 2005 e 2008, Ben and Jerry's colaboraram com o explorador polar Marc Cornelissen e com o World Wide Fund for Nature (WWF) para administrar o Climate Change College, uma iniciativa para treinar jovens em comunicações e campanhas em torno das mudanças climáticas. [64] [65]

A polêmica surgiu em 2006 depois que a empresa lançou um sabor de sorvete chamado "Black and Tan". Ele deu ao sabor o nome da bebida alcoólica, que é feita pela mistura de cerveja forte com cerveja pálida, mas os "Black and Tans" também são conhecidos como uma força policial paramilitar de veteranos britânicos da Primeira Guerra Mundial recrutados durante a Revolução Irlandesa. Na época em que o sabor foi lançado, o movimento republicano irlandês ainda se sentia ofendido pela associação histórica ao título. [66]

Em 2012, Vermonters for a Just Peace in Palestine / Israel (VTJP) [67] contatou Ben Cohen, Jerry Greenfield e o CEO da Ben & amp Jerry's depois de saber que o sorvete produzido pela franquia Ben & amp Jerry's em Israel [68] estava sendo vendido em assentamentos israelenses na Cisjordânia e Jerusalém Oriental. Panfletagem ocorreu em locais em Vermont, Nova York e Califórnia no 'Free Cone Day' em abril de 2013 [69] e abril de 2014. [70] Em novembro de 2014 [atualização], 232 organizações nos Estados Unidos e em dezessete países em todo o mundo tinham assinou uma carta escrita por VTJP pedindo a Ben & amp Jerry's que encerrasse seus laços comerciais com tais acordos. [71]

No final de abril de 2014, Ben & amp Jerry's assinou contrato com a campanha "Fight for the Reef", uma parceria entre o World Wide Fund for Nature (WWF) -Australia e a Australian Marine Conservation Society (AMCS). O primeiro-ministro Campbell Newman e o senador estadual de Queensland, Matt Canavan, disseram em declarações que a Ben & amp Jerry's estava fazendo declarações enganosas que exageravam o impacto prejudicial que os programas governamentais propostos teriam na Grande Barreira de Corais, [72] e o Ministro do Meio Ambiente, Andrew Powell, disse que " apenas as pessoas que estão dando uma olhada no recife são Ben and Jerry's e Unilever. Se você entende os fatos, gostaria de boicotar Ben and Jerry's ". O gerente da marca australiana Ben & amp Jerry's, Kalli Swaik, respondeu que "a Ben & amp Jerry's acredita que dragagem e despejo em águas de patrimônio mundial ao redor da área do parque marinho serão prejudiciais para a ecologia do recife. Ameaçam a saúde de um dos tesouros mais icônicos da Austrália." [73]

Em fevereiro de 2016, o cofundador da Ben & amp Jerry, Ben Cohen, criou um sabor de sorvete chamado "Bernie's Yearning" em apoio à candidatura do senador dos EUA Bernie Sanders à presidência nas Primárias Democráticas de 2016 contra a secretária de Estado Hillary Clinton. O sabor consistia em sorvete de menta puro coberto por uma sólida camada de chocolate de menta. De acordo com Cohen, "o disco do chocolate representa a grande maioria dos ganhos econômicos que atingiram o 1% superior desde o fim da recessão. Abaixo dele, o resto de nós." [74] Isso foi feito em um esforço para mostrar as atuais questões socioeconômicas dos Estados Unidos.

Em abril de 2016, os co-fundadores de Ben & amp Jerry, Ben Cohen e Jerry Greenfield, foram presos nos protestos do Despertar da Democracia nas etapas do Capitólio dos EUA em Washington, D.C. [75]

Em maio de 2017, Ben and Jerry's anunciaram que não serviriam duas bolas do mesmo sabor de sorvete na Austrália, devido à recusa do governo australiano em legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Eles disseram que isso encorajaria "os fãs a entrarem em contato com seus MPs para lhes dizer que chegou a hora de tornar o casamento igualitário legal!". Essa postura, eles disseram, continuaria pelo tempo que levasse para o casamento do mesmo sexo ser legalizado. [76]

Em junho de 2018, Ben & amp Jerry's anunciou seu apoio ao direito de cerca de 9.000 requerentes de asilo afegãos de permanecer na Suécia, atraindo fortes críticas de alguns [ quem? ] comentadores. [77] [78]

Em 30 de outubro de 2018, eles anunciaram seu novo sabor de lote limitado chamado "Pecan Resist". [79] Foi introduzido como parte da campanha da oposição contra o presidente Donald Trump. Foi anunciado como "uma campanha para acabar com a injustiça e defender aqueles que lutam para criar uma nação mais justa e igualitária para todos nós". [79] [80]

Em agosto de 2019, eles produziram outro sabor de Bernie Sanders chamado "Bernie's Back". [81] Não estava à venda nas lojas, mas foi concedido como um prêmio a 40 vencedores do concurso. Ben Cohen endossou Bernie Sanders para presidente.

Em 2020, a Ben & amp Jerry's anunciou que planeja aderir à campanha "#StopHateForProfit", interrompendo a publicidade paga no Facebook e Instagram nos Estados Unidos. A empresa disse que estava pedindo ao Facebook "que realizasse as ações claras e inequívocas exigidas pela campanha para impedir que sua plataforma seja usada para espalhar e ampliar o racismo e o ódio. " [82]

Em agosto de 2020, o Ben & amp Jerry's atraiu críticas de vários comentaristas britânicos e funcionários do governo por defender a passagem de canais de migrantes da França, que começou depois de um tweet enviado à secretária do Interior, Priti Patel, pedindo seu tratamento como requerentes de asilo. [83] Além disso, a empresa alegou que as pessoas não podem ser ilegais, mesmo quando entram em um país por razões econômicas com as travessias provenientes do país desenvolvido do Primeiro Mundo, a França. Com esses pontos de discórdia sendo expressos por alguns. [84] O ministro James Cleverly também criticou as declarações da empresa como sendo estatisticamente imprecisas e as descreveu como 'um sinal de virtude'. [85] Spiked considerou as declarações hipócritas devido às próprias práticas da empresa em relação aos direitos dos trabalhadores e à remuneração. A publicação também denunciava a contratação de imigrantes ilegais, em que seriam tratados com péssimas condições de trabalho, de 12 a 14 horas diárias e mal remunerado. [86]

Em janeiro de 2021, Ben & amp Jerry's divulgou um tweet pedindo a renúncia, impeachment e invocação da 25ª Emenda contra o presidente dos EUA Donald Trump após a invasão do Capitólio dos Estados Unidos, dizendo “Ontem não foi um protesto - foi um motim para defender a supremacia branca. ” [87]

Edição Social

Em fevereiro de 2012, uma franquia da Ben & amp Jerry's perto da Universidade de Harvard criou uma edição limitada do sabor de iogurte congelado chamado "Taste the Lin-Sanity" em homenagem ao jogador de basquete asiático-americano Jeremy Lin, um ex-aluno de Harvard. No início, o produto continha iogurte congelado de baunilha, redemoinhos de mel de lichia e pedaços de biscoito da sorte, levando a uma controvérsia amplamente divulgada sobre estereótipos raciais devido à associação do ingrediente de biscoito da sorte com a cultura chinesa. O último ingrediente foi mais tarde substituído por biscoitos waffle, [88] quando os biscoitos da sorte ficaram encharcados e a franquia recebeu retornos dos clientes. O gerente geral de Ben & amp Jerry para Boston e Cambridge explicou à mídia: "Obviamente, não queríamos ofender ninguém e a maior parte do feedback sobre isso foi positivo." [89] Ben & amp Jerry's divulgou uma declaração oficial logo após o lançamento do produto se desculpando com aqueles que foram ofendidos. [90]

Em setembro de 2014, ativistas anti-trote levantaram preocupações sobre o sabor do sorvete "Hazed & amp Confused", que havia sido lançado no início daquele ano. A preocupação era que o nome pudesse ser percebido como uma espécie de depreciação dos problemas de trote e bullying. A empresa observou que o nome foi baseado na palavra avelã e um jogo com a frase "atordoado e confuso", que é uma música popularizada por Led Zeppelin e um filme de 1993. [91] A decisão foi tomada em outubro de não renomear o sabor. [92]

As tentativas de trabalhadores migrantes de contatar diretamente os funcionários da empresa Ben & amp Jerry's em Waterbury, Vermont, durante 2018, resultaram em prisões pela Immigration and Customs Enforcement. As fazendas "zero" estão em conformidade com o Código de Conduta do Milk With Dignity, de acordo com Will Lambek da Migrant Justice. [93]

Durante os protestos de 2020 contra o preconceito racial após a morte de George Floyd pela polícia, Ben & amp Jerry's publicou uma declaração encorajando os americanos a "desmantelar a supremacia branca" e enfrentar "os pecados do nosso passado". [94]

Edição de segurança do produto

A Organic Consumers Association anunciou em julho de 2017 que encontrou traços do herbicida glifosato em 10 das 11 amostras de sorvetes da empresa. [95] Os vestígios foram encontrados em níveis abaixo do teto estabelecido pela Agência de Proteção Ambiental para contaminação ambiental.


Chega de 'Peanut Butter D-Cup': o criador de pornôs vai impedir os filmes de spoofing do sorvete Ben & Jerry's

LOS ANGELES, Califórnia & # 8211 Os dias de comprar vídeos pornográficos com nomes baseados nos sabores de sorvete Ben & amp Jerry & # 8217s acabaram.

A Caballero Video concordou em parar de comercializar & # 8220Boston Cream Thigh & # 8221 & # 8221Peanut Butter D-Cup & # 8221 e outros filmes que falsificam os nomes do venerável fabricante de sorvete de Vermont & # 8217s.

O Los Angeles Times (http://lat.ms/16AKzzB) informou na terça-feira que o acordo encerra um processo judicial Ben & amp Jerry & # 8217s movido contra Caballero no ano passado.

De acordo com o processo, 10 títulos das séries Caballero & # 8217s & # 8220Ben & amp Cherry & # 8217s & # 8221 mancharam o nome do fabricante de sorvete & # 8217s e infringiram sua marca registrada.

Não apenas os nomes eram semelhantes aos produtos reais de Ben & amp Jerry & # 8217s, mas a embalagem dos filmes & # 8217 também imitava o logotipo de nuvens e vacas de Ben & amp Jerry & # 8217s.

A empresa de vídeo com sede em Los Angeles concordou anteriormente em retirar os títulos até que o processo fosse resolvido.


‘Faça-me’ um sabor

Eu grito, você grita, todos nós gritamos. . . filmes pornôs?

Ben & amp Jerry's processou uma empresa de cinema com classificação XXX ontem por vender DVDs pesados ​​que falsificam os rótulos e sabores da famosa empresa de sorvetes.

A linha de obscenidades "Ben & amp Cherry’s" da Caballero Video apresenta "títulos e temas que são baseados em e deliberadamente negociados com base em" marcas comerciais de Ben & amp Jerry, acusam os documentos do tribunal.

Os exemplos citados no processo judicial federal de Manhattan incluem os filmes sujos "Boston Cream Thigh", "Chocolate Fudge Babes" e "Peanut Butter D-Cup".

Ben & amp Jerry’s diz que esses títulos são uma cópia deliberada dos sabores "Boston Cream Pie", "Chocolate Fudge Brownie" e "Peanut Butter Cup".

Até mesmo o popularíssimo "Cherry Garcia" da empresa foi renomeado como "Hairy Garcia" devido a uma série de filmes fetichistas com mel peludo.

E um sabor inspirado pelo engraçadinho Stephen Colbert - “AmeriCone Dream” - tornou-se o tema gay “Americone Cream”, com uma capa apresentando uma foto de três homens nus obviamente excitados.

Outros sabores, incluindo “Banana Split”, “Coconut Seven Layer Bar” e “Late Night Snack”, foram transformados em títulos muito sujos para publicação em um jornal familiar.

E enquanto a Ben & amp Jerry’s se autodenomina "Vermont’s Finest", a empresa diz que seu logotipo "famoso e distinto" foi transformado em "Porno’s Finest" nas capas de DVD.

Outros elementos de design supostamente retirados da empresa de sorvete incluem "grandes nuvens brancas e fofas" de seus contêineres, "céu azul claro", "grama verde" e "vaca pastando".

Os documentos do tribunal dizem que uma "comparação lado a lado" facilmente "evidencia a cópia flagrante e ultrajante dos réus e a apropriação indébita da propriedade intelectual de Ben & amp Jerry."

Eles buscam uma ordem judicial ordenando que a Caballero, com sede em North Hollywood, “entregue para destruição” todos os seus DVDs supostamente infratores e materiais promocionais relacionados.

Ben & amp Jerry’s também está exigindo todos os lucros de Caballero com o tráfico de produtos lascivos, juntamente com danos não especificados.

De acordo com Ben & amp Jerry’s, o abuso da Caballero de suas marcas registradas para pornografia "pesada e exploradora" "provavelmente causará confusão nas mentes dos consumidores", que podem erroneamente associar os movimentos da pele com guloseimas saudáveis ​​de Ben & amp Jerry.

Os executivos da Caballero, Daniel Mamane e Tomer Yoffe, que são nomeados como réus no processo, não retornaram uma ligação para comentar.


Ben & Jerry Sue Porn Company sobre a série de vídeos "Ben & Cherry's" XXX

As únicas pessoas que amam trocadilhos horríveis mais do que a mídia são os pornógrafos (ha, sim, hoje em dia PODE ser difícil dizer a diferença). Os produtores de pornografia sabem que a única maneira de persuadir os homens a comprar seus vídeos de sexo é com títulos cativantes como Barbeando os soldados rasos de Ryan e Seios, uma vida maravilhosa. Mas um fornecedor de pornografia da Califórnia pode ter foi muito longe com sua série de vídeos pornôs de "Ben & amp Cherry's". A Caballero Video está sendo processada pela empresa de sorvetes Ben & amp Jerry's de Vermont por "cópia ultrajante e apropriação indébita" de propriedade intelectual.

De acordo com o processo, os nomes proibidos como "Boston Cream Thigh", '' New York Fat & amp Chunky "e" Peanut Butter D-Cup "são referências óbvias aos sabores Ben & amp Jerry's" Boston Cream Pie ", '' New York Super Fudge Chunk "e" Peanut Butter Cup ". Há também um "Americone Cream" - inspirado por Ben & amp Jerry's Stephen Colbert com sabor Americone Dream - prometendo "uma deliciosa mistura de gays americanos gostosos". A embalagem dos vídeos, como você pode ver aqui, também evoca o design das embalagens de sorvete Ben & amp Jerry's.

Os advogados da empresa de sorvetes também argumentam que o slogan "famoso e distinto" de Ben & amp Jerry foi transformado em "O melhor do Porno" e "provavelmente causará confusão nas mentes dos consumidores". Na verdade, não podemos dizer quantos vezes em que tentamos inutilmente cavar nossas colheres em uma cópia de "Chocolate Fudge Babes" ou compramos um litro de Schweddy Balls e colocamos em nossos aparelhos de DVD.

O processo busca danos não especificados e uma ordem judicial exigindo que Caballero “entregue para destruição” todos os seus DVDs supostamente infratores. At press time, it was unclear how this lawsuit will affect Ben & Jerry's hotly anticipated new "Cleveland Steamer" flavor.


Ben & Jerry's sues maker of porn film series 'Ben & Cherry's'

Ben & Jerry's has sued the company behind pornographic movie series "Ben & Cherry's" for infringing the names of its ice cream flavors. The Vermont-based company, a subsidiary of Unilever NV, is suing producers Rodax Distributors and Caballero Video, saying "the sale of hardcore and exploitive pornographic DVDs and related goods is tarnishing Ben & Jerry's Homemade Inc.'s name by creating an association with pornography," the Associated Press reported.

In its lawsuit filed Wednesday in Manhattan federal court, Ben & Jerry's identified some of the XXX-rated video names similar to its own as being:

The New York Post pointed out that even Ben & Jerry's popular "Cherry Garcia" got renamed "Hairy Garcia" for a series of fetish films.

And "AmeriCone Dream" — inspired by satirist Stephen Colbert — "became the gay-themed 'Americone Cream.'"

The DVD jackets also mimic the packaging of Ben & Jerry's ice cream products, Reuters added, citing the lawsuit.

Ben & Jerry's wants to stop Rodax from making or selling movies that infringe its trademarks and is also seeking unspecified monetary damages.

The AP pointed out that Ben & Jerry's had itself used "racy names" for its ice cream flavors including Schweddy Balls and Karamel Sutra.


L.A. porn maker to stop Ben & Jerry’s spoofs

The days of buying pornographic videos with names based on Ben & Jerry's ice cream flavors are over.

Caballero Video has agreed to stop marketing "Boston Cream Thigh," ''Peanut Butter D-Cup" and other films spoofing the names of the venerable Vermont ice cream maker's products.

The Los Angeles Times (http://lat.ms/16AKzzB ) reported Tuesday that the agreement settles a lawsuit Ben & Jerry's brought against Caballero last year.

According to the suit, 10 titles in Caballero's "Ben & Cherry's" series besmirched the ice cream maker's name and infringed its trademark.

Not only were the names similar to real Ben & Jerry's products, but the films' packaging also mimicked Ben & Jerry's clouds-and-cows logo.

The Los Angeles-based video company previously agreed to pull the titles until the suit was resolved.


Porn maker to stop ice cream rip off

A US porn video company has agreed to stop marketing its films using names spoofing gourmet ice cream maker Ben &amp Jerry's flavours.

THE days of buying pornographic videos with names based on Ben &amp Jerry's ice cream flavours are over.

Caballero Video has agreed to stop marketing "Boston Cream Thigh", "Peanut Butter D-Cup" and other films spoofing the names of the venerable Vermont ice cream maker&aposs products.

The Los Angeles Times reports that the agreement settles a lawsuit Ben & Jerry&aposs brought against Caballero last year.

According to the suit, 10 titles in Caballero&aposs "Ben & Cherry&aposs" series besmirched the gourmet ice cream maker&aposs name and infringed its trademark.

Not only were the names similar to real Ben & Jerry&aposs products, but the films&apos packaging also mimicked Ben & Jerry&aposs clouds-and-cows logo.

The Los Angeles-based video company previously agreed to pull the titles until the suit was resolved.


Conteúdo

In September 2012 Vermont-based ice cream maker Ben and Jerry's filed a lawsuit against Caballero for copyright infringement. The lawsuit was filed in US District Court in Manhattan on September 5, and claims that the sale of 10 “exploitative, hardcore pornographic” movies in Caballero's "Ben & Cherry’s" line harms the reputation of Ben & Jerry's Homemade Inc.’s by linking it with pornography.

The lawsuit was settled on July 29, 2013, with Caballero agreeing not to sell products that make reference to Ben & Jerry's products. [11]

Caballero was responsible for many of the classic films of the "Golden Age of Porn". Some of these films are listed below.

Insatiable Edit

Insaciável is a classic pornographic movie released in 1980, at the close of the era of 'porn chic' in the US. It starred Marilyn Chambers and was directed by Stu Segall (credited as "Godfrey Daniels"). It was followed by a sequel, Insatiable II.

Traci, I Love You Edit

Traci eu te amo was Traci Lords' final adult film, in addition to being the only of her films to be made after her 18th birthday. It was produced in Cannes, France, two days after her 18th birthday, making it the only one of her credited titles legally available in the United States, due to child pornography laws. This movie has provided another aspect of controversy to Lords' life. It was the third and final film by her eponymous production company. She subsequently sold her rights to the film.

The following is a selection of some of the major awards Caballero films have won:


How migrant workers took on Ben & Jerry's – and won a historic agreement

O n a windy afternoon in March 2017, protesters singing civil rights songs circled the steps of the Vermont state capitol. It was a classic Vermont rally. There were white-haired activists Protestant, Jewish, Buddhist and Muslim clergy young adults and children carrying signs that said: “We All Belong Here. We Will Defend Each Other.”

At the center was a small group of dairy workers from remote mountain villages in southern Mexico. They sang songs, then chanted: “¡Ni una más! Not one more deportation!”

This was the third demonstration in four days to protest the arrest of three Vermont farmworker-activists - Enrique “Kike” Balcázar, Victoria “Zully” Palacios and Alex Carrillo-Sánchez. Detained by Immigration and Customs Enforcement (Ice), the three faced deportation, swept up in a nationwide crackdown ordered by President Trump.

Even before Trump’s election, farmworker organizers had been targeted and deported for years.

“We are Mexicans and immigration is always chasing us,” said Vermont dairy activist Maribel Lopes. She was arrested by Ice when she left her workplace to buy diapers for her baby.

“If it weren’t for migrant workers, our dairy products and everything else would go up higher to the point where we couldn’t afford it. So I say, let them do what they came here to do, which is to support their families,” Lyle Deida, Carrillo-Sánchez’s father-in-law, told the rally.

Carrillo-Sánchez, Balcázar, and Palacios are all activists with Migrant Justice, an organization that promotes “worker-led social responsibility” on Vermont dairy farms.

Last year, the National Education Association, the country’s largest union, awarded Migrant Justice the César Chávez human and civil rights award. They have won the John Brown Freedom award. Senator Bernie Sanders hailed them as “human rights defenders”. Twenty-four-year-old Balcázar has been described as “the face of undocumented labor in Vermont”.

And that’s the problem – Migrant Justice activists are intentionally visible.

Balcázar moved to Vermont at 16 to find work. He considers it home. Asked by local news media if he feared deportation, he replied:

“I’m not scared at all. We’ve been here as a community fighting for our rights to live free and dignified lives and we aren’t going back in the shadows.”

When Vermont Ice let it be known that they planned to arrest and deport Balcázar, allies offered him sanctuary in their homes. He graciously refused.

Balcázar was tired of hiding. Just 19 when he became active in Migrant Justice, he felt trapped on the farm where he worked 78-hour weeks. The brutal schedule exhausted him. So did the stress of dodging immigration police.

Until 2013, undocumented Vermonters could not get driver’s licenses. Farmers would drive their workers to shop. In rural Vermont, one of the country’s whitest regions, vans of Mexicans were easy pickings for Ice.

Migrant Justice led successful campaigns to ban racial profiling by state police and to enable undocumented Vermonters to get driver’s licenses. But that victory came back to bite them.

Some department of motor vehicles (DMV) employees decided to send Ice copies of license applications “with south-of-the-border names”. Though against state law, the practice continued unrestrained.

“We’re going to have to make you an honorary Ice officer,” an immigration agent wrote to one DMV employee.

The ACLU won a $40,000 settlement and DMV employees were warned by the state to stop the practice. But the case highlighted the impossible situation so many farmworkers find themselves in. Ice has continued targeting Migrant Justice activists.

In the summer of 2017, two were arrested after a 13-mile march from the Vermont state house to Ben & Jerry’s headquarters.

The protest was part of Migrant Justice’s most ambitious campaign, “Milk with Dignity”, which aimed to bring to Vermont’s dairy farms a system of worker-run labor inspections pioneered in 2011 by Florida tomato pickers.

The approach has been incredibly effective. In three years, worker-run inspections dramatically improved labor conditions on Florida tomato farms, which one federal judge had described as “ground zero for modern slavery”.

“I heard about the campaign and I was anxious to bring it here,” Balcázar says.

Florida’s tomato and cane fields had long been infamous for inhumane labor practices. In 2011 a group of indigenous workers from Mexico and Central America, members of an alternative labor union called the Coalition of Immokalee Workers (CIW), decided to apply pressure at the top of the supply chain – on the fast food and retail grocery chains buying tomatoes in bulk.

To do this, they had to win the consumers’ support. The key was making the invisible visible through workers sharing their own stories on cross-country “Truth Tours”.

Field workers called on consumers, students, and clergy nationwide to pressure big tomato buyers to sign on to a Fair Food agreement. The strategy worked, and fast.

In three years, 14 major companies – including McDonald’s, Taco Bell, Burger King, Whole Foods, Trader Joe’s, and Walmart – agreed to pay tomato growers a penny more per pound to increase worker salaries and fund inspections by an independent Fair Food Standards Council.

CIW’s Fair Food program has since resolved hundreds of wage theft, sexual harassment, and verbal abuse cases and, by 2015, raised $14m through “Fair Food premiums”, bringing thousands of field workers above the poverty line. The program has also pioneered effective resistance to slave labor, including training workers to identify and report these abuses.

Balcázar thought the approach was perfect for Vermont dairy farms.

He knew that workers could not squeeze much out of hard-pressed dairy farmers struggling to survive in a time of corporate farming and falling milk prices. Still, migrant workers had leverage because dairy farming is a cold and dirty job that even unemployed Americans are loth to do.

Vermont’s cows must be milked every 12 hours, 365 days a year, or they will die. And unlike other kinds of farms, dairy farmers are prohibited from using legal guest workers because, until now, the H-2A guest worker program has been limited to seasonal farm workers while dairy farmers need help year-round. (A bill to change that was introduced in October and is working its way through the House and Senate.) So undocumented dairy workers and the Vermont dairy industry are inextricably bound together.

In 2014, Balcázar began pressing Vermont’s largest dairy buyers to demand improved labor conditions in their supply chains.

“Ben & Jerry’s is one of the biggest purchasers of milk in Vermont,” Balcázar announced. “They’ve made a powerful brand by advertising that their products are fair trade. Milk with Dignity will make sure that this trade is truly fair.”

Despite its hippie origins, the famous ice-cream company was sold in 2000 to the multinational food conglomerate Unilever. Executives insisted that the company’s corporate responsibility code protected workers well enough. Balcázar disagreed.

Migrant Justice activists protested outside Ben & Jerry’s stores in 16 cities. On International Workers’ Day 2015, speakers at a rally outside Ben & Jerry’s Vermont headquarters described working conditions in the company’s supply chain.

One worker, Víctor Díaz, told of injuries he’d received when glass milk bottles exploded and chlorine (used to disinfect milking rooms) sprayed his eyes. Others spoke of sleep deprivation, because of midnight milking. Twelve-to-14-hour shifts, without a day off, are common. And workers have been housed in barns and unheated trailers through long, frigid Vermont winters.

Dairy work is dangerous and workers in Vermont were angry about risking life and limb. Migrant Justice itself was born of tragedy: in 2009, the 20-year-old Mayan dairy worker José Obeth Santiz-Cruz was strangled to death when his clothing caught in a farm machine.

When the Ben & Jerry’s CEO spoke at Stanford, students chanted: “Hey, Ben & Jerry’s, can I get some Milk with Dignity in my Cherry Garcia?” Photograph: 58shadows/Getty Images/iStockphoto

Many of the workers come from small towns in Chiapas, the southern Mexico region that gave birth to, and has long sustained, the Zapatista rebellion. By 2014, they were ready to rise.

Milk with Dignity was Vermont dairy workers’ bid for a brighter future, and Balcázar thought that Ben & Jerry’s should be more than willing to give it to them.

“Ben & Jerry’s has stood up for cows (no RGBH), for chickens (cage-free agreement with Humane Society), and for international farmers (fair trade),” Balcázar argued. “They’ve pledged support for climate justice, for Occupy Wall Street … So, after four years of us educating them about farmworker human rights abuses in its supply chain, it’s time Ben & Jerry’s stands up for the rights of the same farmworkers who put the cream in ice cream.”

In June 2015, Ben & Jerry’s agreed to adopt Migrant Justice’s Milk with Dignity program. But then the foot-dragging began.

Migrant Justice activists went on tour again, partnering with student groups to protest at ice cream shops and college campuses. CIW workers came to Vermont to strategize.

When the Ben & Jerry’s CEO, Jostein Solheim, spoke at Stanford, students chanted: “Hey, Ben & Jerry’s, can I get some Milk with Dignity in my Cherry Garcia?”

Solheim was conciliatory. He agreed that worker-led safety codes were the best way to improve labor conditions. He patted his pocket and swore that he had a Milk with Dignity contract that “I hope I’m going to sign next week”. More than two years later, he had not signed.

On 17 June 2017, activists marched 13 miles from the Vermont state house to Ben & Jerry’s headquarters, where Solheim announced that he was “ready to go”.

Ten days later, Presbyterian congregations across the US sent a joint letter urging him to “not delay any longer . and sign in fact what you have already agreed to in principle”. Methodists sent one too, urged him to “continue Ben & Jerry’s legacy of justice-seeking … and fulfill your promise to workers, farmers, and consumers”. And Will Allen, Vermont organic pioneer, led organic farmers in challenging Ben & Jerry’s, along with Cabot Creamery, owned by Agri-Mark, to stop running “sweatshop dairies” that abuse farmworkers, exhaust cows and bankrupt small farmers.

On 27 March 2017, hundreds circled in a chill rain near the JFK Federal Building in Boston, where deportation hearings were under way for Balcázar, Palacios, and Carrillo-Sánchez.

The crowd included activists from Cosecha (Harvest) – a nationwide movement led by and for undocumented workers. Migrant Justice came with 10,000 signatures calling on the judge to free “the Vermont Three”.

Fifty activists went into the courtroom to let the detainees know that “they are not alone. Estamos en la lucha. We are fighting.”


Assista o vídeo: How Ben u0026 Jerrys Makes Nearly One Million Pints A Day. Big Business