ao.mpmn-digital.com
Novas receitas

Livros para cozinheiros: manhãs de grãos inteiros

Livros para cozinheiros: manhãs de grãos inteiros



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Cada produto que apresentamos foi selecionado e revisado de forma independente por nossa equipe editorial. Se você fizer uma compra usando os links incluídos, podemos ganhar comissão.

Comer de forma saudável ainda deve ser delicioso.

Assine nosso boletim diário para mais artigos excelentes e receitas saborosas e saudáveis.

Sua refeição matinal é uma oportunidade para suprir a maioria das necessidades de grãos integrais do dia. Abordamos isso em nossa edição de janeiro com 10 deliciosas receitas de café da manhã de grãos inteiros, e Gordon dá muitas outras idéias deliciosas em seu livro. Provamos várias receitas e ficamos maravilhados com sua inventividade. Barras de Quinoa com Cereja e Avelã e Bolos Farro de Abobrinha foram verdadeiros destaques; nosso pessoal fez cópias das receitas na hora.Foto: Randy Mayor


Manhãs de grãos inteiros

Estou muito animado para contar a vocês sobre este novo livro que ganhei: Manhãs de grãos inteiros por Megan Gordon. Sandra comprou para mim algumas semanas atrás, porque ela é incrível e sabe que estou sempre à procura de cafés da manhã nutritivos. Este teve muitas críticas boas online, e ela achou que eu iria gostar. Bem, ela estava errada - EU AMO ISSO!

Manhãs de grãos inteiros

Na verdade, ela comprou alguns outros livros de receitas para mim ao mesmo tempo - todos focados em grãos inteiros e outros alimentos saudáveis ​​- mas eu tenho sido tão obcecado por Manhãs de grãos inteiros que esses livros mal deram uma olhada ainda. Opa. Eu não fiquei tão animado com um novo livro de receitas desde Fuchsia Dunlop's Cada grão de arroz, e antes disso, Nigella's Cozinha. E se você me conhece, sabe que isso significa que avalio este livro muito, muito bem.

O que mais gosto em Whole-Grain Mornings é a abordagem descontraída de Megan - embora o livro seja focado em grãos inteiros, não é um livro de "saúde" como tal e ingredientes como xarope de bordo, manteiga, leite integral, creme e bacon aparecem por toda parte. Refrescantemente, ela não é prescritiva ou crítica sobre os alimentos que você "deveria" comer. Ela escreve que pessoalmente não tem medo de gordura, mas opta por limitar sua ingestão de açúcar porque isso funciona para ela, e então observa: "Somos todos diferentes. Graças a Deus". Amo essa atitude! E, embora ela observe quais grãos e farinhas são sem glúten, "caso isso seja um problema de saúde para você", não há nenhuma besteira sobre o glúten ser mau ou geralmente "inchado" ou difícil de digerir. Yay.

O livro também é muito bem organizado - capítulos sazonais, cada um dividido em "Dias de semana agitados", "Domingos lentos", "Brunch" e "Spreads e coberturas" um capítulo "Noções básicas" e uma introdução abrangente que inclui um gráfico útil para cozinhar grãos diferentes. Eu não sei sobre você, mas eu realmente não gosto de livros de receitas arranjados ao acaso, e agradeço quando um livro é organizado cuidadosamente.

Antes de obter este livro, eu não tinha ideia de quem era Megan Gordon, mas agora sei que ela é a fundadora da Marge Granola, de Seattle, que acredito ser muito popular por lá, e escreve um ótimo blog chamado: A Sweet Spoonful!

Nas duas semanas que adquiri o livro, já fiz onze receitas, com muitas mais na minha lista de "afazeres". Eu queria postar no blog o tempo todo, mas ficava pensando: "Ooh - só tenho que fazer essa receita, ou aquela receita antes de fazer". E então eu percebi, se eu continuasse fazendo isso, eu teria feito tudo no livro antes mesmo de blogar sobre isso! Aqui vamos nos.

De O básico capítulo. Já fiz este algumas vezes. É igual ao mingau, mas a diferença está na técnica de cozimento. Em primeiro lugar, Megan o instrui a torrar os flocos de aveia em um pouco de manteiga (ZOMG), depois despejá-los em água e leite recém-fervidos, desligar o fogo e colocar a tampa. Sete minutos depois, você tem uma tigela de mingau de aveia pronto para comer! Costumava achar difícil cozinhar mingau antes do trabalho, mas essa receita se encaixa perfeitamente na minha rotina matinal - leva apenas alguns minutos para prepará-la, então posso me vestir e fazer minha maquiagem enquanto a aveia está macerada.

Eu também acho que tem um gosto fantástico - a torrada realmente faz a diferença. (E acho que você poderia deixar a manteiga de fora se quisesse, mas ainda assim obteria um sabor agradável torrando a aveia em uma frigideira seca). Como você não "cozinha" a aveia, ela não fica mole e pegajosa, mas permanece firme e boa.

"O Melhor Farinha de Aveia" com açúcar muscovado light e manteiga

Gosto deles com um pouco de açúcar mascavo (coco ou muscovado light), às vezes um toque de creme ou manteiga (decadente!), Ou frutas frescas. Também coloquei uma colher de groselha antes da maceração, e essa é uma ótima maneira de adicionar doçura.

"The Very Best Oatmeal" com mirtilos e framboesas

Esta receita é uma saborosa e nutritiva mistura de cevada cozida (usei freekeh), com couve, queijo branco (usei cabra), nozes e um abacate fatiado, com molho de iogurte com limão. (O molho é uma receita separada, então estou incluindo-o na minha contagem de "onze" receitas!)

Este é um creme-bolo de fubá mal adoçado. Eu servi como sobremesa uma noite, e as sobras fizeram um café da manhã fabuloso. Não temos mirtilos aqui, então substituí mirtilos e framboesas. (Na verdade, o único outro lugar em que já ouvi falar de mirtilos foi em Os Simpsons - não posso ser o único, posso?)

Nelson Muntz: [conversando com um grupo de crianças] O problema com os mirtilos é que, depois de comê-los frescos, você nunca mais vai voltar para os enlatados.
[Skinner passa]
Nelson Muntz: Uh, hum. uh, então de qualquer maneira, eu chutei a bunda do cara!
[Skinner acena com a cabeça e vai embora]
Nelson Muntz: Agora, se as bagas estiverem muito azedas, eu apenas polvilhe-as com açúcar de confeiteiro. (Fonte).


Na cozinha:

Saí do útero amando a comida. Minha mãe disse que eu tinha quatro anos, sentado à mesa do café da manhã, e ela disse que eu perguntaria o que comeríamos no almoço e no jantar enquanto tomávamos o café da manhã. E ela sempre me disse: & # 8220Melissa, coma para viver, não viva para comer. & # 8221 E eu ainda vivo para comer e como para viver. Eu amo comida.

Então, tudo começou com um amor por comida e conforme eu crescia, provavelmente ainda como uma garotinha eu iria até a casa do meu vizinho e faria biscoitos. Eu até adorava cozinhar quando era jovem e depois no colégio, assim que eu pudesse limpar minha própria bagunça, minha mãe diria o contrário, mas comecei a cozinhar na cozinha e a experimentar todos os tipos de coisas malucas . As pessoas foram tão legais em experimentar minhas coisas. E isso continuou.

Uma vez que fomos para Chicago e eu estava sozinho, casado, três refeições por dia, eu precisava me preparar de alguma forma e gostava de saber como fazer as coisas. Eu gostava de conhecer a ciência por trás das coisas, gostava de saber como as coisas funcionam e acho que isso é o que alimenta a cozinha: como isso funciona? Como o bicarbonato de sódio funciona com o líquido no forno, em que temperatura?

Na faculdade, acho que provavelmente era o único a fazer isso, assistia Martha Stewart nos fins de semana, era muito legal. E então isso aumentou o interesse, e ela falou muito sobre as teorias por trás das coisas, então aprendi o suficiente para ser capaz de falar sobre isso. E então um Natal que eu pedi, acho que era o Livro de Receitas do Cozimento de Grãos Inteiros do Rei Arthur, era um livro de receitas enorme e grosso. Eu acho que era um rosa pálido. Eu li aquilo de capa a capa. Aprendi sobre o trigo, o germe, o endosperma e tudo mais. Aprendi como o trigo é amargo e como cortar o amargor.

Eu gostava tanto de comida que tinha que me cuidar, então quando assava eu ​​tentei usar farinha de trigo e depois tentei tornar as coisas mais leves por um longo tempo. Ainda uso muita farinha de trigo agora. Mas eu acho que eu atribuiria muito desse conhecimento à Bíblia do King Arthur Whole Grain Baking. É robusto, tem espessura.

Eu não leio isso há muito tempo. Tenho certeza de que muitos blogueiros e apenas cozinheiros domésticos em geral experimentam isso. Você faz muitas coisas de outras pessoas no início, muito, até começar a aprender o que os ingredientes fazem juntos e do que você gosta. E agora eu tenho minha receita de bolo, ou minha receita de pão, ou minha receita de muffin, como uma receita base, e então eu ajeito a partir daí. Portanto, são minhas receitas, mas é uma longa herança de pessoas e livros com os quais aprendi.


Grãos inteiros pela manhã (e uma oferta)

Tentar decidir o que vou fazer na manhã de Natal todos os anos é muito parecido com tentar decidir como vou cozinhar meu peru. Em ambos os casos, não tenho tradição, nenhuma certeza sobre como deve ser. Na noite antes do Dia de Ação de Graças, eu & # 8217m ainda segurando uma caixa de sal na mão, tentando decidir se devo molhar a salmoura ou salmoura seca ou parafusar a salmoura e talvez montar algum tipo de engenhoca perigosa no quintal para fritar e colocar fogo na floresta. Da mesma forma, eu vasculho livros de receitas e blogs e as palavras de quem quer compartilhar quando se trata do que fazer na manhã de Natal. Eu procuro em meus livros como se nunca tivéssemos tido Natal antes. Começo do zero e procuro aquele prato que me chamará em perfeita harmonia cantada em quatro partes. Normalmente encontro e começo de novo no ano seguinte.

Nas últimas semanas, tive um novo livro para me ajudar.

Sinceramente, esta não é a primeira vez que vejo Manhãs de grãos inteiros. Megan mandou-me uma versão em pdf do livro no verão e comecei a cozinhar com ele. O editor dela perguntou se eu poderia ter alguns elogios ao final do livro, e minha primeira resposta foi rir da palavra & # 8220few. & # 8221 Algumas palavras? Eu poderia preencher toda a parte de trás do livro falando sobre o que eu amo neste livro! Mas eu fiz o meu melhor para diminuí-lo e então guardei o resto para agora, quando puder compartilhar com você.

Ainda não sei o que é esse elemento mágico que me faz amar verdadeiramente um livro de receitas. Claro que gosto de receitas que funcionam, ingredientes que posso encontrar e de um escritor com quem quero passar algum tempo. Mas, no final das contas, há certos livros que procuro sempre que não tenho certeza do que quero cozinhar. Pegarei o livro da estante e o sofá da cozinha me puxará até ele, e aí estou eu, lendo o livro novamente, dobrando as páginas. É uma qualidade que não consigo definir, mas não encontro um livro com ela com muita frequência.

Manhãs de grãos inteiros tem. Até Sadie sentiu isso - ela levou o livro para a cama com ela na primeira noite em que ele chegou e acordou cedo no dia seguinte para fazer a receita do pudim apressado. Megan é tão calorosa e acessível, e suas receitas são criativas e inspiradoras, mas também viáveis ​​para qualquer pessoa. Há receitas para fazer pela frente para os dias em que você toma o café da manhã correndo porta afora, e há receitas para definhar lentamente enquanto bebe uma segunda xícara de café no fim de semana. Mas o que eu posso amar mais no livro é como Megan & # 8217s amam e apreciam os ingredientes. Pode ser fácil escorregar e pensar em grãos inteiros como (para usar um termo que adoro de Mollie Katzen) & # 8220como culinária remorse & # 8221 menos deliciosa e mais virtuosa do que suas relações enriquecidas. Mas essas receitas (Bolos de Abobrinha Farro! Parfaits de Figo Fresco com Creme de Amêndoa e Amaranto Estalado! Quadrados de Polenta de Bacon e Couve! Creme de Fubá de Huckleberry!) São tudo menos culinária de remorso. Especialmente se ingredientes como painço, faro e quinoa não estiverem em sua rotação normal, essas receitas são a melhor introdução para prepará-los de maneiras que mostram como eles realmente são deliciosos. E mesmo que você e os grãos inteiros voltem no tempo, acho que você encontrará muitas novas inspirações aqui. O livro não sai até a véspera de Ano Novo, mas isso é o suficiente em 2013 para torná-lo um dos meus livros de receitas favoritos do ano.

Ten Speed ​​Press concordou em me dar uma cópia de Manhãs de grãos inteiros, e o vencedor receberá sua cópia assim que o livro for lançado. Para entrar, você vai compartilhar seus planos de cardápio para a manhã de Natal? Ou aquela receita que você sempre faz, aquela que realmente faz parecer Natal? (Claro, ainda não tenho ideia do que estou fazendo. Preciso de ajuda.) Ou se o Natal não for sua festa preferida, conte-nos sobre outra tradição favorita de café da manhã para um desses muitos feriados de dezembro. E eu elaborei um plano para dar a você mais uma entrada, se você quiser. Veja como funciona: um comentário permite que você seja inserido, mas você terá uma chance adicional se me disser que encomendou Manhãs de grãos inteiros (de qualquer fonte - mesmo as livrarias locais geralmente oferecem a possibilidade de encomenda). Se você for o sortudo vencedor e também fizer o pedido antecipado, garanto que o livro é um que você desejará dar de presente. O sorteio está aberto apenas para pessoas nos Estados Unidos continentais, mas espero que você & # 8217 participe da conversa, mesmo que você & # 8217 esteja mais longe & # 8211 apenas deixe-me saber que você & # 8217não está interessado. E mais uma observação: se você estiver compartilhando um link para uma receita ou postagem nos comentários e o comentário não aparecer, é apenas o meu desagradável (mas incrível) filtro de spam cuidando de mim. Basta me enviar um e-mail e eu localizarei seu comentário. Escolherei o vencedor em 26 de dezembro.

Sei que a aveia não parece um café da manhã chique de manhã de Natal, mas quando assada e temperada com especiarias e frutas, torna-se um animal inteiramente novo. Eu testei isso na minha própria cozinha, fazendo-o e deixando-o na geladeira por várias horas antes de assar, e funcionou muito bem. Portanto, se você quiser fazer isso com antecedência e colocá-lo no forno pela manhã, também funciona.

Banana Noz Assada Oatmeal

2 xícaras de aveia em flocos
1/2 xícara de amêndoas fatiadas, torradas e resfriadas
1 xícara de nozes, torradas e resfriadas (você pode torrar as amêndoas e as nozes juntas em uma bandeja em um forno a 350 ° F por cerca de 8 minutos)
3 colheres de sopa de linhaça moída
1 colher de chá de fermento em pó
1 1/4 colher de chá de canela em pó
1/4 colher de chá de gengibre em pó
1/4 colher de chá de noz-moscada moída
1 colher de chá de sal kosher
1 1/2 xícaras de leite
1/2 xícara de leitelho
1/2 xícara de molho de maçã
1/3 xícara de xarope de bordo e mais para servir
1 ovo grande, batido
3 bananas maduras, cortadas em fatias de 1/2 polegada
3 colheres de sopa de óleo de coco ou manteiga derretida, azul mais para untar a frigideira
Sal em flocos (opcional)
Creme ou leite quente, para servir, opcional

1. Pré-aqueça o forno a 375 ° F. Unte uma assadeira funda de 20 cm com óleo de coco ou manteiga.

2. Combine a aveia, as amêndoas, as nozes, as sementes de linhaça moídas, o fermento, as especiarias e o sal em uma tigela grande.

3. Em uma tigela separada, misture 1 xícara de leite, o leitelho, a compota de maçã, o xarope de bordo, o ovo e a baunilha. Adicione a mistura de leite à mistura seca e, delicadamente, envolva-a. (Megan recomenda que não mexamos vigorosamente aqui para manter a aveia inteira).

4. Espalhe uma camada de bananas fatiadas sobre o fundo da assadeira preparada. Espalhe metade da mistura de aveia por cima das bananas. Disponha as bananas restantes por cima da aveia e termine com o resto da mistura de aveia. Despeje o restante do leite sobre a aveia e, por fim, cubra com o óleo de coco derretido ou a manteiga. Asse até que o topo esteja dourado, cerca de 40 minutos. Deixe descansar por 15 minutos antes de servir. As sobras podem ser reaquecidas no forno ou no fogão.

Obrigado à Ten Speed ​​Press por tornar este sorteio possível, e a Megan Gordon por escrever um livro que vai começar nossos dias de uma maneira tão boa.


Obtenha uma cópia


Livros para cozinheiros: manhãs de grãos inteiros - receitas

Coma este poema

Uma festa literária de receitas inspiradas na poesia

Descrição

Um livro de receitas literárias que celebra a comida e a poesia, dois dos ingredientes essenciais da vida.

Da mesma forma que o sal tempera os ingredientes para realçar seus sabores, a poesia tempera nossas vidas quando celebrados juntos, nossos momentos e refeições do dia a dia são mais ricos e mais significativos. Os vinte e cinco poemas inspiradores neste livro & mdash de poetas como Marge Piercy, Louise Gl & uumlck, Mark Strand, Mary Oliver, Billy Collins, Jane Hirshfield & mdashare acompanhados por setenta e cinco receitas que trazem a riqueza das palavras para a vida em nossa cozinha, em nosso prato , e através do nosso paladar. Coma este poema nos abre a novas maneiras de acessar a poesia e dá um novo significado aos alimentos que cozinhamos.

Louvor para Coma este poema: um banquete literário de receitas inspiradas na poesiae inferno

"Folheando as páginas de Coma este poema fará com que você se sinta como se estivesse sentado com um velho e sábio amigo durante o chá e com a expectativa de uma grande refeição a seguir. Os poemas e as histórias por trás de cada receita reforçam o quão significativo é o simples ato de alimentar e nutrir a nós mesmos e nossa família. Uma obrigação para o leitor e cozinhar em sua vida! "& # 160& mdashMegan Gordon, autora de Manhãs de grãos inteiros

& ldquoEu sempre gostei de como Nicole traz paz e tranquilidade para a cozinha ao conectar receitas com poesia. Que obra de arte ter um livro que casa os dois de forma encantadora. & Rdquo & mdashSara Forte, autora de & # 160A tigela germinada da cozinha + colher

"Como [Gulotta] aponta, tanto poetas quanto cozinheiros são criadores, ela celebra a arte desses artesãos com mais de 75 receitas e poemas que os acompanham. & Rdquo & mdashLista de livros

"Ler e comer. O que poderia ser mais consolador?" & # 160& mdashToronto Star & # 160


Revisão do livro de receitas: 'Mother Grains' de Roxana Jullapat tem todos os ingredientes de um novo clássico

À medida que começamos a romper para o lado da libertação de O Grande Confinamento, encontrar os traços de prata do que estamos deixando para trás parece uma maneira ensolarada de tentar dar sentido ao mundo e pelo que passamos.

Um desses aspectos positivos é que, como sociedade, parecemos mais capazes de assumir algum controle sobre nossas escolhas alimentares e estamos partindo de suposições antigas sobre os alimentos disponíveis para nós. A obsessão por Sourdough ilustra isso no microcosmo. As pessoas não conseguiam um bom pão. Eles mergulharam, devotaram-se à ciência e à alimentação de massa fermentada, ao cozimento do pão e descobriram tudo. Foi transformador para muitos.

Relacionado a esse fenômeno está um novo interesse em grãos: de onde eles vêm (geográfica e historicamente), quem os cultiva, como são moídos e como apoiar, comprar, assar ou cozinhar com eles e comê-los pode melhorar a vida em todos os lugares. várias maneiras.

Não sou um padeiro frequente, mas quando faço meu ocasional forno holandês sem amassar, é sempre grão inteiro. Durante a pandemia, fiquei viciado nas farinhas tradicionais oferecidas por um moleiro local, Barton Springs Mill. Além da panificação, também fiquei obcecado com o milho tradicional vendido pela Masienda, a fornecedora com sede em Los Angeles que obtém seu milho seco (e masa harina feito dele) de fazendas de pequena escala no México. Isso mudou minha vida, pois não preciso mais me contentar com tortilhas feitas de milho e pão feito de farinha. Os sabores e texturas que estou gostando são muito melhores - assim como me sinto em apoiar os fazendeiros e moleiros que tornam tudo isso possível.

Tanto Barton Springs Mill quanto Masienda fazem parte de uma "revolução de grãos" maior - que é o assunto do excelente novo livro de receitas de Roxana Jullapat, Grãos Mãe.

Muffins de mirtilo de espelta com cobertura streusel, da ‘Mother Grains’ de Roxana Jullapat.

Jullapat, o renomado padeiro e co-proprietário da Friends & amp Family em Los Angeles, inspirou-se nos produtores de grãos e pequenos moinhos cujos produtos ela trabalhava quando ela e seu marido, o chef Daniel Mattern, tinham um restaurante chamado Cooks County (ele inaugurado em 2011). “Comecei a usar grãos inteiros em nossos pães e pastéis e, pela primeira vez, prestei atenção em como esses novos ingredientes poderiam transformar a maneira como eu assei”, ela escreve na introdução.

Nascida em Orange County, Califórnia, filha de pais imigrantes - mãe tailandesa e pai costarriquenho - Jullapat perdeu sua mãe quando ela tinha apenas dois anos de idade, seu pai mudou-se com a família para a Costa Rica e se casou novamente. Ela cresceu lá, então estudou jornalismo na faculdade, contemplou a pós-graduação depois de se formar, mas acabou voltando para a Califórnia e freqüentando a Escola de Artes Culinárias do Sul da Califórnia. Lá ela conheceu Mattern, e os dois acabaram trabalhando no restaurante do Campanile, Nancy Silverton e Mark Peel. Jullapat passou a servir como chef pasteleiro em dois outros restaurantes maravilhosos - Lucques e A.O.C. (Mattern foi chef de cuisine na A.O.C.)

Depois que ela e Mattern fecharam o Condado de Cooks em 2015, Jullapat levou dois anos para fazer experiências com grãos de herança de todos os Estados Unidos e ao redor do mundo - e para viajar. “Fui ao Butão”, escreve ela, “onde provei crepes do Himalaia finos e grossos e experimentei arroz vermelho terroso do Butão. Em seguida, fui para a Turquia, onde grãos de trigo ancestrais inteiros são comuns em pratos saborosos. . . . De volta à Costa Rica, descobri uma herança de milho azul cultivado organicamente na região norte de Nicoya. ” Entre as viagens, ela visitou fazendas do sul da Califórnia que lideravam o movimento local de grãos.

O livro oferece uma riqueza de conhecimento sobre os oito antigos “grãos-mãe” que inspiraram o título: cevada, trigo sarraceno, milho, aveia, arroz, centeio, sorgo, trigo. Você sabia que o centeio é um grão mais novo - com apenas 2.000 ou 3.000 anos - e que se originou na Anatólia, perto da atual Turquia? Que prospera em climas frios e úmidos, por isso é onipresente na Escandinávia, Rússia e Europa Oriental? Ou que o trigo sarraceno é um pseudograin, como a quinua, o que significa que não vem de uma grama, mas de um arbusto frondoso e florido?

Você sabia que a farinha - especialmente a farinha integral - é perecível e que comprar em moinhos artesanais ou distribuidores locais é uma ótima maneira de garantir frescor?

Espelta, aprendi no livro, é provavelmente o trigo “antigo” mais conhecido, aquele que Jullapat considera uma “porta de entrada” para padeiros que começam a explorar grãos antigos. (Outros trigos antigos são einkorn, emmer, também conhecido como farro, trigo khorasan e durum.)

Quer descobrir os encantos de feitiço? Mime-se com os Muffins de Mirtilo com Espelta de Jullapat. Eu fiz, e eles acabaram sendo, de longe, os melhores muffins de mirtilo que eu já provei.

Na verdade, as receitas de Jullapat são geralmente espetaculares - é por isso que acho que seu livro merece se tornar um clássico. Marquei dezenas de páginas de receitas que quero experimentar e quase todas as sete que fiz até agora foram excepcionais.

As Macadamia Brown Butter Blondies que Jullapat preparou “todos os dias desde a abertura de Friends & amp Family em 2017” são um exemplo disso. Manteiga marrom e farinha de cevada dão a eles uma profundidade maravilhosa, mas não se preocupe - eles são ricos e decadentes o suficiente para encantar todos os visitantes, incluindo crianças.

Macadamia Brown Butter Blondies, de ‘Mother Grains’ de Roxana Jullapat. Jullapat escreveu que os cozinhou ‘todos os dias desde a abertura de Friends & amp Family em 2017.’

Eles são assados ​​em uma fôrma redonda, "garantindo que cada pedaço tenha uma parte externa torrada e crocante e um centro macio". Jullapat ressalta que, por serem tão fáceis de fazer, são guardados por alguns dias e viajam bem, "eles são um presente caseiro ideal que você pode enviar para amigos e familiares em todo o país."

Nem todas as receitas são doces. Na verdade, um dos meus favoritos é um saboroso: Buckwheat Blini com Dungeness Crab Salad.

Blini, como você pode ou não saber, são panquecas com fermento tradicionais na Rússia. Lá, eles são cobertos com creme de leite ou manteiga derretida e guloseimas como salmão defumado, peixe branco, arenque ou caviar. De acordo com Anya von Bremzen, autora de Dominando a Arte da Cozinha Soviética, os blini são do tamanho de um pires, "nunca do tamanho de um coquetel e, atualmente, as pessoas preferem o trigo ao arcaico trigo sarraceno".

Isso é alimento para outra história, uma sobre a cultura blini. Em qualquer caso, adorei tanto o arcaico mini-blini de trigo sarraceno do livro de Jullapat que os fiz duas vezes em duas semanas. Ou talvez pudéssemos dizer quatro vezes: a receita dela dá massa suficiente para cerca de 3 dúzias de blini, e nas duas vezes que as fiz, guardei um pouco da massa para cozinhar blini no dia seguinte. Eles são tão bons - e tão divertidos de fazer - que estou pensando em fazê-los novamente amanhã.

Sobre o assunto da cobertura, Jullapat sugere que, se você não for um West Coaster e não tiver acesso ao caranguejo Dungeness, use o que estiver disponível localmente. Usei caranguejo azul congelado descongelado e estava bom, mas sei que seria espetacular com Dungeness. Também cobri com uma mancha de crème fraîche e um pouco de salmão defumado ou truta defumada, um suco de limão e um raminho de endro ou cebolinha. Tão bom.

Blini de trigo sarraceno com salada de caranguejo, abacate e endro, da ‘Mother Grains’ de Roxana Jullapat

Precisamos terminar com um doce, porém, e os biscoitos de dinamite de chocolate da Mother Grains são os vencedores. Chamados de "dinamite" devido à observação de Jullapat de que eles provocam reações explosivamente positivas naqueles que os experimentam, os biscoitos fudgy tipo brownie são sem trigo (feitos com farinha de centeio escura) e são totalmente integrais. Bastante surpreendente para algo que tem um gosto tão indulgente. Jullapat promete que, se você os fizer, será convidado para "cada festa, piquenique e jantar". Tenho certeza que ela está certa!

Tive um pequeno problema com eles na primeira vez que os fiz, embora não possa dizer exatamente que é culpa da receita. Os biscoitos ficaram tão maravilhosos quanto prometido, mas perdi minha tigela Oxo favorita no processo, graças a alguma peculiaridade da física em que um vácuo foi criado pela configuração de derretimento de chocolate Jullapat prescrita. Tive que jogar fora aquela tigela e a panela a que ela aderiu permanente e irrevogavelmente. Minha adaptação não vai colocar você nesse dilema, porque eu ajustei o método de derretimento, substituindo um preferido pela especialista em chocolate Alice Medrich.

Eu também ajustei as instruções de mistura para cozinheiros que, como eu, não possuem uma batedeira, mas têm uma batedeira de mão.

O que me leva ao pequeno desejo que tenho para o livro. Porque eu gostaria que fosse impresso para sempre - encontrando um grande público e fãs apaixonados - espero que uma edição futura receba uma nova rodada de edição mais próxima do que da primeira vez. Entre as 7 receitas que testei, quase todas careciam de informações úteis - particularmente sobre o tamanho das tigelas a serem usadas para várias tarefas - exigindo mais suposições e / ou pratos extras para lavar do que o ideal em um livro de receitas clássico.

Há também um erro significativo no livro - do tipo que um editor ou revisor atencioso deveria ter detectado. Uma receita de Vegan Pozole Verde pede “2 xícaras ou 170 g”. de canjica seca. Na minha cozinha, 2 xícaras de canjica seca pesam mais de 300 g, enquanto 170 gramas é 1 xícara generosa. Preparei o pozol com 170 g. em vez de 2 xícaras, que era o palpite certo.

Em qualquer caso, essas são pequenas falhas, fáceis de consertar na próxima tentativa, caso isso aconteça. O mais importante é Grãos Mãe é um livro maravilhoso, cuja superfície eu mal arranhei. Há muito mais coisas que quero experimentar: Nectarine e Blackberry Crisp feitos com aveia em flocos. Torta de Grapple (uva e maçã) feita com Massa de Torta de Trigo Sonora. Cookies de semolina com pólen de erva-doce. Cookies de data de farinha de aveia. Crepes Suzette com Laranja de Sangue e Mascarpone.

Quer saber das delícias? Experimente uma ou mais das receitas que adaptamos aqui na CWB. Se você os ama tanto quanto nós, você vai querer comprar Grãos Mãe lickety-split.


Batata doce carregada no café da manhã

Carlene Thomas / Coma isso, não aquilo!

As 'torradas de batata doce' circularam recentemente no mundo das receitas de bem-estar da moda, graças à onda de torradas com abacate que torna os vegetais uma escolha popular para o pequeno-almoço. Mas você não precisa carregar sua batata-doce em um pedaço de pão para apreciá-la no café da manhã! Corte o intermediário e transforme sua batata-doce em um recipiente para transportar iogurte e granola.

Obtenha nossa receita de Batata Doce Carregada no Café da Manhã.


Molly Wizenberg & # 39s Favorite Cookbooks

Comecei a ler o blog de Molly Wizenberg, Orangette, em 2004, o mesmo verão em que começou. Eu tinha acabado de me formar na faculdade e me vi em uma fenda entre duas estantes de escritório sem janelas em uma editora na Union Square de Nova York, preenchendo números de reimpressões e custos de papel em uma planilha manuscrita e, às vezes, levando fotocópias de páginas de direitos autorais para outros andares onde pessoas mais qualificadas poderiam olhar para eles. O trabalho não exigia todo o meu foco, e blogs como o Orangette preenchiam as horas entre meu trajeto matinal e minha tentativa noturna de preparar o jantar para meus colegas de quarto. Eu anotava as receitas, mas principalmente, vim para a Orangette pela própria Molly. Os blogs de comida vêm e vão, mas Orangette durou porque os leitores de Molly amam sua voz e estão ansiosos para passar um tempo com ela, visitando o blog novamente e novamente.

Ela também escreveu livros: Uma vida caseira, e mais recentemente, Delancey, que conta a história do restaurante pizzaria de seu marido, Brandon, em Seattle. Recentemente, tive a chance de perguntar a Molly sobre seus livros de receitas e blogs de comida favoritos. Aqui estão suas escolhas.

O que você procura em um livro de receitas? Mais do que tudo, é um sentimento. Gosto de livros de receitas que se concentram em ingredientes sazonais e preparações relativamente simples. Nada com oito zilhões de sabores diferentes acontecendo. Gosto de fotografia de comida que pareça natural, com clima e textura reais. (Os livros de Heidi Swanson são um ótimo exemplo disso, assim como os de Nigel Slater.)

E eu gosto de livros de receitas que não se intimidam em me dar muitas informações! Gosto de realmente me aprofundar nos detalhes de por que um autor faz um certo prato de uma certa maneira, ou por que uma determinada maçã é melhor para um determinado preparo. (Estou pensando novamente em Nigel Slater, e no maravilhoso, maravilhoso Livro de receitas do Zuni Cafe.) Gosto de um livro de receitas para me sentir acessível, mas também para ser capaz de me ensinar algo novo.

Que livros de receitas favoritos eram usados ​​na casa de sua família enquanto crescia? Meu pai era o tipo de cozinheiro que pegaria um punhado de livros de receitas e compararia receitas para o mesmo prato, escolheria os elementos de que gostava e, então, faria sua própria versão. O livro que me lembro dele usar com mais frequência era Livro de receitas do The New York Times por Craig Claiborne, mas eu me lembro dele também ser apaixonado por Simples a espetacular por Jean-Georges Vongerichten e Mark Bittman.

Quanto à minha mãe, não me lembro o que ela usava! Sempre pensei nela mais como uma leitora de revistas de comida do que como uma leitora de livros de receitas. Como muitos cozinheiros nos anos 80, ela tinha os livros Silver Palate, e eu me lembro dela usando-os, mas com mais frequência, lembro-me dela mexendo em uma gaveta cheia de recortes de receitas de revistas.

Livro favorito de culinária vegetariana ou à base de vegetais? Hoje em dia, eu teria que dizer Bastante por Yotam Ottolenghi, ou talvez Concurso: Volume 1 por Nigel Slater. Mas também passei por períodos de dependência de Chez Panisse Vegetais, que é um recurso atemporal, e quando eu tinha 20 e poucos anos, um amigo me deu uma cópia do ótimo livrinho Fresco do mercado de fazendeiros por Janet Fletcher. Eu ainda uso frequentemente! Ah, e quando comecei a cozinhar para mim mesma, adorei todos os livros de Moosewood.

Livro de receitas favorito para sobremesas? Para sobremesas do dia a dia, sou um grande fã de Bom para o grão por Kim Boyce. E antes disso, eu amava Dorie Greenspan's Doces de Paris. Mas, principalmente, encontro receitas de sobremesas aqui e ali, em todos os tipos de livros de culinária. Um dos meus bolos favoritos de todos os tempos é o bolo de amêndoa da Amanda Hesser, da Cozinhando para o Sr. Latte.

Fonte favorita de receitas quando você está cozinhando para um grupo? When I'm cooking for a group, I usually do very simple stuff—a side of salmon, for instance, cooked like this—or recipes I've made a million times before and posted on my blog.

Any favorite cookbooks released recently? My friend Megan Gordon's book Whole Grain Mornings helped me perfect steel-cut oatmeal, and that's been a source of many happy mornings at our house.

What lesser-known cookbook authors deserve more love? She's not lesser-known anymore, but I love Edna Lewis's work, and in particular, her book The Taste of Country Cooking. In my world, it's a classic.

Do you think cookbooks as a form are here to stay? What about food blogs? I certainly hope cookbooks are here to stay! There's something very special about the tangibility of books. To me, they're the whole package, if you will: they're not only useful, but also visually beautiful, able to be carried around and taken anywhere (even where there's no wifi!), with paper that feels good between my fingers and makes that familiar rustling sound when you flip through, and margins that I can write notes in. I know I'm being sentimental, but I don't see anything replacing books entirely. Food blogs, for me, fill a different need. When I read a food blog, I feel a different kind of immediacy, a real companionship in the kitchen. I love that, and I'm grateful for it. Without blogs, my life would look nothing like it does! But I'm hanging onto books, too.

Which food blogs do you read these days? I always love Luisa Weiss's The Wednesday Chef, and Rachel Roddy's Rachel Eats is wonderful, too. (I also love Rachel's Instagram feed.) And there are so many others. Aaaaagh! I feel overwhelmed just thinking of how to list them all: Elissa Altman's Poor Man's Feast, Jess Fechtor's Sweet Amandine, Tim Mazurek's Lottie + Doof. Okay, I'll stop there.


Books for Cooks: Whole-Grain Mornings - Recipes


. . . . . . . . . . . . . . . . . .

Union Literary is a full-service boutique agency specializing in literary fiction, popular fiction, narrative non-fiction, memoir, social history, business and general big idea books, popular science, cookbooks and food writing. We excel at project development, hands-on editing and placing our projects with domestic and foreign publishers, film and television companies.

Trena Keating
[email protected]
Trena Keating represents a range of talented authors with strong voices and creative and cutting-edge ideas, including novelists, journalists, celebrities, and experts writing for a popular audience such as professors, doctors, scientists, and entrepreneurs. She manages complicated estates, works with multi-platform writers, develops and grows authors in mid-career, and introduces new voices to the book world, building their career through media opportunities and around the world. Her list is a balance of #1 NYT bestsellers and debuts she finds that equal are the pleasures of working with masters of the craft and new talent filled with promise. Prior to becoming an agent, Trena was Editor-in-Chief of Dutton and Associate Publisher of Plume, both imprints of Penguin, Senior Editor at HarperCollins, and humanities assistant at Stanford University Press and has had the honor to work with such esteemed, award-winning, and bestselling writers as Tracy Chevalier, E.L. Doctorow, Diane Johnson, Toni Morrison, and Joyce Carol Oates, as well as actively publishing estate classics from George Orwell and Ayn Rand. She has appeared as a publishing expert on Kathy Griffin’s television show and “Inside Edition”. Trena takes on a select list of clients so she can actively edit and effectively manage each career.

Sally Wofford-Girand
[email protected]
Sally Wofford-Girand has worked with such luminaries as Salman Rushdie, Grace Paley, Kim Edwards, and Alice Hoffman as the foreign rights director at a boutique literary agency. Her particular areas of interest are: history, memoir, women’s issues, cultural studies, and, most of all, fiction that is both literary and gripping. Favorite authors include Cormac McCarthy, Kate Atkinson, Jennifer Egan, Elizabeth Strout, Anne Patchett, John Green, Jose Saramago, and Wallace Stegner. She is a hands-on agent with a passion for great storytelling. She loves the thrill of discovery in working with debut novelists. Sally is on the International Committee of AAR and a board member of Writers Omi, an international writers colony in New York.

Jenni Ferrari-Adler
[email protected]
Jenni Ferrari-Adler represents a list of exciting fiction writers including Emma Straub, Ariel Djanikian, and Brittani Sonnenberg, award-winning food writers including Maria Speck, Cheryl Sternman Rule, and Nancy Singleton Hachisu, food shops including Four & Twenty Blackbirds, The Meat Hook, and Van Leeuwen Ice Cream, as well as the estate of Pamela Moore, YA, narrative nonfiction, and other categories. Jenni worked for 5 years at Brick House Literary Agents and 4 years at Sobel Weber Associates. Recent novels she wished she represented are THE SNOW CHILD by Eowyn Ivey, WHERE’D YOU GO, BERNADETTE by Maria Semple, and THE INTERESTINGS by Meg Wolitzer. Jenni loves working closely with her clients on every step of the process. She holds an MFA in fiction from the University of Michigan and a BA from Oberlin. She edited the anthology ALONE IN THE KITCHEN WITH AN EGGPLANT. She has taught writing at the University of Michigan and the Gotham Writers Workshop, and worked as a reader for The Paris Review and a bookseller at Housing Works. Jenni is on the contracts committee of the AAR. She lives in Brooklyn with her husband, daughter, and son.

Taylor Curtin
[email protected]
Taylor Curtin is Union Literary's newest addition and is currently working on building her list. Taylor is interested in true crime, young and new-adult fiction (especially in the realms of sci-fi and fantasy—both high and low), as well as upmarket and literary fiction. For true crime she is looking for compelling stories that bring the drama and incorporate aspects of psychology, forensics, and/or the litigation process. Regarding fiction, she is a sucker for snappy, sarcastic characters with stories that ring (painfully) true while making the reader laugh, or even cry. Taylor is passionate about narratives that are diverse, culturally conscious, and socially aware (particularly for younger readers). She has an appetite for high-quality and evocative writing that transports the reader to unfamiliar places, or lends fresh eyes to a familiar place. She’s not afraid of edgier, grittier, or darker voices and stories, and prefers the kid-gloves are off when handling young readers. Before finding her way to publishing, Taylor worked as a wardrobe stylist and a personal assistant, fetching red carpet gowns and coffee in one, semi-frenzied swoop (think: The Devil Wears Prada). While her professional experience runs the gamut, her love affair with books was given new life after an internship at Writers House, where she worked in the office of Susan Golomb.

General inquiries can be sent to Taylor at [email protected]

General fiction
Juvenile fiction
Biography
Business/investing/ finance
História
Religious

Mind/body/spirit
Lifestyle
Cookbooks
Science
Memoir
Food writing

MOST RECENT SALES / FORTHCOMING BOOKS

THE VAN LEEUWEN ARTISAN ICE CREAM BOOK: A Collection of Classic Recipes by Laura O'Neill, Ben Van Leeuwen, Pete Van Leeuwen, with Olga Massov Friedman (World to Ecco)

DRAGONFLY by Alyson Richman (World English to Berkley)
A young cellist, drawn into the Italian Resistance during WWII, risks her life and is forced to abandon her family and home, only to find unlikely shelter with a doctor who is seeking his own redemption. From the bestselling author of The Lost Wife.

THE VACATIONERS by Emma Straub (World to Riverhead)
In the tradition of country house novels like Enchanted April and Maine, tensions, longings, grudges, and secrets explosively rise to the surface during an extended family's two-week vacation in Mallorca, Spain.

CARRY ON, WARRIOR by Glennon Melton (North America to Scribner)
Glennon Doyle Melton presents her first book Carry On, Warrior, featuring new material and some of Melton’s most beloved essays on faith, family, marriage, motherhood, addiction, and recovery, carrying Momastery’s messages of hope, forgiveness, humor, and redemption.
***UK - Michael Joseph

THE PARADISE GUEST HOUSE by Ellen Sussman (World English to Ballantine)
Set in Bali during the aftermath of the 2002 nightclub bombings, a story about love, risk, and facing up to our deepest fears.
***Brazil - Casa da Palavra Germany - Blanvalet

THE BOOK OF KILLOWEN by Erin Hart (North America to Scribner)
An ancient volume of philosophical heresy provides a motive for murder in this haunting, lyrical novel of forensics, archeology, and history—the fourth in an acclaimed suspense series.

WHOLE-GRAIN MORNINGS by Megan Gordon (World English to Ten Speed)
A cookbook featuring more than 50 recipes for healthy and whole-grain based breakfast foods as well as narratives about Megan’s company and personal life, by the writer of the popular blog A Sweet Spoonful, and owner of Seattle-based granola company Marge.

GLUTEN-FREE FAMILY FAVORITES by Peter and Kelli Bronski (World to The Experiment)

THE AFTERNOONS OF A WOMAN OF LEISURE by Elizabeth Bennett (North America to Intermix/Berkley)
Joanna, a bored, beautiful young housewife becomes involved with a mysterious “O,” a woman whose clients and employees experiment with pleasure, pain, and what she refers to as “issues of control.” The Afternoons of a Woman of Leisure recalls The Story of O and offers a darker, more sophisticated take on the themes that have made Fifty Shades of Grey a phenomenon.
***UK - Little, Brown

ONE SIMPLE CHANGE by Winnie Abramson (North America to Chronicle)
Lifestyle book by the writer of the blog Healthy Green Kitchen, featuring age-old culinary wisdom, cutting edge nutrition information, whole foods recipes, and green living tips.

BREATHE by Kate Bishop (World English E-Book to Diversion)
When Alex’s high-powered husband finds himself through yoga, and his gorgeous yoga teacher, he walks out on Alex, suggesting that some time alone with her thoughts would do her some good. When drinking through his prize wine collection and pizza takeout do not prove the cure to her heartache and bruised ego, she reluctantly allows her two best friends to intervene. As she slowly learns to define success on her own terms, she finds the secret to love, in all its forms, and the perfect flying crow pose, one breath at a time. Kate Bishop is a pen name for three yoga teachers who have together studied psychology, education, and creative writing, as well as the healing arts. They own a popular yoga studio in Portland, Oregon.

THE MEAT HOOK MEAT BOOK by Tom Mylan (World to Artisan)
First Cookbook from the Beloved Brooklyn Butcher and his shop.

THE GRAVITY OF BIRDS (North American rights to Simon and Schuster) by Tracy Guzeman, a debut novel that begins when a famous artist reveals the existence of a previously unseen painting to an art history professor and an art authenticator, sending them on a search for two reclusive sisters that will reveal a thwarted love affair, breathtaking betrayals, and unexpected connections between them all.

FOUR & TWENTY BLACKBIRDS: PIE (W to Grand Central)
A cookbook of pie recipes, techniques, and stories, by sisters from South Dakota, third-generation pie bakers, and co-owners of the wildly popular Brooklyn pie shop and cafe Four & Twenty Blackbirds.

THE WRAP UP LIST by Steven Arntson (NA to Houghton Mifflin Harcourt)
High School Senior Gabriela Rivera has one week to wrap up her life after receiving a death letter, which accounts for 1% of fatalities in a mostly familiar world.

BAKELESS SWEETS by Faith Durand (W to Stewart, Tabori, and Chang)
No-Bake (& Mostly Gluten-Free) Desserts Featuring Stovetop Puddings, Real Fruit Gelatins, Whipped Fluffs, Icebox Cakes, & Homey Desserts to Be Eaten With a Spoon, by the managing editor of The Kitchn.

AMONG THE JANEITES by Deborah Yaffe (NA to Houghton Mifflin Harcourt)
Narrative non-fiction journey through the world of Jane Austen Fandom,by award-winning journalist and longtime Janeite.

LAST CALL IN THE CITY OF BRIDGES by Salvatore Pane (Braddock Books)

CHOCOLATES FOR BREAKFAST by Pamela Moore (NA to Harper Perennial)

FRUITFUL by Brian Nicholson and Sarah Huck (Running Press)

SODIUM GIRL’S LIMITLESS LOW-SODIUM COOKBOOK: How to Lose the Salt and Eat the Foods You Love by Jessica Goldman Foung (World to Wiley)

FROM HERE TO ETERNITY by James Jones (North America to The Dial Press)
From Here to Eternity, which won the National Book Award in 1952, recreated the authentic soldier experience and captures, like nothing else, the honor and savagery of man. Sixty years after its first publication, the estate has at last restored the original language to the most important novel to come out of World War II, along with a foreword by William Styron and correspondence between James Jones and his editor, the famous Maxwell Perkins, including letters on the issue of censorship. The film version won eight Academy Awards.
***Hungary - Trivium Kft Chinese simple - Beijing Pengfeiyili Book Spain - Ediciones B Korea - The Open Books Co. UK - Hodder Poland - Ksiaznica Italy - Neripozza

THE THIN RED LINE by James Jones (North America to The Dial Press)
A classic of combat fiction and one of the most significant explorations of male identity in American literature, establishing Jones as a novelist of the caliber of Herman Melville and Stephen Crane, now rereleased with foreword by Francine Prose.
***Japan (educational extract) - Waseda Prep School Italy - R.C.S. Libri SpA Poland - Visvis/Etiuda Publishing House UK - Hodder Chinese simple - Beijing Pengfeiyili Book Korea - Minumsa Publishing Co.

THE SALT GOD'S DAUGHTER by Ilie Ruby (World English to Counterpoint)
Ilie Ruby's THE SALT GOD'S DAUGHTER, which uncovers the family secrets of three generations of women who settle near the ocean in Southern California, a place of mythic folklore, exotic landscapes, and Jewish mysticism, and the effect of a love affair on a woman, who has a daughter born with a secret she tries to keep hidden as she seeks out the father she never knew.

THE MOUNTAIN AND THE FATHERS by Joe Wilkins (World English to Counterpoint)
Pushcart Prize nominee, Best New Poets and Best American Essays author, and 2010 National Magazine Award finalist Joe Wilkins’ narrative that explores the life of boys and men in the unforgiving, harsh world of Eastern Montana, the Big Dry, pitched in the vein of Ian Frazier and Norman McClean.

LAURA LAMONT'S LIFE IN PICTURES by Emma Straub (World to Riverhead)
Debut novel in which a Midwestern girl's transformation into a 1940s Hollywood movie star comes at a high cost to family and identity.

IN THE KINGDOM OF MEN by Kim Barnes (North America to Knopf/Vintage)
An Oklahoma woman follows her husband to the oilfields of Saudi Arabia in the 1960s, where, living in a compound, the couple makes a startling discovery about the depths of the Saudis’ institutionalized racism and the accusation of murder threatens to tear them apart.
***UK - Hutchinson Audio - Dreamscape

AND LAUGHTER FELL FROM THE SKY by Jyotsna Sreenivasan (North America to Morrow)
A debut novel and contemporary love story about a young Indian-American woman determined to please her family and go through with an arranged marriage, as soon as she can stop sleeping with inappropriate men, especially the irritatingly bohemian friend of her younger brother, who may be the one she can’t live without.

JAPANESE FARM FOOD, by Nancy Singleton Hachisu (World English to Andrews McMeel)
160 recipes for Japanese country dishes, with family stories, and photographs by Kenji Miura. Foreword by Patricia Wells and Praise from Alice Waters.

SALTIE: A Cookbook by Caroline Fidanza (World to Chronicle)
A cookbook with 100 recipes for sandwiches, salads and soups, sweets and savory treats and more, by the founding chef of Diner and Marlow & Sons, from the beloved sandwich shop in Williamsburg, Brooklyn.

SHADES OF HOPE: A Program to Stop Dieting and Start Living by Tennie McCarty (World to Amy Einhorn Books/Penguin USA)
One of the foremost experts on eating addiction, Tennie McCarty uses her own inspiring story, as well as the treatment from her famous retreat center, Shades of Hope, to help readers break the endless cycle of diets.

GIFTS OF THE CROW: A Scientific Journey into Seven Human Characteristics Revealed by These Cerebral Birds by John Marzluff (World to Free Press)
Crows are mischievous, playful, social, and passionate. With its abundance of funny, awe-inspiring, and poignant stories, indie bestseller Gifts of the Crow portrays creatures who are nothing short of amazing. A testament to years of painstaking research and careful observation by scientist John Marzluff, this fully illustrated, riveting work is a thrilling look at one of nature’s most wondrous creatures.

HAND ME DOWN by Melanie Thorne (World to Dutton)
Fourteen-year-old Elizabeth Reid has spent her life protecting her sister, Jaime, from their parents’ cruel mistakes. Their father would rather feed his vices than his daughters. And when their once-loving mother chooses to start a new family with a dangerous ex-con, Elizabeth and Jaime are separated and forced to rely on the begrudging kindness of increasingly distant relatives. Abandoned by her mother and burdened by a bleak pact with a deceitful adult, Elizabeth is no longer sure she can save Jamie—or even herself. Written in “prose that vibrates with intelligence and passion,” (Kirkus, starred review), Hand Me Down is an evocative, semi-autobiographical debut that announces Melanie Thorne as a powerful new voice in fiction.

THE REBEL WIFE by Taylor Polites (North America to Simon & Schuster)
Brimming with atmosphere and edgy suspense, regional bestseller The Rebel Wife presents a young widow trying to survive in the violent world of Reconstruction Alabama, where the old gentility masks continuing violence fueled by hatred, treachery, and still powerful secrets. As Augusta Branson summons the courage to cross the boundaries of hate, The Rebel Wife presents an unforgettable heroine for our time.

BRIGHT LIGHTS, NO CITY by Max Alexander (World English to Hyperion)
The true story of his brother Whit’s effort to start a sustainable, profitable business that employs Africans—a business that carries all the usual risk associated with entrepreneurship plus the risks of malaria and machete attack, and involves literally bringing light to poor villages in Ghana.
***Korea - Sigongsa

THE LANGUAGE OF FLOWERS, a novel by Vanessa Diffenbaugh (North American to Ballantine)
The story of a woman whose gift for flowers helps her change the lives of others even as she struggles to come to terms with her own troubled past as a foster child.
***UK – Pan Macmillan ANZ – Picador Italy – Garzanti Spain – Salamandra Catalan – 62 Holland – Unieboek Brazil – Sextante Israel – Kinneret Germany – Droemer France – Presses de la Cite Portugal – Objectiva Denmark – Lindhardt + Ringhof Finland - WSOY Russia - Ripol Classic Poland - Swiat Ksiazki Norway - Aschehoug Taiwan – Linking Korea – Woongjin Sweden – Bazar Latvia – Zvaigzne Japan – Poplar Croatia – Znanje Slovakia – Ikar Iceland - Forlagid Czech Republic – Euromedia Slovenia – Ucila International Albania – Dudaj China – Yilin Estonia – Varrak Serbia – Alnari Lithuania – Almalittera Vietnam - Vietnamese Women Publishing House

RIPE: A Fresh, Colorful Approach to Fruits and Vegetables, by Cheryl Sternman Rule and photographer Paulette Phlipot (World to Running Press)
A photocentric vegetarian cookbook, with stories and recipes, organized by color.

CHICAGO CHEF'S TABLE by Amelia Levin (World to Lyons Press)
100 signature dishes from more than fifty of the city's best chefs -- from Charlie Trotter, Rick Bayless, and Grant Achatz, to the burgeoning street food scene.

THE NAPTIME CHEF, Fitting Great Food into Family Life by Kelsey Banfield (North American to Running Press)
A cookbook by blogger of TheNaptimeChef.com and Babble columnist, featuring 150 recipes to prepare during your child’s naptime, plus smart tips, stories, and the encouraging and empowering message that you don’t have to give up being a foodie just because you are a parent or have limited time in the kitchen.

FOLLOW ME DOWN by Kio Stark (World to Red Lemonade/Richard Nash)
Stark writes about relational technology at NYU. She has written about feminism, NYC night court, the history of the documentary, graphic novels, failure and her favorite saints for The Nation, Killing the Buddha, Lime Tea, Feed and other publications. Follow Me Down is her first novel.

ALL THAT IS BITTER AND SWEET by Ashley Judd (World English to Ballantine)
In this deeply moving and unforgettable memoir, a New York Times bestseller and Books-A-Million’s Non-Fiction Book Club May 2012 pick, Ashley Judd describes her odyssey, from lost child to fiercely dedicated advocate, from anger and isolation to forgiveness and activism.
***Poland - Weltbild

THE LOST WIFE by Alyson Richman (World English to Berkley)
The story of a successful New York obstetrician who still dreams of his first wife, Lenka, an art student he left behind in Czechoslovakia while fleeing the Nazis, and who he believes died during the war.

WHAT CHEFS FEED THEIR KIDS: RECIPES AND TECHNIQUES FOR CULTIVATING A LOVE OF GOOD FOOD by Fanae Aaron (World to Globe Pequot)
A cookbook and parenting resource featuring 100 varied and easy recipes, strategies, tips, and stories, from top chefs who are parents.

FRENCH LESSONS by Ellen Sussman (World English to Ballantine)
The story of how a single day in Paris changes the lives of three different Americans as they each set off to explore the city with a French tutor, learning not just about language, but also love and loss as their lives intersect in surprising ways.

FOUR KITCHENS: MY LIFE BEHIND THE BURNER IN MANHATTAN, ISRAEL, VIETNAM, AND PARIS by Lauren Shockey (World to Grand Central).
Memoir of a young chef looking for her place in the world, with recipes.

THE WIKKELING, by Steven Arntson (World English to Running Press)
A middle-grade adventure set in a near-future dystopia and told in the smart and playful style of The Mysterious Benedict Society, in which three friends unravel the mystery of their life-threatening migraines, overcome a frightening enemy, and discover that the world is more complicated, and more magical, than they’ve been taught. A debut by a graduate of the Iowa Writers' Workshop.

ARTISANAL GLUTEN-FREE CUPCAKES: 50 From-Scratch Recipes to Delight Every Cupcake Devotee- Gluten-Free and Otherwise, by Kelli Bronski and Pete Bronski (World to the Experiment)

CAMPFIRE COOKERY: ADVENTURESOME RECIPES & OTHER CURIOSITIES FOR THE GREAT OUTDOORS by Sarah Huck and Jaimee Young (World to Stewart, Tabori, & Chang)
Cookbook featuring 120 fanciful yet simple recipes for nature enthusiasts who crave more than beans and s’mores, and home cooks who want to bring the spirit of camping home, with a foreword by Melissa Clark.

GAMES TO PLAY AFTER DARK, a debut novel by Sarah Gardner Borden (North American to Vintage)
The story of a modern marriage from the electric meet-cute at a party in the West Village to the messy tumult of suburban parenthood. Drawing comparisons to Mary Gaitskill and Richard Yates for its exploration of the dark side of the American dream.

ANCIENT GRAINS FOR MODERN MEALS, Mediterrahean Whole Grain Recipes for Barley, Farro, Kamut, Polenta, Wheat Berries, & More by Maria Speck (World to Ten Speed Press)
100 delicious and easy Mediterranean whole grain recipes, inspired by the author's Greek mother.

PLANTING DANDELIONS: FIELD NOTES FROM A SEMI-DOMESTICATED LIFE by Kyran Pittman (World to Riverhead)
Essays on love, family, sex after children, money, foreclosure, in which Pittman, a native of Newfoundland, will reveal what it’s like to be a wife, mother and foreigner living in white-picket-fence suburban Arkansas.

OTHER PEOPLE WE MARRIED by Emma Straub (North American to FiveChapters Books, rereleased by Riverhead)
A debut story collection about the surprising and often funny ways love develops and disintegrates over time, by a writer Dan Chaon calls “wry, witty, incisively observant” and Kevin Brockmeier says has “the smarts and humor of a Lorrie Moore or a Laurie Colwin or a Laurie Anderson—any number of Lauries”.

SUB-AGENTS / RIGHTS CONTACTS

Union Literary
30 Vandam Street
Suite 5A
New York NY 10013

We will only respond if we are interested.

Nonfiction submissions should include a query letter, a proposal, and a sample chapter.

Fiction submissions should include a query letter, a synopsis, and either sample pages or a full manuscript.

The agency does not represent romance, poetry, science fiction, or illustrated books.


Assista o vídeo: Książki kucharskie dla początkujących I Zostań mistrzem w swojej kuchni